CATIA SEABRA e MÁRCIO FALCÃO O PT vai usar a instalação da CPI do Cachoeira para voltar a investir contra a mídia. A disposição...

CATIA SEABRA e MÁRCIO FALCÃO

O PT vai usar a instalação da CPI do Cachoeira para voltar a investir contra a mídia. A disposição está expressa em documento divulgado ontem pela cúpula do partido.

Redigido pelo comando petista, o texto cita a investigação do esquema de Carlos Cachoeira, acusado de exploração do jogo ilegal, a pretexto de voltar a cobrar a fixação de um marco regulatório para os meios de comunicação.

“Agora mesmo, ficou evidente a associação de um setor da mídia com a organização criminosa da dupla Cachoeira-Demóstenes, a comprovar a urgência de uma regulação que, preservada a liberdade de imprensa e livre expressão de pensamento, amplie o direito social à informação”, diz a nota.

Mesmo sem dar nomes, o alvo primário do PT é a revista “Veja”. Em grampos já divulgados do caso, um jornalista da publicação tem o nome citado por membros do grupo do empresário.

A revista já publicou texto informando que Cachoeira era fonte de jornalistas, inclusive do chefe da sucursal de Brasília, Policarpo Júnior, e que não há impropriedades éticas nas conversas.

Integrantes da Executiva do PT e congressistas do partido defendiam que a “Veja” fosse investigada na CPI.

O cálculo político petista inclui o raciocínio segundo o qual o bombardeio sobre mídia e oposição poderá concorrer na opinião pública com o julgamento do mensalão -o esquema de compra de apoio político ao governo Lula descoberto em 2005, que deve ser apreciado pelo Supremo Tribunal Federal neste ano.

O próprio presidente petista, Rui Falcão, falou que a CPI deve investigar “os autores da farsa do mensalão”.

Há a intenção de questionar reportagens sobre o mensalão usadas como prova judicial. A estratégia é tentar comparar a produção de reportagens investigativas, que naturalmente envolvem contato de jornalistas com fontes de informação de várias matizes, a práticas criminosas.

Para tanto, segundo a Folha apurou, réus do mensalão como o ex-ministro José Dirceu instruíram advogados a buscar menções à revista e à mídia nas apurações da PF sobre o caso Cachoeira. Dirceu vai a evento no final de semana sobre regulamentação da mídia em Fortaleza.

O movimento do PT contrasta com discurso da presidente Dilma Rousseff. Ontem, em cerimônia do Minha Casa, Minha Vida, ela defendeu a liberdade de imprensa.

“Somos um país que convive com a liberdade de imprensa, somos um país que convive com a multiplicidade de opiniões, somos um país que convive com a crítica.”

via Folha de S.Paulo – Poder – PT associa ‘setor da mídia’ a criminosos e defende regulação – 13/04/2012.

Comentários

  • Carlos Lenin Dias

    16/04/2012 #1 Author

    Os eua,e todos países ditos de primeiro mundo,mesmo os mais ou menos,estão f…”Regulação da Mídia,é censura”!,diz-se no Brasil…como diria,àquele senhor ‘q n sabe o q é jornalismo livre’,o Mino Carta,é mais uma contribuição brasileira ao mundo.

    Responder

  • alexandre pereira

    15/04/2012 #2 Author

    Quem sabe assim não precisaremos mais assistir a estupros ao vivo!

    Responder

  • Anônimos

    13/04/2012 #3 Author

    Vamos aos dados:

    1) De acordo com a Constituição Federal ate o direito à vida, que e o bem jurídico mais importante a ser tutelado, nao e absoluto. Ou seja, em determinada circunstância, matar nao e considerado antijuridico. Por que, então, o direito irrestrito, sem regras e defendido corporativamente seria?

    2) o que se considera liberdade de imprensa? A Band tem horas de programação religiosa, sera que teremos um dia a oportunidade de ver uma reportagem contra o Pastor RR. Soares?

    3) quer dizer que se utilizar de fontes criminosas, com reportagens montadas e com escutas ilegais é plausível? E nobre porque defende o interesse publico? Mas publico ou privado travestido de publico, afinal Carlinhos Cachoeira fazia denuncia autrusticas? Apenas em prol do bem comum?

    4) se chegarmos a conclusão que qualquer um pode grampear e fazer escultas telefônicas, nao seria melhor poupar o trabalho do Delegado, com tantos afazeres, ter de solicitar ao Juiz de Direito uma autorização para escultas? Sera que nao e um trabalho inútil do juiz já que este tem milhares de processos para julgar ter de ficar concedendo autorização judicial para se fazerem as escultas telefônicas? É questão de acordo, se entendermos que e assim que queremos viver então a midia esta correta em se valer desses pretensos salvadores do Brasil. Ah Robin Hood neste caso nao poderia ser punido ou julgado já que este roubava dos ricos para dar para os pobres.

    5) se a imprensa nao fosse tão corporativista, nao precisariamos ficar discutindo ” baton na cueca” ou tapete na porta de vizinho!

    Responder

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *