GABRIELA GUERREIRO A pedido do governador Marconi Perillo (PSDB-GO), o advogado Carlos de Almeida Castro afirmou ontem que irá pedir à Procuradoria-Geral da República...

GABRIELA GUERREIRO

A pedido do governador Marconi Perillo (PSDB-GO), o advogado Carlos de Almeida Castro afirmou ontem que irá pedir à Procuradoria-Geral da República que instaure inquérito para investigar o tucano no caso Cachoeira.

O advogado de Perillo afirma que a decisão servirá para desmentir as suspeitas que recaem sobre o governador.

“Estou fazendo uma coisa inédita a pedido do meu cliente. A imagem dele está sendo deturpada e a investigação vai nos ajudar a mostrar isso”, afirmou.

Gravações feitas pela Polícia Federal na Operação Monte Carlo levantam a suspeita de que o empresário Carlos Cachoeira enviou dinheiro, escondido numa caixa, para um integrante de seu grupo que estava na sede do governo de Goiás.

Segundo o site do jornalista Mino Pedrosa, que é ex-assessor de Cachoeira, o valor enviado ao Palácio das Esmeraldas foi de R$ 500 mil.

As gravações foram feitas em junho do ano passado. Nelas, aparecem Cachoeira, Gleyb Ferreira da Cruz, um dos principais auxiliares do empresário, e Wladimir Garcez, ex-vereador de Goiânia, que é apontado como elo do grupo com políticos.

Nos diálogos gravados, Cachoeira afirma que mandará o “negócio” por Gleyb até Garcez, que estaria no palácio esperando por uma audiência com Perillo.

Pelos áudios, não fica claro se o dinheiro de fato chegou às mãos de qualquer pessoa do governo goiano.

O relatório da Polícia Federal apresenta os diálogos com o título: “Entrega de dinheiro no palácio do governo de Goiás”.

Perillo classificou a história como “irresponsável, leviana, inverídica e despropositada” e negou qualquer encontro no palácio.

O tucano é aliado do ex-vereador que teria recebido o dinheiro, mas nega qualquer tipo de irregularidade na relação com ele. O tucano também admite ter se encontrado com Cachoeira, mas afirma que nunca foi discutido assunto que seja ilegal.

Além de ser advogado de Perillo, Almeida Castro e advogados do seu escritório também defendem o senador Demóstenes Torres (sem partido-GO).

via Folha de S.Paulo – Poder – Perillo pede investigação contra si mesmo – 27/04/2012.

Comentários

  • Vivi

    28/04/2012 #1 Author

    Esse não aguenta cozinhar em fogo lento… prefere ir para os “finalmente” logo de uma vez!!!

    Responder

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *