Filhos de padres são personagens abundantes nos recônditos brasileiros. No Brasil de meados do século passado,  padres, bispos e vigários eram prolíficos e viviam...

Filhos de padres são personagens abundantes nos recônditos brasileiros. No Brasil de meados do século passado,  padres, bispos e vigários eram prolíficos e viviam emprenhando as carpideiras e as carolas rezadeiras. Em certos casos, até uma medida de caridade.

Minha mulher é do interior da Paraíba e tem um parente que é filho de um padre. O padre tinha diversos outros filhos e jamais assumiu nenhum. Conta-se que todos saíram ao pai – exceção feita ao costume da batina, que nenhum deles pode usar por não conseguirem o beneplácito do batismo que a Igreja, com seu moralismo anacrônico, nega aos “filhos do pecado”. No caso de Mari, diz-se, os tais “filhos do pecado” são mesmo a cara do demônio.

Em defesa de Lugo digo que pelo menos foi fiel às orientações da Igreja. É notório que não usou camisinha, por exemplo, seguindo a catilinária que o Papa foi recitar na África, diante da maior platéia de aidéticos do planeta. Também ficou evidente que ele, ao contrário das centenas de colegas denunciados nas últimas duas décadas, não é pedófilo. Pelo menos não há evidência de que seja, a julgar por esse caso. Em se tratando de um padre católico envolvido por escândalos de natureza sexual, é um feito e tanto.

Se serve de consolo, também ficou evidente que não é homossexual, contrariando a crença corrente de que todo clérigo que tem vida sexual ativa é gay ou congênere.

E também tem outra: o que mais iam querer de um bispo “made in Paraguay”? Tá de bom tamanho.

“El conto Del vigário”, Lugo bem poderia servir de inspiração a outros líderes políticos da América Latina que têm passivos parecidos. Pelo menos ele teve a coragem de assumir, ainda que empurrado pela tenacidade da mãe. Há outros pecadores por aí, menos católicos, ainda que mais dissimulados, que jamais tiveram a menor vontade de um gesto como esse.

A menção a isso não caracteriza nenhuma violação de privacidade. Mas o povo tem o direito de saber qual é o caráter do homem que o governa. O político que se traveste de vestal e esconde um laço inquestionável de paternidade não tem fibra nem condição moral para tomar conta da vida de ninguém. Seja ele padre, bispo, pastor, rabino ou cientista social.

Comentários


Sem comentários ainda.

Comente!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *