ANDREZA MATAIS, GABRIELA GUERREIRO, RUBENS VALENTE E KELLY MATOS Na primeira reunião da CPI do Cachoeira, o PT demonstrou ontem que trabalhará para controlar...

ANDREZA MATAIS, GABRIELA GUERREIRO, RUBENS VALENTE E KELLY MATOS

Na primeira reunião da CPI do Cachoeira, o PT demonstrou ontem que trabalhará para controlar os rumos da investigação, sem dividir com os partidos aliados a condução da comissão.

A ordem no partido é centralizar o comando da CPI nas mãos do relator, deputado Odair Cunha (PT-MG), sem permitir a aprovação de requerimentos ou pedidos que não passem pelo seu crivo.

Um primeiro exemplo da atuação articulada da bancada petista ocorreu ontem.

O senador Fernando Collor (PTB-AL) sugeriu a convocação do procurador-geral da República, Roberto Gurgel, mas o líder do PT na Câmara, Jilmar Tatto (SP), impediu que o pedido fosse votado, orientando parlamentares da base que compõem a CPI.

Segundo os petistas, se o relator aceitasse a sugestão de Collor, teria que fazer o mesmo com as propostas dos membros da oposição.

Apesar da orientação de impedir por ora a convocação de Gurgel, petistas querem que o procurador, que fará a acusação do processo do mensalão, seja um dos alvos.

“A Operação Vegas há dois anos dormia na Procuradoria-Geral da República. Não chegou ao Supremo Tribunal Federal”, disse o deputado Cândido Vaccarezza (PT-SP).

Ele se referia à investigação da Polícia Federal anterior à Operação Monte Carlo, que prendeu o empresário Carlinhos Cachoeira. A Las Vegas já havia resvalado na ligação dele com políticos.

O requerimento para que a comissão tenha acesso às duas investigações foi aprovado ontem. Não há prazo para que o STF, a Procuradoria ou a PF enviem os documentos.

Outra demonstração da centralização dos trabalhos é a decisão do relator de criar subrelatorias. As CPIs de maior alcance costumam ter esses grupos para que vários temas possam ser analisados concomitantemente.

A Folha apurou no Congresso que a estratégia do PT é restringir as investigações sobre os negócios envolvendo a empreiteira Delta e Cachoeira à atuação da empresa em Goiás. O partido não quer permitir a ampliação do foco para evitar que a CPI acabe por investigar as obras de infraestrutura do PAC, uma das vitrines do governo.

Na próxima semana o relator apresentará seu plano de trabalho, que incluirá a convocação de Cachoeira e dos responsáveis pela Delta.

via Folha de S.Paulo – Poder – Na primeira reunião, PT centraliza as ações de CPI – 26/04/2012.

Comentários


Sem comentários ainda.

Comente!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *