Provavelmente o Mensalão, o maior esquema de corrupção da história do País, pareça, para um adolescente chegando à faculdade nos dias de hoje, tão...

Provavelmente o Mensalão, o maior esquema de corrupção da história do País, pareça, para um adolescente chegando à faculdade nos dias de hoje, tão diáfano quanto a lembrança da promulgação da Constituição de 88, a morte de Ulisses Guimarães ou a Proclamação da República. É notório, diante dos esforços de falsificação da história movidos pela BESTA (Blogosfera Estatal), que um jovem que acaba de conquistar a condição de eleitor não tenha elementos em sua memória para discernir sobre a existência concreta das imputações gravíssimas feitas contra a quadrilha em que o PT se transformou para amealhar dinheiro sujo e distribuir o butim a congressistas corruptos. Afinal, sete anos já se passaram desde que Roberto Jefferson detonou o esquema.

Felizmente, há farta documentação para  neutralizar o estelionato histórico que o jornalismo de aluguel, agora a serviço da mesma quadrilha e a soldo do governo federal, pretende disseminar e consolidar como fato político. É para ajudar esses jovens a entender o passado e refrescar a memória das vítimas dos mercenários da internet que o Blog do Pannunzio republica a síntese do escândalo, condensada na denúncia do esquema feita pelo Procurador-Geral da República Antônio Fernando de Souza — acolhida, à execeção do dulcíssimo Ricardo Lewandowski, pela unanimidade dos ministros do STF.

A peça começa nominando os agentes da quadrilha petista. Entre os 40 nomes arrolados estão os de José Dirceu, segundo o MPF o chefe da organização criminosa encastelado na Casa Civil da Presidência da República;  José Genoíno, presidente do PT à época; João Paulo Cunha, mensaleiro que presidia a Câmara Federal; Marcos Valério, o publicitário que gerenciava o caixa da corrupção; e de outros 36 artífices e beneficiários da propina que escorria de entes vinculados ao governo federal como o Banco do Brasil.

A partir deste ponto, o texto que você vai ler é uma compilação exata da denúncia da PGR. Se ao final da leitura ainda restarem dúvidas sobre a existência concreta dos fatos aludidos, provavelmente o problema do leitor não estará adstrito ao campo da informação, mas sim ao do fundamentalismo político ou do envolvimento pessoal com o objeto da denúncia.  Os que quiserem compulsar a peça, na  íntegra, composta por 136 páginas,  podem fazê-lo aqui.

Ao texto de Antônio Fernando, pois.

“O ex Deputado Federal Roberto Jefferson, então Presidente do PTB, divulgou, inicialmente pela imprensa, detalhes do esquema de corrupção de parlamentares, do qual fazia parte, esclarecendo que parlamentares que compunham a chamada “base aliada” recebiam, periodicamente, recursos do Partido dos Trabalhadores em razão do seu apoio ao Governo Federal, constituindo o que se denominou como “mensalão

As investigações efetuadas pela Comissão Parlamentar Mista de Inquérito e também no âmbito do presente inquérito evidenciaram o loteamento político dos cargos públicos em troca de apoio às propostas do Governo, prática que representa um dos principais fatores do desvio e má aplicação de recursos públicos, com o objetivo de financiar campanhas milionárias nas eleições, além de proporcionar o enriquecimento ilícito de agentes públicos e políticos, empresários e lobistas que atuam nessa perniciosa engrenagem.

O ex Deputado esclareceu ainda que a atuação de  integrantes do Governo Federal e do Partido dos Trabalhadores para garantir  apoio de parlamentares ocorria de duas formas: o loteamento político dos  cargos públicos, o que denominou “fábricas de dinheiro”, e a distribuição de  uma “mesada” aos parlamentares.

Relevante destacar, conforme será demonstrado nesta  peça, que todas as imputações feitas pelo ex Deputado Roberto Jefferson  ficaram comprovadas.  

Tanto é que o pivô de toda essa estrutura de corrupção e  lavagem de dinheiro, o publicitário Marcos Valério, beneficiário de importantes  contas de publicidade no Governo Federal, em sua manifestação de pseudo- interesse em colaborar com as investigações, apresentou uma relação de  valores que teriam sido repassados diretamente a parlamentares e a outras  pessoas físicas e jurídicas indicadas por Delúbio Soares.

A análise das movimentações financeiras  dos investigados e das operações realizadas pelas instituições financeiras  envolvidas no esquema demonstra que estes, fazendo tabula rasa da legislação  vigente, mantinham um intenso mecanismo de lavagem de dinheiro com a  omissão dos órgãos de controle, uma que possuíam o apoio político,  administrativo e operacional de José Dirceu, que integrava o Governo e a  cúpula do Partido dos Trabalhadores.  

O conjunto probatório produzido no âmbito do presente  inquérito demonstra a existência de uma sofisticada organização criminosa,  dividida em setores de atuação, que se estruturou profissionalmente para a  prática de crimes como peculato, lavagem de dinheiro, corrupção ativa, gestão  fraudulenta, além das mais diversas formas de fraude.  

O núcleo principal da quadrilha era composto pelo ex Ministro José Dirceu, o ex tesoureiro do Partido dos Trabalhadores, Delúbio Soares, o ex Secretário-Geral do Partido dos Trabalhadores, Sílvio Pereira, e o ex Presidente do Partido dos Trabalhadores, José Genoíno.
Como dirigentes máximos, tanto do ponto de vista formal quanto material, do Partido dos Trabalhadores, os denunciados, em conluio com outros integrantes do Partido, estabeleceram um engenhoso esquema de desvio de recursos de órgãos públicos e de empresas estatais e também de concessões de benefícios diretos ou indiretos a particulares em troca de ajuda financeira.

O objetivo desse núcleo principal era negociar apoio político, pagar dívidas pretéritas do Partido e também custear gastos de campanha e outras despesas do PT e dos seus aliados. Com efeito, todos os graves delitos que serão imputados aos denunciados ao longo da presente peça têm início com a vitória eleitoral de 2002 do Partido dos Trabalhadores no plano nacional e tiveram por objetivo principal, no que concerne ao núcleo integrado por José Dirceu, Delúbio Soares, Sílvio Pereira e José Genoíno, garantir a continuidade do projeto de poder do Partido dos Trabalhadores, mediante a compra de suporte político.

Basta lembrar do veículo de luxo recebido pelo denunciado Sílvio  Pereira, em razão de ter intermediado negócios com empresas públicas, para também  identificar interesse patrimonial nos crimes perpetrados.

Para a exata compreensão dos fatos, é preciso pontuar  que Marcos Valério é um verdadeiro profissional do crime, já tendo prestado  serviços delituosos semelhantes ao Partido da Social Democracia Brasileira –  PSDB — em Minas Gerais, na eleição para Governador do hoje Senador Eduardo  Azeredo. Portanto, foi exatamente nessa empreitada criminosa  pretérita que ele adquiriu o conhecimento posteriormente oferecido ao Partido  dos Trabalhadores, o qual, por meio de José Dirceu, Delúbio Soares, Sílvio  Pereira e José Genoíno, prontamente aceitou.  

Marcos Valério e seu grupo evoluíram, a partir do início de  2003, em conluio com José Dirceu, Delúbio Soares, José Genoíno, Sílvio  Pereira e outros, para a compra de apoio político de parlamentares.  

Ante o teor dos elementos de convicção angariados na fase pré-processual, não remanesce qualquer dúvida de que os denunciados
José Dirceu, Delúbio Soares, José Genoíno e Sílvio Pereira, objetivando a compra de apoio político de outros Partidos Políticos e o financiamento futuro e pretérito (pagamento de dívidas) das suas próprias campanhas eleitorais, associaram-se de forma estável e permanente aos denunciados Marcos Valério, Ramon Hollerbach, Cristiano Paz, Rogério Tolentino, Simone Vasconcelos, Geiza Dias (núcleo publicitário), e a José Augusto Dumont (falecido), José Roberto Salgado, Ayanna Tenório, Vinícius Samarane e Kátia Rabello (núcleo Banco Rural), para o cometimento reiterado dos graves crimes descritos na presente denúncia.

Conspurca-se a manifestação popular, base do sistema  democrático, instituindo-se sistema de enorme movimentação financeira à  margem da legalidade, com o objetivo espúrio de obter a compra de votos de  parlamentares à custa do desvio de recursos públicos.  

O esquema criminoso em tela consistia na transferência  periódica de vultosas quantias das contas titularizadas pelo denunciado  Marcos Valério e por seus sócios Ramon, Cristiano e Rogério, e principalmente  pelas empresas DNA Propaganda Ltda e SMP&B Comunicação Ltda, para  parlamentares, diretamente ou por interpostas pessoas, e pessoas físicas e  jurídicas indicadas pelo Tesoureiro do PT, Delúbio Soares, sem qualquer  contabilização por parte dos responsáveis pelo repasse ou pelos beneficiários.  

No mínimo, R$55 milhões, repassados pelos  Bancos Rural e BMG, foram entregues à administração do grupo de Marcos  Valério, sob o fundamento de pseudos empréstimos ao publicitário, empresas  e sócios, e foram efetivamente utilizados nessa engrenagem de pagamento de  dívidas de partido, compra de apoio político e enriquecimento de agentes  públicos.  

Também foram repassados diretamente pelos Bancos  Rural e BMG vultosas quantias ao Partido dos Trabalhadores, comandado  formal e materialmente pelo núcleo central da quadrilha, sob o falso manto de  empréstimos bancários.  

Ficou comprovado que o Banco BMG foi flagrantemente  beneficiado por ações do núcleo político-partidário, que lhe garantiram lucros  bilionários na operacionalização de empréstimos consignados de servidores  públicos, pensionistas e aposentados do INSS, a partir do ano de 2003,  quando foi editada a Medida Provisória n.º 130, de 17/09/2003, dispondo  sobre o desconto de prestações em folha de pagamento dos servidores públicos  e também autorizando o INSS a regulamentar o desconto de empréstimos  bancários a seus segurados.  

É certo que José Dirceu, então ocupante da importante Chefia da Casa Civil, em razão da força política e administrativa de que era detentor, competindo-lhe a decisão final sobre a indicação de cargos e funções estratégicas na administração pública federal, foi o principal articulador dessa engrenagem, garantindo-lhe a habitualidade e o sucesso. Sua atuação, na verdade, teve origem no período que presidiu o Partido dos Trabalhadores no curso da eleição presidencial de 2002.

Roberto Jefferson, com o conhecimento de quem vendia apoio político à organização delitiva ora denunciada, em todos os depoimentos prestados, apontou José Dirceu como o criador do esquema do “mensalão”. Segundo ele, José Dirceu reunia-se com o principal operador do esquema, Marcos Valério, para tratar dos repasses de dinheiro e acordos políticos ou, quando não se encontrava presente, era previamente consultado por José Genoíno, Delúbio Soares ou Sílvio Pereira sobre as deliberações estabelecidas nesses encontros.

Roberto Jefferson afirmou que todas as tratativas sobre a composição política, indicação de cargos, mudança de partidos por parlamentares para compor a base aliada em troca de dinheiro e compra de apoio político foram tratadas diretamente com o ex Ministro Chefe da Casa Civil, José Dirceu. Tratavam, inclusive, sobre o “mensalão”, matéria que foi objeto de conversa entre ambos em cinco ou seis oportunidades

Delúbio Soares, José Genoíno e Sílvio Pereira, dirigentes  do Partido dos Trabalhadores, atuavam no esquema como se fossem  representantes do Governo.

José Genoíno, como Presidente do Partido dos Trabalhadores, participou dos encontros e reuniões com os dirigentes dos demais Partidos envolvidos, onde ficou estabelecido o esquema de pagamento de dinheiro em troca de apoio político, operacionalizado por Delúbio Soares. […] Genoíno, até pelo cargo partidário ocupado, era o interlocutor político visível da organização criminosa.

Delúbio Soares, por sua vez, era o principal elo com as demais ramificações operacionais da quadrilha (Marcos Valério e Rural), repassando as decisões adotadas pelo núcleo central. Tudo sob as ordens do denunciado José Dirceu, que tinha o domínio funcional de todos os crimes perpetrados, caracterizando-se, em arremate, como o chefe do organograma delituoso.

José Genoíno e Delúbio Soares apareceram formalmente  na simulação de empréstimos de vultosas quantias pelo núcleo de Marcos  Valério ou pelo próprio PT junto aos Bancos Rural e BMG, comprometendo-se  como avalistas dessas negociações. Apesar de possuírem um ínfimo  patrimônio declarado ao órgão fiscal, apresentaram garantia pessoal dos  vultosos valores repassados por Marcos Valério, sócios e empresas ao PT,  originários de suas contas nos Bancos Rural e BMG.

Os elementos de  convicção obtidos comprovam que esses empréstimos não seriam sequer  efetivamente quitados. Tanto o grupo ligado a Marcos Valério quanto as  instituições financeiras apenas ingressaram no esquema, pois tiveram a prévia  concordância do Ministro Chefe da Casa Civil e a garantia da inexistência de  controle sobre suas atividades ilícitas e de benefícios econômicos diretos e  indiretos.

Merece destaque, para o completo entendimento de todos os mecanismos de funcionamento do esquema, a relevância do papel desempenhado por José Dirceu no Governo Federal. De fato, conforme foi sistematicamente noticiado pela imprensa após o início do Governo atual, José Dirceu inegavelmente era a segunda pessoa mais poderosa do Estado brasileiro, estando abaixo apenas do Presidente da República.  Assim, a atuação voluntária e consciente do ex Ministro José Dirceu no esquema garantiu às instituições financeiras, empresas privadas e terceiros envolvidos que nada lhes aconteceria, como de fato não aconteceu até a eclosão do escândalo, e também que seriam beneficiados pelo Governo Federal em assuntos de seu interesse econômico, como de fato ocorreu.”

Comentários

  • João Humberto Venturini

    17/04/2012 #1 Author

    Garanto q a maior corrupção do país foram as privatizações! Isso vai ser difícil algum governo conseguir roubar tanto o país como fizeram a quadrilha tucana liderada por Ricardo Sérgio e cia. Aliás, isso a imprensa não diz nada né? Tudo q é crítica contra o psdb é coisa de trololó petista, como disse o guru e mestre da gde imprensa brasileira: josé serra. O Pannunzio ai parece um militante do psdb nas entrevistas do canal livre da Bandeirantes. Aliás, não tem um Pannunzio q é político e filiado ao PSDB?

    Responder

    • Fábio Pannunzio

      17/04/2012 #2 Author

      Pode me dizer por que eu pareço militante tucano no Canal Livre ? Você pode me citar uma passagem qualquer que evidencie isso ?

    • João Humberto Venturini

      17/04/2012 #3 Author

      É só comparar entrevistas onde vão tucanos/pefeles e petistas. Não só vc, mas todos os “jornalistas” do Canal Livre tratam diferente esses entrevistados. No caso do PT ou até membros de movimentos sociais, há um inquérito de perguntas bem fustigante. Já no caso de membros políticos da oposição, principalmente do psdb, parecem estar em uma roda de amigos, onde vcs levantam a bola para o entrevistado cortar. Nesse caso não há perguntas incômodas. É melhor assumir esse partidarismo do q querer posar como imparcial. Ainda mais qdo se tem parente político não é? O seu blog é um exemplo do seu engajamento político favorável ao psdb. Não há críticas ao partido, muito menos aos governos q estão nas mãos deles. Quem percebe isso não é petista, mas qualquer um q tenha senso crítico. Vcs da gde imprensa se acham acima de tudo e são os q mais censuram no país. A esquerda, por exemplo, não tem espaço na gde imprensa, com raríssimas exceções.

    • Fábio Pannunzio

      17/04/2012 #4 Author

      Eu pedi pra você enumerar uma situação que evidencie isso. Porque é mentira. E nem você, nem ninguém, tem argumentos para embasar essas afirmações. Eu não sou militante tucano, não sou sequer eleitor do PSDB. Eu sou um jornalista avesso a gente safada, corruptos no atacado e no varejo e gente que não presta em geral. Sou um democrata, defensor da liberdade de imprensa, análoga ao direito de informação prescrito pela constituição.
      Antes de construir esse discurso vazio, busque elementos concretos. Meu trabalho é público, está na vitrine, há centenas de videos na internet que você pode assistir se quiser construir uma crítica que não seja leviana.
      Comece assistindo à última edição do Band Eleições, levada ao ar nesta segunda-feira, cujo entrevistado foi o Fernando Haddad. Se encontrar lá qualquer coisa que justifique essa sua pregação, ponha o link aqui com as suas observações que eu publico na íntegra. Estou louco pra achar alguém da BESTA que me desminta ou me exponha objetivamente. Até agora, contando com você, não apareceu nenhum.

    • João Humberto Venturini

      18/04/2012 #5 Author

      Já q o seu trabalho como “jornalista” é público, é fácil evidenciar o seu partidarismo, assim como de quase todos os seus colegas de emissora. Isso é fato. Se é avesso a gente safada e corruptos no atacado, mas desde q seja de um partido ou governo, não é? Aqui no estado de SP não vejo sua equipe de “jornalismo” fazer matérias ou criticar o governo estadual de SP, por exemplo. A exceção é só o Boechat, q de vez em qdo, sai um pouco do pensamento único propagado por vcs e critica o governo paulista, como foi o caso de Pinheirinho. Fora a manipulação grotesca q a Bandeirantes faz em matérias a respeito do Código Florestal, o qual a emissora vai com tudo no apoio aos ruralistas e suas reivindicações. Não sou de partido e muito menos dessa bobagem q vc e seus amigos da gde imprensa tacham quem sai da ótica anti-petista, anti-esquerda e anti-movimentos sociais. Fica esse jogo bobo e infantil de um lado chamá-los de PIG e vcs chamam de besta. O seu comportamento nas entrevistas é claro e nem preciso enumerar, mas apenas pegar entrevistas diferentes pra observar como vc e seus colegas são partidários e parecem amigos qdo o entrevistado é do psdb. Isso é fato. Se não percebe, então veja os vídeos novamente. Infelizmente, vcs da gde imprensa são arrogantes demais pra aceitar críticas, ainda mais da internet e de pessoas q não a disposição esses gdes veículos. Seria mais honroso vc assumir q é partidário do psdb e deixar claro para leitores e telespectadores de q lado vc está, principalmente na época das eleições, pois vcs sempre apoiaram José Serra e blindam o cara até hj.

    • Fábio Pannunzio

      18/04/2012 #6 Author

      É fácil nada. Você não evidencia nada e ainda diz que não é preciso evidenciar. É conversa fiada, a mesma de sempre.
      Você não viu nada disso na Band porque certamente estava assistindo o Domingo Espetacular na Record. Se tivesse sintonizado a emissora certa, certamente não repetiria essa bobajada toda.Quem propaga o pensamento único são vocês, da BESTA. Têm uma completa aversão à democracia. Acham que uma pessoa tem que rezar pela cartilha de vocês, porque todo o resto do mundo está errado e precisa se demonizado e censurado.
      Enumere as entrevistas que dão base às suspeitas levianas que você levanta. Como eu disse, elas estão aí na internet. Há milhares. Cite pelo menos uma. Mas não me venha com esse blá-blá-blá injurioso porque eu não vou permitir.

    • João Humberto Venturini

      18/04/2012 #7 Author

      Mais uma vez o dito “jornalista” partindo para o ataque rasteiro e infantil. Já q é assim então vou escrever q vc é do PIG não é?
      As evidências de q vc e todos os seus colegas de Canal Livre são militantes do psdb estão em qualquer entrevista de tucano q vcs fizeram. É só comparar com entrevistas com petistas. Com tucanos é aquela roda de amigos onde passam a maior parte do tempo perguntando e instigando-os a falar sobre o PT e o governo. Sobre eles e seus governos quase nada.
      Pensamento único é o q vcs da gde imprensa (PIG, já q vc usa o mesmo artifício) propagam, pois não se vê, não se ouve e muito menos se lê opiniões divergentes em relação a política e economia, por exemplo. Discurso vazio é o seu e da sua trupe, os quais dizem investigar, mas desde q seja preferencialmente de um partido apenas. O psdb aqui em SP goza de uma ausência de críticas e investigações por parte de vcs q é vergonhoso. Vcs não cumprem uma função q seria ser equilibrado onde nós leitores e telespectadores poderíamos formar opinião a partir de pessoas q tivessem opiniões divergentes. Isso não ocorre, pois todos ai pensam e falam igual, ou seja, são anti-esquerda, anti-petistas, anti-movimentos sociais, anti-indígenas. Quem não reza essa cartilha ai, não tem espaço em uma Bandeirantes, por exemplo. Assuma o partidarismo e cada vez q vc e seus colegas tentam posar de imparciais exibem um cinismo tosco e mentiroso. Democracia é outra palavra q sai muito fácil das suas bocas, mas com o q fazem só a destroem. Quem censura são vcs, pois agem partidariamente e não dão espaço pra quem pensa diferente nos seus veículos de desinformação e manipulação. As evidências do seu partidarismo e da sua emissora são expostas todos os dias, onde a denúncia é seletiva. Vc sabe disso, mas tenta tergiversar e tachar qualquer um q o critique com nomes infantis ou de petista.

    • Fábio Pannunzio

      18/04/2012 #8 Author

      Esse foi o último comentário tosco que eu aceitei de você. A partir de agora, qualquer manifestação mentirosa e injuriosa como esta vai para o lixo da seção de comentários. Se quiser discutir com argumentos, será bem-vindo. Mas se quiser me atacar com essas falácias, procure os blogues da BESTA, que certamente vão acolher o seu achincalhe com grande prazer. Aqui, não mais.

  • Henrique

    16/04/2012 #9 Author

    Foi julgado (pelo judiciário)? Quais os condenados e as penas? Não, não foi julgado. Ahhh!!!!
    O ‘Mensalão’ ainda está por se provar, ou não????

    Responder

    • Fábio Pannunzio

      16/04/2012 #10 Author

      Não. Há uma diferença enorme nesse silogismo: provar-se é uma coisa. Ser julgado é outra. O correto é estar por ser julgado, e não estar por provar-se.

    • Big Head

      16/04/2012 #11 Author

      Por essa lógica, os crimes do “Esquema Arruda” não estariam provados, né Henrique?

    • Henrique

      17/04/2012 #12 Author

      Se não foi comprovado em julgamento do STF é um fato incerto, hipotético ou não-verídico – quanto a isso não há dúvidas. Quanto as provas da cooptação, pelo governo federal, de parlamentares em troca de um valor mensal, o que realmente está evidenciado é que os parlamentares supostamente corrompidos já apoiavam o governo federal e, ainda, que não existe relação entre suas votações e os repasses de dinheiro oriundo dos alegados saques.

      Apesar do título do post não refletir a atual realidade, parabéns pela urbanidade e educação com que discute tudo que é postado, inclusive com aqueles que, vez ou outra, buscam atingir sua honra.

  • Claudionor

    16/04/2012 #13 Author

    Cada um no seu quadrado.

    Tem o mensalão tucano, lá no governo azeredo.

    Tem o mensalão do DEM, do governo Arruda.

    E, por fim, o mensalão do PT.

    A oposição não tem moral para atacar o PT. E vice-versa.

    Responder

    • Fábio Pannunzio

      16/04/2012 #14 Author

      O correto é julgar isso tudo, e não pensar que um empate na criminalidade zera o jogo e anistia todo mundo.

    • Big Head

      16/04/2012 #15 Author

      Touché!

    • Big Head

      16/04/2012 #16 Author

      Apesar de ser falsa como uma nota de quinze reais, afinal há gente honesta na oposição e na base aliada, a conclusão claudionoriana é bom para demonstrar o quão desavergonhadamente o PT e seus cordeiros aderiraram à máxima do Stanislaw Ponte Preta:

      “Instaure-se a moralidade ou nos locupletemos todos”

  • byMel

    15/04/2012 #17 Author

    Só falta o Lewandowski tirar o traseiro da cadeira e apresentar o voto de revisor.
    Lastimo a entrevista em que afirmou que isso ‘vale 1 milhão de dólares’.. hum.. será que botou preço no voto?

    Responder

  • alvaro

    15/04/2012 #18 Author

    Acho que o processo do mensalão é um divisor de águas para uma nação que se pretende democrática. Nem tanto pelos valores envolvidos, mas sobretudo para preservar minimamente nossas instituições.
    A BESTA tergiversa e tenta melar o mensalão porque tem interesses pecuniários.
    Creio que os brasileiros decentes e querem preservar nossas instituições só têm uma coisa fazer: cobrar celeridade dos ministros do STF neste caso. Faz 7 anos que discutimos e debatemos esse tema. Está mais do que na hora de se julgar a questão.

    Responder

  • jorge wanderley

    15/04/2012 #19 Author

    Caro Pannunzio, acredito que à quadrilha formada pelos petralhas e asseclas deva ser incluída todos esses simpatizantes amorais, canalhas e esquerdopatas que o atacam no blog. Será que já estão na “boquinha” ou querem fazer parte dela?

    Parabéns, Fábio!

    Responder

  • Big Head

    15/04/2012 #20 Author

    “Pannunzio, as vezes acho você um jornalista serio, as vezes é uma piada. Nesse post é piada pronta”.

    Deixa-me ver se adivinho os posts em que o Pannunzio vira jornalista sério….hummmm……ah!……certamente são aqueles em que ele denuncia a podridão de parte da Polícia de São Paulo, né Bruneira? Quando resolve enfrentar a Besta e denunciar desmandos do governo federal e do PT vira piada… Depois de falar uma asneira dessa estirpe, não cola sua atitude supostamente niilista em relação à imprensa como um todo. Quem tem mais de dois neurônios sabe de que lado você está. Pois sua tática nada mais é do que a aplicação prática daquilo que o PT fez depois de chegar ao poder: passaram décadas gritando a plenos pulmões para provar que eram diferentes, hoje esperneiam para mostrar que todos são iguais. A tese da vala-comum em relação ao jornalismo peca, pelo menos, num ponto crucial: um dos principais misteres da imprensa é fiscalizar o poder e não a ele se sujeitar em troca de benesses financeiras. Portanto, continue lendo a “blogoseira pogreçista”, pois o Armazén de Secos e Molhados parece ser seu habitat natural…

    Responder

  • Fabio SP

    15/04/2012 #21 Author

    A tática da BESTA agora é desconstruir a reputação do Gurgel…

    Responder

  • Bruneira

    15/04/2012 #22 Author

    Pannunzio, as vezes acho você um jornalista serio, as vezes é uma piada. Nesse post é piada pronta.
    Falar que o mensalão existiu, concordo, mas chamá-lo de o maior escândalo de corrupção da história do país é ridículo! Você sabe que não é, não adianta tentar colocar isso na cabeça dos seus 10 leitores, é de um ridículo que te desmoraliza a um ponto que não vale a pena! Faça um jornalismo sério.
    É ridícula a tentativa de dizer que pelo fato de o vídeo do Maurício Marinho ser armação do Cachoeira o mensalão não ter existido, mas daí dizer que é o maior escândalo da história, faça me o favor!
    Você, todos os que você chama de BESTA, e todos os que são chamados de PIG, estão no mesmo barco em relação ao jornalismo que praticam. Alguns remam para um lado, outros remam no sentido contrário.
    Eu que não defendo nenhuma das posições estúpidas que vocês tem, leio todos e acho todos ridículos, todos mentem despudoradamente.
    É uma competição, quem consegue impor sua mentira com mais força, o PIG ou a BESTA?
    Acredito que existam muitos brasileiros que percebem essa sacanagem, e nós não caímos na de ninguém!

    Responder

    • Fábio Pannunzio

      15/04/2012 #23 Author

      Aceito de bom grado sua crítica se você apontar outro, maior e mais extenso, tanto em número de personagens quanto pelo total do butim.

    • João Carlos

      15/04/2012 #24 Author

      Privatização. Ora, daniel Dantas, serra e Famiglia, Ricardo Sergio, Luis Carlos Mendonça de Barros,. Mas aí vc sequer tocar no assunto! Nao adianta Fabio vc e psbd e nao tem coragem de dizer!

    • Carlos Lenin Dias

      15/04/2012 #25 Author

      …NÃO é minha praia,em publico…

    • Carlos Lenin Dias

      18/04/2012 #26 Author

      Ei! menino bom,jornalista democrático ‘olhe o q tenho q aguentar nesse espaço..’,num qro aborrecer n,longe de mim…é q meu comentário foi retirado -censurado nunquinha…mesmo q (eu) n tenha sido grosseiro ou leviano c/ ninguém- ;só q sobrou a ‘perna’ retificadora aí em cima.Por favor,delete…Obrigado…N incomodarei mais;acredito na tentativa,ao menos,da prática democrática -esta,p/ mim,n é álibi;é vivência…no sentido mais profundo.

    • alvaro

      15/04/2012 #27 Author

      Podem ter havido outros escândalos que envolveram maiores cifras do que o mensalão. Com certeza isso aconteceu em governos anteriores e no atual governo. Mas, sob o ponto de vista institucional, o escândalo do mensalão é imbatível.
      O governo do PT decidiu, pura e simplesmente, comprar o Congresso. É coisa de Máfia. Al capone não foi tão audacioso.
      O PT jamais hesitou em achincalhar com nossas instituições.
      É esse o ponto. Não há como comparar o mensalão com outros escândalos que talvez tenham sido muito mais dispendiosos.
      Políticos mentem, isto é um fato. Políticos traem e enganam, são outros fatos. Mas um político que mente seu nome e sua origem à própria família e coisa apenas do PT.
      Se Zé Dirceu enganou a esposa e o filho, então podemos supor que o elemento não tem o menor pudor em enganar a qualquer um. Eu acho que Zé Dirceu não é um caso de polícia, apenas, ele é um caso psiquiátrico.

    • João Carlos

      15/04/2012 #28 Author

      Para neh? Golpe foi o FHC se beneficiar do iantituto da reeleição. Veja que. Pannunzio na toca nela. Teve congressista saindo c. Dinheiro n bolso sim. E o pobre coitado do FHC foi compelido a concorrer! Lembro em 2002 do video da regina duarte dizendo que tinha medo. o fato e que em 9 anos o pais mudou, passou. A ser respeitado, queiram ou nao!

    • Alê

      15/04/2012 #29 Author


      Eita! Trata-se de um torneio, então?

      Ok. Sou capaz de concordar, visto sermos o país do jeitinho, da criatividade e da impunidade.

      Sr. Bruneira, por favor, informe quais são os outros escândalos corruptivos que, em sua opinião, estariam em pé de igualdade com o do Mensalão.

      Alê

    • João Carlos

      15/04/2012 #30 Author

      Privatização de telefonia e elétrica. Escândalo das reeleições, SUDAM SUDENE, giorgiana e o inss, sanguesugas com o serra e os genéricos.

    • byMel

      15/04/2012 #31 Author

      Escândalos são muitos.
      Mas, com certeza, o Mensalão é o maior (até em número de indiciados) a ir a julgamento.
      Que seja feita justiça e punidos os meliantes, passados, atuais e futuros!
      Basta de impunidade!

  • marco

    15/04/2012 #32 Author

    poxa vida, os ministros do supremo precisam urgentemente de sua consultoria… mas que vivacidade e imparcialidade! só esqueceu ou esteja guardando para uma oportunidade melhor que o “mensalão” continua e agora com mais meses…

    Responder

    • Big Head

      15/04/2012 #33 Author

      Nem os Ministros do STF, tampouco o Ministério Público Federal precisam da consultoria pannunziana, afinal tanto a denúncia quanto a decisão que a recebeu na Corte Suprema, da lavra do Ministro Joaquim Barbosa, são peças impecáveis. A boa imprensa sim precisa de jornalistas como o Fábio, principlamente nesse caso do Mensalão, onde os ninjas da imprensa cooptada (e muit bem paga!) insistem em criar cortinas de fumaça para o escândalo. Já se vão sete anos. Certamente esses caras apostavam na tendência da maioria da população de esquecer casos de corrupção com o passar do tempo. Resumir e linkar a denúncia foi uma grande ideia. Parabéns!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *