A presença de Demóstenes Torres no Senado é uma afronta à dignidade que, embora sofregamente, ainda se esperava que sobrevivesse no Parlamento brasileiro. A...

A presença de Demóstenes Torres no Senado é uma afronta à dignidade que, embora sofregamente, ainda se esperava que sobrevivesse no Parlamento brasileiro. A pusilanimidade desse senhor só tem paralelo em figuras como José Dirceu, o mentor do Mensalão, o colega de partido José Roberto Arruda e seu conterrâneo Delúbio Soares. Não há outra analogia possível — e ainda assim com muita benevolência.

É enojante ver a decomposição da da aura de candura que ele sustentava ao irradiar as virtudes de vestal enquanto acertava o jabaculê com a contravenção. Durante anos, manteve intacta sua aura pudica, armadura e escudo dos negócios tenebrosos que fazia com seu chefe e corruptor.

Demóstenes Torres bradava a catilinária moralista ao mesmo tempo em que conspirava contra as instituição em favor do jogo do bicho. E ninguém foi capaz de perceber. Talvez porque sua honorabilidade de fachada tenha sido construída a partir de sua origem no Ministério Público.

Foi essa credencial que o ergueu ao pedestal reservado às mais nobres fontes compulsadas pelos jornalistas. Éramos, e me incluo nesse rol de inocentes inúteis, incapazes de distinguir um falsário de um herói,  todos crentes na santidade do fâmulo do crime organizado. Demóstenes, enquanto o ardil durou, era o cara inquestionável, o inquisidor indestrutível, garantia de boas aspas, a própria encarnação do Bem contra o Mal que confrontava na figura de seus alvos.

Jornalistas, quando não são desonestos, são necessariamente iconoclastas e contestadores. O personagem com o qual o impoluto parlamentar se fantasiava servia como uma luva a esse mister. Hoje, à luz de tudo o que já se sabe sobre esse farsante contumaz, posso afirma sem medo de errar que o senador do jogo do bicho e do bingo entendeu melhor os jornalistas do que nós conseguimos entendê-lo.

A despeito dos crimes que perpetrava entre um e outro discurso patriótico, nunca ninguém jamais suspeitou da existência das relações espúrias que, afinal, hoje parecem ter sido sua verdadeira razão de existir. Agora que a Polícia Federal nos apresentou ao verdadeiro Demóstenes Torres, está na hora de fazer-lhe um último pedido: Saia logo, senador.

Sua carreira política morreu junto com a honorabilidade de araque que lhe dava sustentação. Enquanto não renunciar a esse mandato imerecido, questão de horas ou dias, sua presença continuará provocando nos que conviveram com ele uma náusea profunda. Especialmente aos que mantinham com ele uma relação supostamente honesta de fonte de informações.

Para os jornalista, a derrocada moral de Demóstenes não é apenas um problema afeto à cidadania e ao interesse público. É um espelho da nossa própria incompetência, da nossa miserável falta de acuidade para distinguir o que é joio e o que é trigo nesse canteiro de ervas-daninhas em que ele e seus iguais transformaram a política brasileira.

Comentários

  • Elza A.

    03/04/2012 #1 Author

    Não… Apenas TRISTEZA. É triste ver alguém se “borrar” por tão pouco. Quem faz isto, também faz “pelo muito”… Não tem sensibilidade oral. Decepção não. Não resta mais espaço para me decepcionar com os políticos E COM A POLÍTICA do Brasil.

    Responder

  • jose carlos arana

    01/04/2012 #2 Author

    Sr. Ale,
    Não questiono sobre o que Veja publicou sobre D. Torres e sim o que ela não publicou a respeito de seu Diretor manter conversas com um contraventor. Você viu algo a respeito?
    Big Head,
    Não é necessário rebaixar o debate. Não sigo blogueiro algum, não recebo nada pelos meus comentários e não sou advogado de ninguem, muito menos do governo. Você conseguiu a proeza de confirmar o que eu digo. Na Itália houve a delação premiada, sim, concordo com você. Nem por isso jornalistas sujaram suas mãos e foram beber, como diz o Panunnzio, em fontes perniciosas.

    Responder

    • Big Head

      01/04/2012 #3 Author

      Não, Arana, definitivamente não. Vitimização barata a essa hora do capeonato? Onde se disse que você receberia algo para ecoar os sabujos do oficialismo? O fato é que, pelos seus comentários,percebe-se claamente que você é leitor habitual da tal “blogosfera progressista”, qua não passa de um punhado de blogs de ex-jornalistas cooptados a peso de ouro pelo pelo poder de turno para ecoar as “verdades oficiais” e tentar desqualificar quem ousa apontar a nudez do rei. E isso fica comprovado pela sua inocência ao tachar de infantilidade (?) o fato de PHA, espertamente, ter tentado apagar os rastros de seu financiamento. Quanto ao meu primeiro comentário, talvez não tenha sido claro o bastante. Tentarei novamente. Arana, o mesmo princípio que inspra o instituto da “Delação Premiada” empurra o jornalismo investigativo realmente sério a fazer contatos com bandidos, sacô? Ou será que os grandes esquemas de corrupção teriam que ser desmascarados de dentro de conventos e jardins de infância? Poupe-me. No emblemático caso Arruda, a investigação da PF dependeu quase que exclusivamente das denúncias de um dos cúmplices. O mensalão, que a “blogosfera progressista” insiste em negar, só foi descoberto com a entrevista do Bob Jéferson, à época parceirão do Zè Dirceu, à Renata Lo Prete. Até mesmo a entrevista de Pedro Collor pode ser enquadrada nisso, pois, apesar de não ter sido nada provado contra o irmão de Fernandinho, aquilo tudo tinha uma clara motivação vingativa. E por aí vai.O fato é que apareceram mais gravações da Operação Monte Carlo que desmentem as leviandades que a blogosfera coopatada tem espalhado sobre o jornalista de Veja e a verdade é que o jornalismo invetigativo tem sim que manter contato com o submundo para ter algum sucesso. O resto é conversa pra boi dormir e purismo seletivo de quem não quer ver o governo ser investigado porque depende dele pra tomar vinhos caros em Nova York.

      Abraço

    • jose carlos arana

      01/04/2012 #4 Author

      Caro Big Head, sou leitor de blogs, revistas, jornais e outros meios e comunicação. Por favor, não me rotule como “leitor habitual da blogosfera progressista”. Tenho minha própria opinião e isto talvez possa incomoda-lo. Você tem a sua opinião sobre como , onde e com quem conseguir contatos. Eu o respeito por isso. Eu tenho a minha. Por isto este espaço é bom. Ele abre oportunidades para opiniões e debates divergentes. Dentro da civilidade é claro.
      Gostaria de lembra-lo das inúmeras explicações que R. Murdoch teve dar recentemente pelos contatos que seus jornalistas possuiam. Ah, lembrei-me. Inglaterra! Quem sabe um dia chegaremos lá.
      Abraço

    • jose carlos arana

      01/04/2012 #5 Author

      Um complemento. Quem está sendo investigado não é o governo e sim um senador da oposição. Penso que o governo tambem deve ser investigado. Um governo que prometeu há nove anos atrás rever o fator previdenciário e que depois de eleito “esqueceu” da promessa, fato que prejudicou muitas pessoas, inclusive, eu.

    • Alê

      01/04/2012 #6 Author

      “Sr. Ale,
      Não questiono sobre o que Veja publicou sobre D. Torres e sim o que ela não publicou a respeito de seu Diretor manter conversas com um contraventor. Você viu algo a respeito?”

      Sr. JC Arana,

      Não. Não vi e certamente não lerei nada desabonador a esse respeito no site da Veja. Pelo contrário, como o sr mesmo pode confirmar.

      Felizmente há outros veículos de comunicação, concorrentes, e se houver algo de inescrupuloso ou corruptor, nesse diálogos, fatalmente virão à tona e poderemos fazer uma avaliação desse envolvimento. A BESTA/JEG se descobrir algo, vão deitar e rolar.

      Em princípio me parece lógico que um repórter investigativo tenha contato substancial e frequente com fontes “sujas” e não vejo como pode ser diferente. O importante, a meu ver, é que o repórter consiga transitar sem se corromper.
      Até esse momento, o Policarpo Jr. tem o benefício da dúvida e a minha presunção de inocência. Mais ainda se se levar em conta todos os desmandos, esquemas e armações que ele publicou e que ocasionaram quedas de graúdos.

      De mais a mais, sempre acho que um sujeito que se vende, vai procurar quem paga mais. Putas são assim.
      E quem é que está pagando bem atualmente?

      Dica: começa com “go” e termina com “verno”.

      O tempo dirá. Aguardemos.

      Saudações Pannunzianas,

      Alê

  • Conceição

    31/03/2012 #8 Author

    Apressado come cru:

    http://veja.abril.com.br/blog/reinaldo/geral/cachoeira-gravado-pela-pf-%E2%80%9Co-policarpo-nunca-vai-ser-nosso-ele-e-foda%E2%80%9D-na-mosca/

    Destaque para:

    “Há dias a rede suja da Internet repete a mentira grotesca de que Policarpo teria sido “pego” pela Polícia Federal na Operação Monte Carlo. O chefe da Sucursal da VEJA em Brasília falou, sim, com Cachoeira e seus “auxiliares” muitas vezes. Ele e quase todos os jornalistas investigativos de Brasília. Em todas elas, estava em busca de informações que resultaram em reportagens que, de fato, derrubaram muita gente. Ousaria dizer que muitos milhões, talvez bilhões, de dinheiro público deixaram de sumir pelo ralo da corrupção em razão do trabalho de Policarpo.

    Já escrevi aqui e repito uma obviedade, que é do conhecimento de todo e qualquer jornalista investigativo: não é nos conventos e nos mosteiros que se colhem informações sobe o submundo da capital — e do país. Um jornalista investigativo é obrigado a transitar em áreas muito pouco salubres. MAS ATENÇÃO! O HONESTO, A EXEMPLO DE POLICARPO, TRANSITA, COLHE A INFORMAÇÃO E NÃO SE SUJA. O desonesto se torna funcionário de banqueiro bandido, do espião, do malfeitor. Nao resiste à tentação.”

    Responder

    • Vivi

      31/03/2012 #9 Author

      PHA bate daqui, RA rebate de lá…

      http://www.conversaafiada.com.br/brasil/2012/03/31/cachoeira-filmou-corrupcao-nos-correios-para-vingar-demostenes/

      “As imagens em que um diretor dos Correios, Mauricio Marinho, guarda uma propina de R$ 3 mil – divulgadas na Veja e reproduzidas no jornal nacional – foram o início da crise política que resultou na queda do Chefe da Casa Civil do Governo Lula, José Dirceu.(…)
      Quem mandou fazer a fita foi Carlinhos Cachoeira, para vingar Demóstenes Torres.
      Quem faz essa acusação é Ernani de Paula, ex-prefeito de Anápolis, que foi derrubado da Prefeitura numa operação de grampos desaparecidos, como os que parecem ter a marca de Carlinhos Cachoeira e Demóstenes Torres.
      Cachoeira foi preso na Operação Monte Carlo, da Polícia Federal.
      Ernani de Paula foi casado com uma suplente de Demóstenes.
      Ela assumiria o lugar dele no Senado, se Demostenes saísse do PFL, entrasse no PMDB, e assumisse, como combinado, o cargo de Secretário Nacional de Justiça, uma espécie de vice-Ministro da Justiça.
      Demóstenes não foi nomeado e acredita que Dirceu foi quem vetou o nome dele.(…)”

      Entre o enredo aparentemente rocambolesco de PHA e a palavra de RA, sou mil vezes o primeiro. Para mim, a credibilidade de RA é zero.

      Quanto a Demóstenes, não quero que ele saia, quero que ele receba o que merece. Que não renuncie para escapar à investigação nem à inegibilidade (não tenho certeza de que seria essa a consequência).
      Desse “espanto” e dessa “decepção” que você retrata, Pannunzio, eu felizmente não comungo, pois de políticos a gente tem sempre que esperar o pior, e na minha opinião, ainda mais quando ele é do DEM ou do PSDB.
      A sujeira da Controlar voltou à tona, e agora está respingando no José Agripino Maia, cujo suplente, João Faustino (ex-assessor de Aloysio Nunes na Casa Civil no Governo SERRA – SEMPRE ELE!!), foi preso no final do ano passado por envolvimento nessa mesma história.

      Enquanto isso, estou à espera de alguma prova a respeito do Mensalão, o julgamento do caso e o pronunciamento da Justiça…

    • Big Head

      01/04/2012 #10 Author

      Prova a respeito do mensalão? Quer mais, Vivi? Meu Deus, parece que o espírito da Velhinha Taubaté, covarde e convenientemente assassinada pelo filopetista Luís Fernando Veríssimo (pois, como se sabe, o Governo do Povo não mente jamais), andou baixando por aqui…hehehe

    • Vivi

      03/04/2012 #11 Author

      Qual é ou quais são as provas, Big Head? Refresque minha memória…

    • jose carlos arana

      01/04/2012 #12 Author

      Conceição, isto que você escreveu é apenas uma transcrição do que está no blog do Reinaldo Azevedo, que por sinal tambem li. Penso que a revista poderia informar porque o seu Diretor foi beber em fonte tão perniciosa, para dizer o mínimo. Há maneiras mais éticas de se conseguir um furo jornalístico.

  • Fr Albuquerque

    30/03/2012 #13 Author

    Sua proposta é que devemos acreditar que você era, e consequentemente é, um jornalista inocente.

    Então pare de escrever. A essas alturas você pousar de Madre Tereza de Calcutá!!! Não concordo. Isso é pura acomodação.

    Responder

  • Mario

    30/03/2012 #14 Author

    A verdade é que se gritar pega ladrão não sobra nenhum congressista. O certo mesmo é que o Demóstenes, o Sarney, o Renan e tantos outros congressitas deveriam ser expulsos da vida parlamentar, pois atrasam o Brasil, tirando-lhe as esperanças de um futuro melhor.

    Mario.

    Responder

  • jose carlos arana

    30/03/2012 #15 Author

    A queda do Senador D. Torres é apenas uma questão de tempo. A documentação transita pela Policia Federal e devemos aguardar o desenrolar dos fatos.
    O fato é porque uma revista manteria contato com um contraventor? Porque trata com tanto melindre o caso do senador? O ques existe neste “triângulo das bermudas” – Demostenes-Carlos Cachoeira-Veja?

    Responder

    • Alê

      30/03/2012 #16 Author


      Melindre?

      Há, no site da Veja, até este momento, 5.497 referências ao nome Demóstenes Torres.

      Se o sr. verificar as referências postadas nos últimos dias, verá que o Senador não foi tratado com condescendência, pelo contrário.
      -> http://veja.abril.com.br/busca/resultado.shtml?qu=Demostenes%20Torres&pg=1

      Aliás, recomendo, enfaticamente, a leitura deste post do RA, que conseguiu traduzir tudo o que sinto em relação ao caso:

      -> http://veja.abril.com.br/blog/reinaldo/geral/demostenes-e-jose-dirceu-dois-casos-emblematicos-da-republica-ou-como-reagem-os-moralmente-doentes-e-os-moralmente-saudaveis-diante-do-caso/

      Prezado Fábio,

      Endosso suas palavras e tb me sinto entristecido com o caso e aborrecido com a minha esperançosa ingenuidade. Paladinos morais, como diria o padre Quevedo, non eczistem.

      Felizmente (??) o… hã… impoluto (??) Senador Jefferson Péres, faleceu e, portanto, não fico com a sensação de sofrer, a qquer momento, outro iminente (??) desgosto com políticos e politicalhas.

      Alê

    • Big Head

      31/03/2012 #17 Author

      O Zé Carlos Arana poderia explicar como seriam pegos os corruptos sem que jornalistas mantivessem contato com gente de dentro do esquema. Faria um bem danado ao jornalismo e, por tabela, ao país. Pra não falar da própria Polícia Federal, né? Lembra que o “Esquema Arruda” só foi desmontado com a ajuda de um dos beneficiários? Fico pensando como a Operação “Mãos Limpas” vingaria na Itália sem o auxílio da delação premiada. Portanto, Pannunzio, totalmente descartável essa autoimolação em praça pública, assim como esse tom insinuativo contra o jornalista de Veja. Por obra dele vários esquemas foram postos abaixo na capital federal. E parece que lá no site do semanário já há gravações que inoentam seu colega de profissão. Quanto ao Arana, conhecendo seus comentários, tenho certeza que é fã mesmo do jornalismo de genuflexão, aquele que sempre está na cola do poder, servindo de caixa de ressonância aooficialismo, em troca de trinta dinheiros. De lembrar que boa parte da popularidade que desfruta Dilma – isso não sou eu quem digom mas sim especialistas vários – vem da percepção de que, ao contrário do antecessor – é pouco tolerante com a corrupção. E que a auxiliou na tal faxina, Arana? Aquela parte boa da imprensa que escroques financiados pelo capilé oficial chamam de PIG.

    • Vivi

      31/03/2012 #18 Author

      O mais “sintomático” desse caso é que a capa de VEJA dessa semana destaca uma matéria sobre o Santo Sudário, enquanto o “escândalo Demóstenes” ocupa um mero canto superior direito…

    • jose carlos arana

      01/04/2012 #19 Author

      Tambem achei muito estranho e só confirma o que eu já escrevi neste blog, apesar de receber críticas. Ainda bem que nesta espaço do Pannunzio não há censura.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *