“O que eu buscava com uma condenação, consegui. Ele teve que se retratar. É uma sentença definitiva”. A frase resume o que o jornalista...

“O que eu buscava com uma condenação, consegui. Ele teve que se retratar. É uma sentença definitiva”. A frase resume o que o jornalista Heraldo Pereira sente em relação às ofensas racistas proferidas por seu detrator, Paulo Henrique Amorim, dono do blog Conversa Afiada.

O apresentador do programa dominical da TV do bispo Edir Macedo afirmou que Heraldo não tem méritos para estar na bancada do Jornal Nacional além de sua origem humilde e do fato de ser negro.  E chamou o colega da Globo de “negro de alma branca”, expressão que o Dicionário do Politicamente Correto editado pela Presidência da República sob Lula define como ” um dos slogans mais terríveis da ideologia do branqueamento no País, que atribui valor máximo à raça branca, e mínimo aos negros“.

Depois de três anos em silêncio, pela primeira vez Heraldo fala publicamente sobre o processo que forçou Paulo Henrique Amorim a se retratar e o obrigou a pagar uma indenização de R$ 30 mil, doada ao Mosteiro de São Bento de Brasília. Na entrevista,  concedida à Revista Raça Brasil,  o jornalista reafirma uma posição que sempre defendeu de maneira enfática: o apoio à política de cotas.  Reproduzo, abaixo, um trecho da entrevista, que pode ser lida integralmente no site da publicação (basta clicar aqui para ir até lá).

Como recebeu a notícia sobre a condenação do jornalista Paulo Henrique Amorim, que teve que se retratar e pagar uma indenização de R$ 30 mil. O que esse episódio representou para você?

Para ser exato, antes que o juiz civil julgasse a ação indenizatória, por danos moral e à imagem, o réu aceitou tudo aquilo que eu exigia como forma de reparação pela grande injúria que sofri: pagamento de R$ 30 mil reais para uma instituição de caridade, retratação cabal feita no próprio blog dele, que vai permanecer em arquivo por mais de dois anos, e a publicação da mesma retratação, cujos termos falam por si só, nos jornais Folha de S. Paulo e Correio Braziliense. Tudo pago por ele.

Você ficou satisfeito com a condenação?

O que eu buscava com uma condenação, consegui. Ele teve que se retratar. É uma sentença definitiva. Claro, houve sobressaltos. Apesar de assinar o acordo em que nega tudo o que afirmara por longos três anos, meu ofensor fez outros comentários junto à retratação no blog em vez de publicá-la pura e simplesmente como mandou a decisão judicial. Meu advogado, Dr. Paulo Roque Khouri, imediatamente, deu ciência ao juiz Daniel Felipe Machado, da 5ª Vara Civil do TJDFT, que mandou retirar os comentários. NoCorreio Braziliense, isso não aconteceu. E, na Folha de S. Paulo, a retratação só foi publicada com atraso e na edição paulista. Tudo isso ainda voltou para que o juiz examinasse se o acordo foi honrado. De todo modo, creio que a Justiça que eu esperava na área cível foi feita em boa parte. E, agora, aguardo a definição do processo criminal, movido pelo Núcleo de Enfrentamento à Discriminação do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios. Tenho para mim que na esfera criminal a ofensa será dupla e qualificadamente punida por crimes de racismo e injúria racial.

O que o racismo do Paulo Henrique Amorim representou para você?

No mundo de hoje, ninguém pode ser ofendido, como fui, pelo fato de ser negro. O agressor não faz uma análise profissional, política ou comportamental da minha pessoa. Ele faz uma leitura intolerante a partir da racialidade. Destaca sempre como fato a ser distinguido a cor da minha pele e desmerece a minha pessoa num gesto de crueldade. Nós negros sabemos bem qual foi a intenção do réu ao dizer que eu, com mais de 30 anos de carreira jornalística e um título de mestre em direito constitucional, não tenho “nenhum atributo para fazer tanto sucesso, além de ser negro e de origem humilde”. São expressões racistas que foram seguidas de um jargão máximo da intolerância: “é um negro de alma branca”. É algo abjeto, que não posso admitir, sobretudo, partindo de quem deve fazer da comunicação um ofício ético e democrático e não uma ferramenta da intolerância. Fora as outras agressões raciais que ele fez diretamente e admitiu em forma de comentários em seu blog no papel de moderador. Sou negro, sempre me empenhei em todas as lutas contra os preconceitos e as intolerâncias desde garoto. Sou de uma família de operárias, empregadas domésticas, pessoas residentes em conjunto habitacional de Cohab e que sempre sofreram o racismo na carne. Não vou permitir que um indivíduo que faz propaganda do que é ser negro em suas rodinhas de convertidos tardios ao esquerdismo, todos criados em berço de ouro, venha me dizer o que é ser negro. Nas minhas veias corre, com muito orgulho, sangue de quem foi escravo e ajudou a fazer deste o nosso país. Exigimos respeito com a história de quem construiu o Brasil. Por isso, não poderia deixar essa campanha imunda, com contornos de inveja, passar como se nada tivesse acontecido. Não honraria o meu passado e nem a luta de negros e brancos que combatem o racismo. O meu agressor chegou a dizer, em sua defesa judicial, que se considera um expoente da luta pela igualdade racial, num gesto de arrogância desmedida. E recebeu uma firme reprimenda do juiz criminal do TJDFT, Márcio Evangelista Ferreira da Silva, para quem, só adere à Lula pela igualdade racial, os que veem diferença entre raças, fato já rechaçado pela genética. Numa das peças de sua defesa, o réu chegou a dizer que ao usar a expressão “negro de alma branca”, o fez para me elogiar. Pode isso? Só eu e a minha família sabemos a dor que sofri ao ler todo aquele lixo em formato de texto. É algo indescritível e que, no fundo, jamais será reparado, eu bem sei. O próprio juiz Daniel Felipe no julgamento da ação civil disse isso. Entretanto, eu sempre acreditei na Justiça e continuo acreditando.

Foi difícil seu começo no jornalismo. Houve muito preconceito. Como você lidava com isso?

Sempre é difícil começar na carreira. A jovialidade, a insegurança, o frio na barriga. Quem nunca passou por isso? Na TV, comecei cedo, em 1980, aos 18 nos. Entrei na EPTV Ribeirão e não me lembro de ter enfrentado qualquer tipo de discriminação pelo fato de ser negro. Na Globo sempre fui visto como uma promessa profissional. Aprendi lá dentro que a competência e o esforço falam mais alto. E assim deve ser. Devo muito a profissionais do jornalismo que estão hoje na Globo e a tantos outros que passaram por nossas redações, O único caso de ressentimento, intolerância e pequenez que vivi na profissão foi este em evidência. Esse indivíduo parece fazer parte do grupo que quer perpetuar a perseguição aos negros deste país. Fomos tratados como objeto por séculos e marginalizados após a escravidão. O padrão social em nosso país esteve sempre de costas para a África. Daí a intolerância para com a nossa cor de pele, nossa feição e nosso cabelo. Só servíamos para o que eu passei a rotular de práticas músico-esportivo-servis. Portanto, ser jornalista, para esse grupo, é uma agressão, afinal, estou fora do “cercado estabelecido por eles”. Nesta dimensão, a intolerância prospera e o preconceito é inevitável. Para superar a toda esta dura e revoltante realidade, procurei me agarrar a duas alternativas: trabalhar mais e estudar mais. O estudo me persegue até hoje, prova é a minha participação atual em grupos de estudo no Departamento de Direito da Universidade Brasília. Na minha redação da Globo Brasília tento manter o empenho de quando comecei na profissão. No ano passado, tive o privilégio de ser escalado para cobrir a Copa do Mundo da África do Sul. Pude voltar àquele país que aprendi a amar e que me marcou profundamente pelo que era e pelo que se propõe a ser. Quando estive na África do Sul pela primeira vez, em 1991, o regime segregacionista do apartheid estava no fim, Nelson Mandela havia acabado de ser libertado. E eu, com colegas brancos na equipe de TV, andava em lugares que eles não poderiam entrar e vice-versa. Conhecemos a face mais brutal da agressão aos direitos humanos. Foi terrível. Décadas mais tarde, na Copa do Mundo, volto e encontro pessoas dispostas a superar o passado racista, numa aposta inclusive que é exemplo para o mundo. Fico muito tocado por esta possibilidade e tentado a pensar que temos, no Brasil, possibilidades ainda maiores de superar as intolerâncias e os preconceitos contra os descendentes de escravos. Afinal, temos uma só amálgama, não é mesmo? Quem, em sã consciência, é capaz de negar, como valores máximos de nossa cultura, o samba que nos deu a ginga, o gosto da nossa feijoada e a proteção de Nossa Senhora Aparecida?

O que você acha das cotas e dos movimentos negros?

Sou francamente favorável às cotas, porém, respeito os que pensam em outro sentido. O aumento da participação do negro na esfera pública é um desafio que está colocado àqueles que pensam num projeto de nação para o Brasil. Sempre defendi este ponto de vista. Não sou propagandista de ocasião. Quem me convenceu sobre a necessidade de uma ferramenta para aumentar a representação de negros nos postos-chave da nossa sociedade foi o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso. No intervalo de uma das viagens com o ex-presidente, quando eu cobria a rotina presidencial, falamos sobre o tema. Ele, em tom professoral, discorreu longamente sobre as políticas de inclusão que deveriam ter sido implementadas desde o Primeiro Império. Agora o Brasil mostrou amadurecimento para tal ação e fez das cotas uma realidade, com aprovação da sociedade. Precisamos, daqui para a frente, implementar práticas daí decorrentes. Penso sempre que é positiva uma medida que pode levar mais educação aos negros, e educação é tudo. É preciso, entretanto, fazer uma separação entre a defesa de cotas, que é ampla hoje em dia, e a necessidade de se incentivar todo movimento que tenha por objetivo acabar com o racismo.
Também neste aspecto devemos estar unidos, todos nós, cidadãos brancos e negros. Sou contra radicalismos, coisa que, sejamos justos, não vejo em certas organizações que se travestem de movimentos negros no rótulo e que não poderiam agir livremente para propagar ainda mais formas de intolerância revestidas em ódio. O nosso desafio é instituir os direitos humanos como pano de fundo para a construção de uma cidadania adulta que, ao refutar todas as formas de racismo e de intolerância, possam admitir práticas de inclusão participativas cada vez mais significativas numa esfera pública com a qual todos nós sonhamos. Gostaria, para encerrar este episódio de discriminação que me envolveu, de lembrar figuras de expressão da intelectualidade brasileira como Sueli Carneiro. Ela diz que “um negro pode ser corrupto, se posicionar contra os interesses de sua gente. O que podemos fazer, diante disso, é lamentar e combatê-lo politicamente, jamais atribuir essa característica à sua condição racial. Aí mora o racismo, ao tentar encontrar a razão da “falha” na negritude da pessoa ou na suposta ausência dessa negritude em uma regra como propõe a frase, “negro de alma branca.” Ana Maria Gonçalves quando se referiu a este episódio sintetizou: “Paulo Henrique Amorim usou a cor de Heraldo Pereira para atacá-lo. É racismo e ponto. Tá na lei. Quem não concorda deve brigar para mudar a lei, e não para que Paulo Henrique Amorim esteja acima dela. Que o defendam porque o acham bom amigo, bom jornalista, bom ser humano; mas que entendam que pessoas assim também podem ter atitudes racistas.” Estou com as duas!

Leia a íntegra da entrevista no site da Revista Raça Brasil

Comentários

  • Zé Francisco

    05/04/2012 #1 Author

    Exageros e paixões políticas à parte, neste mundo ninguém é santo, mas chamar PH de racista equivale chamar madre Thereza de nazista. Leio blogs de variadas tendências, mas tem hora que a coisa fica ilógica, tamanha a raiva de um pelo outro.

    Responder

    • Mario

      05/04/2012 #2 Author

      Não sabia, Zé, que a Madre Tereza de Calcutá já tinha sido obrigada a se retratar por ofensas de cunho nazista…

    • Marcelo G

      06/04/2012 #3 Author

      Meu Deus!! Vc falou mesmo isso?? Comparou Madre Tereza, que é sinônimo de bondade, tolerância e generosidade (‘não sou católico!!) com esse ex-jornalista que vive a soldo do governo e suas estatais?? Comparou a vencedora de um prêmio nobel da paz (um realmente merecido!) com o funcionário do “bispo” Edir Macedo??
      Deixa eu ver se entendi: vc acha que PHA, que chamou Heraldo Pereira de “negro de alma branca” está tão longe do racismo quanto Madre Tereza do nazismo?? É isso?? Jura????
      Olha Zé, parabéns!! Leio tudo que é blog e seus comentários e não lembro de já ter lido algo tão impressionante….

      Um abraço
      Marcelo

    • Zé Francisco

      06/04/2012 #4 Author

      Meu texto não compara a pessoa de PH a madre Thereza, mas o conceito de racista imputado ao primeiro e nazista à segunda. O PH pode ser acusado de chapa branca, de ganhar verbas de estatais ou de viver em deboche, mas racismo é demais.

    • Marcelo G

      07/04/2012 #5 Author

      Que eu saiba ele não foi acusado de ser racista, mas processado por um ato concretamente racista. Aliás, ninguém é processado por ser algo mas por atos praticados. Se ele “é” racista eu não sei, mas ele “foi” ao chamar Heraldo de “negro de alma branca”.

  • Alexandre Gonçalves

    05/04/2012 #6 Author

    Só posso resumir numa palavra PHA: inveja.
    Mas é assim mesmo: iMundos atacam negros que não dependem do PT (sofisticada organização criminosa, segundo procurador geral da república) e esquerda em geral.
    Eu mesmo já fui chamado de Pai Tomás, capitão do mato etc.
    Só uma coisa essa gente merece: CADEIA!

    Responder

  • Maria

    05/04/2012 #7 Author

    Heraldo Pereira foi sereno e preciso. A frase de Ana Maria Gonçalves, citada por ele, diz tudo: ““Paulo Henrique Amorim usou a cor de Heraldo Pereira para atacá-lo. É racismo e ponto. Tá na lei. Quem não concorda deve brigar para mudar a lei, e não para que Paulo Henrique Amorim esteja acima dela.” Parabéns, Heraldo.

    Responder

  • Rodrigo

    05/04/2012 #8 Author

    “Não vou permitir que um indivíduo que faz propaganda do que é ser negro em suas rodinhas de convertidos tardios ao esquerdismo, todos criados em berço de ouro, venha me dizer o que é ser negro. ”

    Esse comentário deveria ser emoldurado e pendurado na porta do escritório do PHA e dos outros do mesmo naipe.

    Não fosse a lei Cidade Limpa, eu colocaria em cartazes e colaria nos postes perto do escritório do indivíduo.

    Responder

  • Marcelo G

    05/04/2012 #9 Author

    É uma diferença de nível tão grande entre os dois que é inevitável pensar que Heraldo gastou muita vela boa com defunto ruim. Dá pena ver o desperdício de tempo e energia de um sujeito do nível do Heraldo com alguém sem nenhuma categoria, um assalariado de estatatais e de Edir Macedo, como PHA.

    Quanto à questão das cotas, eu gostaria muito que Heraldo me respondesse: como implantar essas políticas sem solapar direitos básicos dos cidadãos “não negros”? Como definir quem é negro num país majoritariamente de mestiços (ele mesmo diz que a genética não divide o ser humano em raças)? Por que o “não negro” pobre (eles existem…) deveria ter ainda menos chance de entrar numa universidade??
    Essa questão é bem menos simples do que foi colocado em sua entrevista.

    Abraços
    Marcelo

    Responder

  • alvaro

    05/04/2012 #10 Author

    É visível a olho nu a diferença de postura entre os dois envolvidos na questão. Heraldo é comedido e educado, o outro é histriônico e arrogante. Heraldo definiu com muita propriedade o real motivo dos ataques que sofreu: inveja.
    Convenhamos, na esfera cível até que saiu barato, mas na criminal a história será muito diferente. Pela constituição de 1988, o crime de racismo é inafiançável, imprescritível e pode resultar em cadeia.

    Responder

  • Carlos Munhoz

    04/04/2012 #11 Author

    Se o Paulo Henrique Amorim soubesse ler, tivesse um pingo de dignidade e lesse o que o Heraldo Pereira disse, cometeria suicídio. Pena que nenhum dos 3 quesitos é verdadeiro…

    Responder

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *