O líder do PT na Câmara, Jilmar Tatto (SP), afirmou que nesta terça-feira, 17, os partidos já deverão ter concluído o recolhimento de assinaturas...

O líder do PT na Câmara, Jilmar Tatto (SP), afirmou que nesta terça-feira, 17, os partidos já deverão ter concluído o recolhimento de assinaturas para protocolar o pedido de criação da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que vai investigar as relações políticas do empresário do jogo, Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira. São necessários, pelo menos, 171 apoios na Câmara e 27, no Senado, para a criação da CPI mista. “Não há recuo por parte do PT”, disse Tatto. “Essa CPI não é contra a oposição nem contra o governo. É para investigar uma organização criminosa que engendrou no Estado brasileiro”, continuou.

O líder do PT nega a intenção do partido de “rediscutir” a CPI, depois que a presidente Dilma Rousseff teria se queixado com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva sobre a instalação da comissão. Tatto afirmou que a CPI é uma agenda do parlamento. “Esse não é assunto do governo”, disse. “Nunca o governo disse que era para fazer ou que não era para fazer a CPI”, completou.

Enquanto as assinaturas são recolhidas, a oposição traça a estratégia de aproveitar a CPI para tentar trazer de volta à cena o escândalo do “mensalão”, que atingiu o governo do presidente Lula em 2005. Para Tatto, o chamado mensalão tem sua rota própria e os envolvidos no escândalo deverão ser julgados, neste ano, pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

O líder considera que o DEM e o PSDB buscam desviar o foco da CPI, porque as investigações da Operação Monte Carlo da Polícia Federal chegaram aos dois partidos. O senador Demóstenes Torres (GO) deixou o DEM e responde a processo de perda de mandato no Conselho de Ética do Senado e auxiliares próximos do governador Marconi Perillo (GO) aparecem nas investigações da PF envolvidas com o esquema de Cachoeira.

Assim que for criada a CPI do Cachoeira, os partidos terão 48 horas para indicar os nomes que integrarão a comissão – 15 deputados e 15 senadores, distribuídos entre os partidos de forma proporcional ao tamanho das bancadas. A presidência será ocupada por um senador do PMDB, provavelmente o peemedebista Vital do Rego (PB), e o relator será um deputado do PT. Tatto afirmou não ter decidido ainda o nome do relator. “Vários deputados têm me ligado, colocando-se à disposição, mas ainda não há uma definição”, disse. O líder, no entanto, descarta indicar algum petista que vá disputar as eleições municipais em outubro.

via Líder petista nega recuo na instalação da CPI do Cachoeira – politica – politica – Estadão.

Comentários


Sem comentários ainda.

Comente!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *