Alana Rizzo e Fabio Fabrin BRASÍLIA – O delegado da Polícia Federal Raul Alexandre Marques constrangeu o deputado federal Protógenes Queiroz (PCdoB-SP) no fim...

Alana Rizzo e Fabio Fabrin

BRASÍLIA – O delegado da Polícia Federal Raul Alexandre Marques constrangeu o deputado federal Protógenes Queiroz (PCdoB-SP) no fim da sessão secreta da CPI do Cachoeira, que durou mais de sete horas. Em meio a questionamentos de Protógenes sobre o envolvimento de setores da mídia com a organização criminosa, o delegado o rebateu, citando a proximidade do parlamentar com o araponga Idalberto Matias de Araújo, o Dadá, braço-direito de Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira.

Marques lembrou de escutas da operação Vegas em que Protógenes foi flagrado conversando com Dadá. Segundo o delegado, um dos diálogos indica o interesse do deputado em se aproximar do ex-diretor da Delta no Centro-Oeste, Cláudio Abreu, apontado pela PF como um dos principais aliados do bicheiro. Protógenes teria dito no grampo ter uma missão para o araponga: apresentá-lo ao dirigente da empreiteira.

Membro da CPI, o deputado federal aparece também nas investigações da operação Monte Carlo. Conforme revelou o Estado, Protógenes foi flagrado em pelo menos seis conversas suspeitas com o araponga. Segundo a PF, Dadá esteve a serviço de Protógenes na Operação Satiagraha e, nas conversas, recebe orientações do ex-delegado sobre como agir para embaraçar a investigação aberta pela corregedoria da PF sobre desvios no comando da operação que culminou com a prisão do banqueiro Daniel Dantas – a Satiagraha.

via Protógenes tentou contato com esquema do Cachoeira, diz Polícia Federal – politica – politica – Estadão.

Comentários

  • Jotavê

    10/05/2012 #1 Author

    Acho que tudo isso tem que ser investigado direitinho. No entanto, acho um erro associar assim, sem mais preâmbulos, o delegado Protógenes ao Carlinhos Cachoeira. É preciso entender que gente como o Dadá não é “membro” da quadrilha do Cachoeira. É um free lancer. Um prestador de serviço. Pagou, ele faz. Não tem nada a ver com jogo ilegal, e coisas do gênero. O negócio dele é grampo, varredura, espionagem. Trabalhou para o Protógenes (de graça? duvido…), trabalhou para o Cachoeira, trabalhou para as teles. Trabalharia para o Daniel Dantas e para o José Dirceu, se fosse necessário. Por tudo o que surgiu até aqui, no entanto, as relações de Dadá com Protógenes não passavam pela quadrilha de Carlinhos Cachoeira. O esquema deles é diferente.

    Responder

  • Bruno Amaro

    09/05/2012 #2 Author

    O Protógenes nunca me enganou, ouvi várias vezes relatos de que ele enriqueceu durante a operação que investigava as operações do Banestado. Subornou um monte de gente.
    O seu patrimônio não condiz com os vencimentos de um delegado federal.

    Responder

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *