Após um longo período de pouca exposição pública, o deputado carioca Miro Teixeira (PDT) voltou aos holofotes como uma das estrelas da CPI do...

Após um longo período de pouca exposição pública, o deputado carioca Miro Teixeira (PDT) voltou aos holofotes como uma das estrelas da CPI do Cachoeira. Com uma defesa ininterrupta da atuação do procurador-geral da República, Roberto Gurgel, e da imprensa, Miro tem atuado para impedir que os desvios de foco retirem do cerne o que realmente importa: a corrupção. Em seu décimo mandato, Miro é otimista: “O dia que perder o otimismo, eu não me candidato mais”. E diz ainda que nessa CPI pode haver um fato inédito: “creio que perseguir o caminho do dinheiro e retomar o dinheiro vai ser inédito”.
VEJA TAMBÉM
Miro Teixeira fala sobre “caça às bruxas” contra imprensa na CPI do Cachoeira
MP: atestado falso garantiu licitação para Delta no TO
Ação na Justiça tenta anular contrato de coleta
Delta colocou quatro operários para varrer 150 km por mês
Delta: contratos para recolher lixo estão sob suspeita
O GLOBO: O senhor chegou aqui (no Congresso) em 1971. Ulysses Guimarães falava que o próximo Congresso seria sempre pior. Qual sua percepção?
MIRO: Doutor Ulysses tinha bom humor e fez uma boa piada. Isso serve para valorizar os bons momentos de cada legislatura. Não existe uma igual à outra.
O senhor participou de duas grandes CPIs (Collor e Anões do Orçamento). Vislumbra diferença entre aquelas e a atual?
MIRO: Logo de início, porque as CPIs, quando encontram indício de crime, remetem suas conclusões para o Ministério Público. Nós já começamos essa CPI com a requisição de inquérito criminal pelo Ministério Público contra o senador Demóstenes Torres e três ou quatro deputados, com processos iniciados e milhares de horas de gravação feitas. Você tem um material que está ensejando a percepção de que os três Poderes da República podem trabalhar em estreita colaboração para impedir a impunidade. Tem várias forças atuando, inclusive líderes partidários que não integram a CPI.
Pode haver um entendimento em relação aos governadores?
MIRO: Não. Não pode haver saída do princípio da impessoalidade da vida pública. Simplificando, é o seguinte: não há proteções pessoais. Quem for culpado vai pagar. Quem for inocente, não vai ser perseguido. É isso.
Na sua opinião, o que o procurador-geral fez?
MIRO: Você tem uma investigação com muita gente. Aí no meio tem cinco pessoas com foro especial no Supremo. Ele recebe aquilo e lê. Só que não tinha entrado o Clube do Nextel. Quando é deferida a retomada das gravações, aí já no ar o Clube Nextel da Rua 46 de Nova York, começa a entrar gravação ‘pra cacete’ do Cachoeira com o Demóstenes. Em vez de ficar procurando falha, que não existe, e tentar inventar omissão, que não existe, é melhor entendermos que só chegamos a este ponto graças ao magnífico funcionamento da Procuradoria da República e da Polícia Federal.
‘Perseguir e retomar o dinheiro vai ser inédito’
O GLOBO: O senhor concorda com a avaliação do PGR de que os críticos da atuação dele estão preocupados com o julgamento do mensalão?
MIRO: Acho que é um direito dele pensar dessa forma. Minha avaliação é que é desvio da pauta. Não tenho dúvida de que há um mal-estar de alguns com a discussão de corrupção, lavagem de dinheiro.
Há um sentimento de alguns parlamentares da CPI de fazer uma caça às bruxas na imprensa?
MIRO: Acho que já houve mais, mas penso que a maioria é contra. Acho que no começo pode ter tido muito rancor, que tomou o plenário, mas acho que hoje isso está muito limitado a um ou outro personagem.
O senhor foi membro da CPI do Collor. Como é participar do mesmo trabalho com ele?
MIRO: Dentro do princípio da impessoalidade da vida pública, não tenho relação com ele, sou capaz de travar um debate com ele e até o momento só tive ideias divergentes. Mas se tiver alguma convergente, não terei o menor embaraço. Lamentavelmente até agora não concordei com nada, porque ele ataca a procuradoria da República, a imprensa, e ali estamos reunidos numa CPI para discutir corrupção.
Considera que o presidente Collor, tendo deixado o governo por impeachment, tem algum impedimento para investigar corrupção?
MIRO: Ele não está fazendo uma investigação sobre corrupção. Está atacando a imprensa e o Ministério Público. Pode ser que quando começarem a chegar os sigilos quebrados de contas bancárias, dos telefones, ele tenha uma contribuição a dar.

viaMiro Teixeira sobre CPI: “retomar o dinheiro será inédito” – O Globo.

Comentários


Sem comentários ainda.

Comente!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *