Marco Damiani, do Brasil 247 – O Mensalão, maior escândalo político dos últimos anos, que pode ser julgado ainda este ano pelo Supremo Tribunal Federal,...

Marco Damiani, do Brasil 247 – O Mensalão, maior escândalo político dos últimos anos, que pode ser julgado ainda este ano pelo Supremo Tribunal Federal, acaba de receber novas luzes. Elas partem do empresário Ernani de Paula, ex-prefeito de Anápolis, cidade natal do contraventor Carlinhos Cachoeira e base eleitoral do senador Demóstenes Torres (DEM-GO).

“Estou convicto que Cachoeira e Demóstenes fabricaram a primeira denúncia do mensalão”, disse o ex-prefeito em entrevista ao 247. Para quem não se lembra, trata-se da fita em que um funcionário dos Correios, Maurício Marinho, aparece recebendo uma propina de R$ 5 mil dentro da estatal. A fita foi gravada pelo araponga Jairo Martins e divulgada numa reportagem assinada pelo jornalista Policarpo Júnior. Hoje, sabe-se que Jairo, além de fonte habitual da revista Veja, era remunerado por Cachoeira – ambos estão presos pela Operação Monte Carlo. “O Policarpo vivia lá na Vitapan”, disse Ernani de Paula ao 247.

O ingrediente novo na história é a trama que unia três personagens: Cachoeira, Demóstenes e o próprio Ernani. No início do governo Lula, em 2003, o senador Demóstenes era cotado para se tornar Secretário Nacional de Segurança Pública. Teria apenas que mudar de partido, ingressando no PMDB. “Eu era o maior interessado, porque minha ex-mulher se tornaria senadora da República”, diz Ernani de Paula. Cachoeira também era um entusiasta da ideia, porque pretendia nacionalizar o jogo no País – atividade que já explorava livremente em Goiás.

Segundo o ex-prefeito, houve um veto à indicação de Demóstenes. “Acho que partiu do Zé Dirceu”, diz o ex-prefeito. A partir daí, segundo ele, o senador goiano e seu amigo Carlos Cachoeira começaram a articular o troco.

O primeiro disparo foi a fita que derrubou Waldomiro Diniz, ex-assessor de Dirceu, da Casa Civil. A fita também foi gravada por Cachoeira. O segundo, muito mais forte, foi a fita dos Correios, na reportagem de Policarpo Júnior, que desencadeou todo o enredo do Mensalão, em 2005.

Agora, sete anos depois, na operação Monte Carlo, o jornalista de Veja aparece gravado em 200 conversas com o bicheiro Cachoeira, nas quais, supostamente, anteciparia matérias publicadas na revista de maior circulação do País.

Até o presente momento, Veja não se pronunciou sobre as relações de seu redator-chefe com o bicheiro. E, agora, as informações prestadas ao 247 pelo ex-prefeito Ernani de Paula contribuem para completar o quadro a respeito da proximidade entre um bicheiro, um senador e a maior revista do País. Demonstram que o pano de fundo para essa relação frequente era o interesse de Cachoeira e Demóstenes em colocar um governo contra a parede. Veja foi usada ou fez parte da trama?

Comentários

  • Bruno Amaro

    29/03/2012 #1 Author

    Pannunzio, me parece que há um erro na análise do prefeito.
    Um Senador não pode se licenciar para assumir um cargo de Secretário, apenas de Ministro ou secretaria com estatus de Ministério.
    Pode ser que eu esteja enganado, mas acho que é isso.
    Parabéns pela série de reportagens sobre os 2 jornalista, sou de esquerda, sou petista, não concordo com suas idéias, mas acho o PHA e o Mino uns imbecis.

    Responder

  • Eliana / Juiz de Fora – MG

    29/03/2012 #2 Author

    Não se esqueçam do grampo sem áudio…..
    Estes senhores constituem uma máfia golpista.
    Golpe contra a democracia.
    Que vergonha!
    Não leio a Veja. Não sou idiota.Não admito que me manipulem.
    Que náusea!

    Responder

  • jose carlos arana

    28/03/2012 #3 Author

    Concordo com o Sr. Mário, a revista Veja, tem por obrigação explicar o porque do seu Diretor da Sucursal de Brasília manter centenas de ligações telefonicas com um contraventor.

    Responder

  • mario chimanovitch

    28/03/2012 #4 Author

    A Veja nos deve sérias explicações, caso contrário a sua credibilidade será seriamente abalada. Se não der, cancelo minha assinatura e faço campanha para que outros assinantes o façam.

    Responder

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *