Quase dois meses já se passaram desde que vieram à baila as primeiras “informações” de que a Revista Veja e seu editor Policarpo Jr....

Quase dois meses já se passaram desde que vieram à baila as primeiras “informações” de que a Revista Veja e seu editor Policarpo Jr. estariam comprometidos com a quadrilha de Carlinhos Cachoeira em uma conspiração permanente com os governos petistas. A alegação chegou a desnortear os primeiros trabalhos da CPI instalada para investigar o bicheiro e foi usada como arma de ataque por gente como Fernando Collor, apeado do Poder, em boa medida, por uma reportagem da revista agora sob ataque severo.

Aos ressentidos com a imprensa formal se juntaram áulicos do movimento para melar o Mensalão. Foi um desastre: além de colocar na pauta diária a necessidade de julgar José Dirceu e seus quase 40 quadrilheiros, nada se comprovou sobre o envolvimento do “velha mídia” com os negócios da contravenção, como queria o chefe da gangue dos mensaleiros.

No arrasto da falsa crise aberta pela banda de música da BESTA na internet, os comentaristas pagos pelo governo para lustrar as teses de José Dirceu dediciram arrastar para a lama o Procurador-Geral da República Roberto Gurgel. É ele quem vai fazer a acusação contra o bando petista que arregimentava parlamentares corruptos com generosas mesadas desviadas dos cofres públicos. A manobra também se revelou desastrada: foi capaz de alinhar adversários na Corte Constitucional brasileira como Gilmar Mendes e Joaquim Barbosa.

Sobre a campanha contra o jornalismo formal, o Blog do Pannunzio firmou posição no post intitulado As penas alugadas ao petismo e a máquina de demolir reputações. O que se seguiu desde a publicação desse texto só fez referendá-lo.

Ao mesmo tempo, a malha de blogs infamantes — aqui tratada como BESTA (Blogosfera Estatal) –, a despeito de sua desmoralização, continua se locupletando com o dinheiro que paga o aluguel de suas almas ao discurso do pior do petismo. Entes públicos como a ANP abriram a burra para a BESTA continuar amealhando umaa fração da renda que o contribuinte entrega ao fisco. Pode não ter havido nenhum ganho político para os detratores profissionais, mas com certeza  a pistolagem eletrônica seguiu auferindo lucros financeiros.

Nisso, a gendarmeria articulada por José Dirceu é, sem nenhuma dúvida, muito eficiente: em tomar dinheiro do governo.

Comentários

  • Amores

    15/05/2012 #1 Author

    O Mosqueteiro da ética enganou o DEM, a Veja e o povo goiano ?

    Convém aguardar os vazamentos para não pagar aquele mico.

    Responder

    • Airton

      16/05/2012 #2 Author

      O Demóstenes não enganou só o povo goiano , e sim o povo brasileiro , e acho que ele não tem dimensão do estrago que provocou .
      Agora , depois que a Veja o expos , fica fácil , você vir e o acusar . Por que não o fez anos atras ?

  • Amores

    15/05/2012 #3 Author

    O mosqueteiro da ética está queimando o filme da Veja.
    Até o Collor aproveitou a deixa. O Discurso está na rede.
    A internet não perdoa o malfeito.

    No popular, a Veja deu brecha.

    Responder

  • Robson de Oliveira

    14/05/2012 #4 Author

    Caro Alex. Parece já haver novidades lá no Azevedo. Dessa vez o cara foi ardido que só.

    Os robôs serão desmontados.

    EMEPE, não acredito que o Jotave seja do MAV, ele “sabe” argumentar.

    Geralmente os “mavelianos” se entregam à práticas menos inteligíveis e mais neanderthalianas.
    Além evidentemente de serem mestres na arte da repetição.

    Responder

    • Jotavê

      15/05/2012 #5 Author

      Hà imbecis dos dois lados. Precisamos lutar para que isso acabe. Empobrece o debate e desqualifica este espaço maravilhoso de discussão que a era digital nos proporciona. Discordar é do jogo. Basta ter educação e preservar certos valores éticos APESAR do anonimato. Se insistirmos, chegaremos lá. Ninguém tem interesse em ficar lendo impropérios vazios.

    • Fábio Pannunzio

      15/05/2012 #6 Author

      É isso aí, Jotavê! Vamos debater ideias, e não a qualificação dos contendores.

  • Nonato

    14/05/2012 #7 Author

    Como é que esse Alex sabe disso? Huuuuuuuuuuuummmmmmmmmmm!

    Responder

  • intruder

    14/05/2012 #8 Author

    Até os comentários no blog do Pannunzio são esclarecedores. Podemos ver claramente quem é pelo direito e a democracia , e aqueles que querem implantar o aparelhamento do estado (facismo). Força ao país para atravessar essa maré do pt.

    Responder

  • Alex

    14/05/2012 #9 Author

    Neste fim de semana, o blogueiro de VEJA Reinaldo Azevedo publicou matéria em seu blog acusando o domínio no TT @lucy_in_the_sky de ser um robô criado pelo governo para tuitar ad nauseum a tag #Veja TemMedo e #VejaBandida pela net, tentado demonstrar que a “campanha” contra a revista no Twiter é orquestrada pelo governo. Até explicou como era feito.

    Avisada por amigos, a dona do domínio, uma pacata senhora carioca de 59 anos,trabalhadora na área da saúde e estudante, dona da conta no TT há tês anos, reagiu indignada às acusações de Reinaldo:

    “Foi como tomar um tapa na cara desse senhor”.

    Postou um comentário no blogue do citado, identificando-se, explicando quem era e exigindo retratação.

    O comentário da senhora foi censurado pelo amante da liberdade de imprensa (menos para comentários críticos em seu blog) e fica valendo a versão dele na revista.

    Que nome se dá a isso?

    Em tempo, no blog do Paulo Henrique Amorim é exatamente a mesma coisa, a seção de comentários dos posts dos dois jornalistas pseudo-amantes da liberdade de expressão (deles) e que tem ojeriza ao direito de resposta, são iguaizinhos, o que mostra a personalidade de seus donos.

    Parece eleição no Iraque de Saddam Hussein, todos a favor, sempre.

    Rivais em ideologia (será?) e interesses políticos e pessoais, iguais em estofo.

    Responder

    • Marcelo G

      14/05/2012 #10 Author

      Ué, a tal senhorinha carioca anônima pode procurar a justiça, não??
      Quem publicou esse esquema de “Robô” foi a Revista Veja. O Reinaldo Azevedo postou em seu blog o que já havia saido na revista.
      Por que ele deveria publicar um comentário que o acusa de mentiroso, dizendo apenas que é a dona do domínio??

      Olha, comparar Reinaldo Azevedo a Paulo Henrique Amorim é brincadeira!! Colocar os dois como farinha do mesmo saco é ter uma visão muito deturpada da realidade.

      PS – A propaganda da CEF voltou para o topo da página do líder da BESTA, após um breve intervalo do tipo “baixa-poeria”…

    • Alex

      14/05/2012 #11 Author

      O comentário e a revolta da dona do domínio já é de “domínio publico” por toda net, está em N blogs e jornais on line. Não era exclusivo do blog do Reinaldo. Ele apenas repercutiu a maldade da revista, e se recusou a dar o direito de resposta no próprio espaço em que acusa a moça de ser um “robô” do governo ou do PT. Fica valendo a versão dele apenas, na Veja.

      Os dois, Reinaldo e PH, são exatamente iguais no quesito “liberdade de expressão só pra mim”. Alguma dúvida?”

      Se tem, entre no blog do RA e deixa alguma msg que seja uma critica, com toda educação, a algum post dele. Faça o mesmo no Conversa Afiada.

      Liberdade de expressão pros dois não aceita o contraditório.

      Depois vem aqui e nos conta.

    • Marcelo G

      14/05/2012 #12 Author

      Obrigado pela dica, Alex, mas certamente não tenho o menor interesse em discordar do Reinaldo até que realmente eu discorde dele no campo das idéias.
      No blog do PHA, não escrevo nada mesmo. Fazer isso, é compactuar com o mau uso do dinheiro público que o financia.
      Não pretendo postar nada para testar ninguém.

      Quanto à senhorinha, o Reinaldo Azevedo colocou outro post sobre o assunto.

      Abs

    • Alex

      15/05/2012 #13 Author

      Pode-se concordar com as ideias mas discordar dos métodos de usá-las.

      Abs

    • Airton

      16/05/2012 #14 Author

      O que eu entendi , é que o tal @lucy_in_the_sky tinha conseguido uma forma de captar todos os twitters com determinada hashtag e a repetia, com o intuito de atingir ( uma coisa boba na minha opinião ) o TOP dos Trends , como se isso fosse a opinião de milhares de pessoas e por isso seria um robo , ou seja , ela não emitia a sua opinião a respeito de algo.
      Há um post aqui no blog do Pannunzio mostrando a pratica.

  • Lets

    14/05/2012 #15 Author

    Ô Pannunzio você ainda escreve lá naquele site 171brasil?
    Você já deve tá começando a incomodar a Besta e JEG.

    Responder

  • EMEPE

    14/05/2012 #16 Author

    Pannunzio,

    Fico feliz em ter encontrado teu blog, e saber que está subindo sua audiência a cada dia. Isso é mais uma prova que o lado bom da sociedade, os silenciosos e laboriosos que não utilizam o tempo útil para desmontar instituições, conceitos, reputações, cá comparecem para ler o que uma inteligência jornalística coloca à apreciação das mentes sãs.
    Parabéns, você, o Reinaldo Azevedo, Augusto Nunes, Dora Kramer e muitos outros, estão ajudando a preservar o bom senso, a verdade e o desejo de se fazer jornalismo verdadeiro, sem fantasias, metas e idelologias.
    Todo dia pelo menos 3 ou 4 vezes eu venho ao computador e não deixo de consultar esses que citei pois só nesses sites eu econtro o bom senso e a verdade que me informa e me faz continuar a acreditar na cidadania e na individualidade dos pontos de vista.

    Responder

  • Mario

    14/05/2012 #17 Author

    Pannunzio,

    Os membros da BESTA continuam aí a tentar dizer que existem “evidências”, “suspeitas” e coisas do tipo pesando contra a Veja. Não podem provar nada disso. Elas existem apenas para os que enxergam o mundo a partir do jornalismo financiado pelo Governo Federal. O que ficou comprovado é o vagabundismo de quem recebe dinheiro público ilegalmente. Querem fazer com o jornalista da Veja o mesmo que fizeram contra o caseiro Francenildo. Os membros da BESTA são covardes, mentirosos e sacanas.

    Mario.

    Responder

  • Big Head

    14/05/2012 #18 Author

    Acho que me atrasei um pouquinho (hehehe) O MAV é sempre muito eficaz… Ô Jotavê, onde estariam as evidências razoáveis? Ninguém aqui está falando de prova judicial, até porque o processo não chegou a juízo. Na conversas gravadas não há nada que desabone o jornalista, muito menos a revista. Reptir “ad vomitum” uma mentira não a torna evidência. Profisionais experientes em investigação, Delegados da Polícia Federal com anos de carreira e que passaram muito tempo analisando o conteúdo das gravações não conseguiram achar o que o sapientíssimo Jotavê insiste em demonstrar. Por que? Será que a PF também está de conluio com a mídia golpista?

    Responder

    • EMEPE

      14/05/2012 #19 Author

      Bem, eu acho que o Jotave está certo, pois está agindo profissionalmente e ganha por isso.
      Se ele não vier aqui para tentar desmontar reputações, não vai receber a grana que o seu comando distribui para vários comenglistas profissionais (comenglista é a junção de comentaristas de blogs), ou pode ser também chamados de asnistas que representam os asnos que que sá escrevem asneiras.

    • Jotavê

      14/05/2012 #20 Author

      Veja o que você disse. Que contribuição deu ao debate me insultando, dizendo que sou pago para emitir minhas opiniões? Como é que você usa esse tom com uma pessoa que desconhece? Acha que eu não tenho família, como você? Mulher, filhos, pai, mãe, amigos? Vamos nos respeitar, poxa…

  • Big Head

    14/05/2012 #21 Author

    Contagem regressiva para aparecer por aqui o indefectível Jotavê, com aquela conversinha pra boi dormir, ecoando a Besta de um modo mais educado e bem escrito… 9…8…7….6…5…4….

    Responder

  • Jotavê

    14/05/2012 #22 Author

    Provas, no sentido jurídico do termo, podem surgir, ou não. Do ponto de vista do cidadão, isso pouco importa. Importa apenas que há motivos de sobra para suspeitarmos de que Policarpo Jr. SABIA das ligações entre Cachoeira e Demóstenes Torres. A revista Veja, ao invés de vir a público dar satisfações a respeito, tergiversa.
    É preciso acabar com essa história de “onde estão as provas?”. Isso é um equívoco descomunal. JUÍZES julgam com base em provas – e é assim mesmo que deve ser. Eleitores não confiam ou desconfiam de um candidato porque têm (ou deixam de ter) “provas” no sentido jurídico do termo contra um político. Não escolhemos nossos amigos, nossos funcionários, nossas companhias, nossa agência de viagem, nosso supermercado, nossa pizza com base em “provas”, nem em raciocínios jurídicos. O juízo do cidadão é formado a partir de EVIDÊNCIAS RAZOÁVEIS – sejam elas aceitáveis ou não num tribunal. E há evidências razoáveis DE SOBRA de que a cúpula da revista Veja tinha PLENO CONHECIMENTO das relações entre Cachoeira e Demóstenes Torres. Têm que se explicar, sim. E não se explicam.

    Responder

    • Big Head

      14/05/2012 #23 Author

      Tem mais, Jotavê. É óbvio que as intituições não podem se pautar pelos juízos do cidadão comum. Aliás, elas muitas vezes tem mesmo é que servir como freio das paixões populares, se é que você me entende. Só que, no caso das relações Policarpo/Cachoeira não há que se falar em prova, até porque em inquérito policiais elas não são imprescindíveis, bastando que a autoridade colha indício que possam levar o MP à denúncia. Até aqui não há nem indício de qualquer relação heterodoxa entre o jornalista e o bicheiro, como reconhceream os delegados, nada além de relação fonte/repórter. O problema é que a Besta, em sua incansável luta contra a imprensa de verdae, parece também querer criminalizar essa espécie de relação, o que seria a morte do jornalismo. Até porque o que fazem é tudo, menos jornalismo…

    • Big Head

      14/05/2012 #24 Author

      Vão desculpando os vários erros de digitação. É que estou comentando em pleno intervalo do almoço, numa pressa e numa fome danadas. Terei mais cuidado das próximas vezes.

    • Jotavê

      14/05/2012 #25 Author

      Concordo plenamente. Acho que é preciso distinguir dois tipos de juízo: o jurídico, formado segundo uma série de formalidades descritas em nossos códigos processuais; e o político, do cidadão comum, como eu e você, chamado a formar opinião sobre assuntos que dizem respeito à esfera pública. Os critérios são diferentes. Um cidadão não precisa de “provas” para se convencer. Os indícios bastam. É razoável pensar que, após anos de convivência, Policarpo Jr. não soubesse que Demóstenes Torres pertencia à quadrilha da Cachoeira? Não acho. A revista Veja deve explicações ao público sobre essa relação, mesmo que não haja provas jurídicas de que o conluio existiu. abs

    • Airton

      16/05/2012 #26 Author

      Porque a Veja tem que explicar se havia uma estreita relação entre o Cachoeira e o Demóstenes ?
      Não consigo entender essa lógica.
      Ela Veja tem alguma relação com os dois ?
      O Policarpo Jr. ganhou alguma coisa com a relação dos dois ?
      Quer dizer que se eu conhecer duas pessoas que praticam ilicitos , eu sou obrigado a explicar a relação dos 2 ?

  • Flavio

    14/05/2012 #27 Author

    Já foi concluída a CPI ???…Acabaram as investigações/apurações ???…Se surgir uma prova contra a “coitadinha” da veja, o q vc vai dizer ???…se não aparecer, o q o Nassif, PHA, Azenha irão dizer ???… Essa briguinha de lavadeira entre vcs tá ridícula…

    Responder

    • Big Head

      14/05/2012 #28 Author

      Flávio, nós, reles mortais, temos que analisar e emitir opinião sobre aquilo que conhecemos e não com base no “se”. Até agora, ao contrário do que alrdeia a Besta e seus cordeiros, não apareceu nada que desabonasse ou pusesse em dúvida a conduta do jornalista e da revista, muito pelo contrário. Com todo o respeito, essa sua isenção é pra inglês ver…

    • Flavio

      15/05/2012 #29 Author

      Vamos combinar assim então…caso queira seu comentário eu peço colocando a pergunta ao final do meu post “O q vc acha Big Head ???”… Não me conhece e nem minhas idéias e quer julgar minha isenção…abs.

  • Robson de Oliveira

    14/05/2012 #30 Author

    Bom dia!

    Não adianta, a gritaria vai continuar, embora de forma menos concentrada. Fico aliviado, confesso, por saber que posso ainda confiar na imprensa.
    Mas que foi um belo de um tapa-na-cara de alguns vigaristas, isso foi.
    Às águas mansas até agora, tem mantido o governo em uma ilha relativamente segura. Índices de popularidade refletem a situação de momento. Mas a tal famosa pretensão da hegemonia do partido segue ameaçada.

    O projeto de “poder” e não de governo, tem sido bastante frustrado, ainda mais agora com essa CPI seguida do julgamento do Mensalão. Isso é demonstrado no ataque indiscriminado que fazem para todos os lados.

    Muitos estão confundindo os opositores do “projeto de poder” com o projeto de governo. Nesse caso, posam de vítimas do anti-petismo. Isso que tenho visto nos diversos blogs que acompanho.

    Se você é contra o “projeto de poder” que engloba censura, hegemonia, enfim, tudo que se apresenta claramente contra a democracia, você é então um anti-petista. Então fica claro o índice daqueles que acham o governo ruim ou péssimo, os tais 5% que se enquadram naqueles que se dizem contra O GOVERNO. Não apoiam nenhum tipo de virtude, mesmo aquelas que são sim, boas.

    Acho que é preciso saber quem é quem nesse contexto!

    Abraços
    Robson de Oliveira

    http://ecoblog-blogeco.blogspot.com.br/

    Responder

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *