A Comissão de Constituição e Justiça do Senado vai ouvir a ex-secretária da Receita Federal, Lina Maria Vieira. O requerimento, apresentado pelo senador Antonio Carlos...

A Comissão de Constituição e Justiça do Senado vai ouvir a ex-secretária da Receita Federal, Lina Maria Vieira. O requerimento, apresentado pelo senador Antonio Carlos Magalhães Júnior (DEM-BA) foi aprovado hoje pelos membros do colegiado.

Os governistas bem que tentaram, mas não conseguiram adiar a votação. Aloizio Mercadante (PT-SP) chegou inclusive a fazer o pedido. Único da base do governo presente ao encontro, o senador Inácio Arruda (PCdo B-CE), votou contrário ao requerimento.

Demóstenes Torres (DEM-GO), que presidia a comissão, justificou  a votação com uma frase já bem conhecida nas falas do peemedebista Renan Calheiros (AL): “É a minoria com complexo de maioria”, decidindo a questão. E abriu brecha para uma correção, ou uma espécie de trocadilho. “Na verdade, é a maioria com complexo de minoria”, afirmou Marconi Perillo (PSDB-GO) ao provar que, desta vez, a oposição, considerada minoria na Casa, tinha sido maioria na eleição.

Com a aprovação do requerimento, Lina Maria Vieira deve participar de audiência pública na terça-feira que vem, pela manhã. No encontro, senadores vão querer esclarecimentos sobre as declarações de que a ex-secretária teria participado de uma reunião com a ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff, encontro que definiria artifícios para proteger os Sarney.

A afirmação que motivou o pedido foi veiculada pelo Jornal Folha de São Paulo. À imprensa, Lina disse que recebeu de Dilma ordens para que ela apressasse a conclusão de investigações tributárias e que envolviam o presidente do Senado, José Sarney.

Ontem, durante a CPI da Petrobras, o relator Romero Jucá (PMDB-RR) reiterou que não haveria necessidade de convocação da ex-funcionária pela comissão que verifica irregularidades na maior estatal do país. A primeira audiência pública do colegiado foi realizada com a participação do secretário interino da Receita, Otacílio Cartaxo.

Comentários


Sem comentários ainda.

Comente!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *