Numa cerimônia que reuniu os quatro antecessores vivos, a presidente Dilma Rousseff instalou a Comissão da Verdade e afirmou que o esclarecimento dos crimes...

Numa cerimônia que reuniu os quatro antecessores vivos, a presidente Dilma Rousseff instalou a Comissão da Verdade e afirmou que o esclarecimento dos crimes cometidos durante a ditadura militar (1964-1985) não pode comportar revanchismo, mas nem tampouco perdão.

“A palavra verdade […] é algo tão surpreendentemente forte que não abriga nem o ressentimento, nem o ódio, nem tampouco o perdão”, afirmou em discurso.

Ex-guerrilheira comunista, presa e torturada pelo regime, ela chorou ao se referir aos parentes dos mortos e desaparecidos no período.

“Merecem a verdade factual aqueles que perderam amigos e parentes e que continuam sofrendo como se eles morressem de novo e sempre a cada dia”, disse, interrompida por aplausos.

“É como se disséssemos que, se existem filhos sem pai, se existem pais sem túmulo, se existem túmulos sem corpos, nunca, nunca mesmo pode existir uma história sem voz.”

Dilma reverenciou os militantes que atuaram na luta armada, mas sinalizou respeito à Lei da Anistia, de 1979, que impede a responsabilização criminal de integrantes da guerrilha e da repressão.

“Assim como respeito e reverencio os que lutaram pela democracia enfrentando bravamente a truculência ilegal do Estado, e nunca deixarei de enaltecer esses lutadores e lutadoras, também reconheço e valorizo pactos políticos que nos levaram à redemocratização”, disse.

A presidente não fez referência às vítimas da esquerda armada, tema de divergência entre integrantes da comissão nos últimos dias.

Dilma reafirmou que a Comissão da Verdade não será de “governo, mas de Estado”, e que não haverá espaço para “revanchismos”.

Para sustentar sua retórica do caráter “de Estado”, promoveu uma inédita reunião dos ex-presidentes vivos pós-ditadura: José Sarney, Fernando Collor de Mello, Fernando Henrique Cardoso e Luiz Inácio Lula da Silva.

Assim como ela, os dois últimos foram alvo de perseguição política dos militares. FHC foi cassado da Universidade de São Paulo em 1969 e se exilou no exterior, e Lula foi preso ao comandar greves no ABC paulista em 1980.

Beba na fonte: Folha de S.Paulo – Poder – Dilma diz que não haverá revanche nem perdão para ditadura – 17/05/2012.

Comentários

  • Wagner

    18/05/2012 #1 Author

    Como todos conhecem, a Opus Dei é uma organização secreta dentro da Igreja Católica e sua ideologia é ultra-conservadora, é contra os movimentos populares, gays, negros, nordestinos, prostitutas, lésbicas, e assim por diante… A organização manipula a imprensa. Com seus membros (professores) infiltrados nas universidades e faculdades bem como dentro das igrejas (padres), colaborou com os militares nos bastidores na época da ditadura militar, identificando e entregando supostos esquerdistas e pessoas suspeitas de subversão aos órgãos de repressão, que praticaram assassinatos, torturas e desaparecimentos. Funciona como uma máfia, e que busca ter o poder político no Brasil através de seus “simpatizantes” doutrinados.
    Controla o jornal “El Observador”, de Montevidéu, e exerce influência sobre órgãos tradicionais da oligarquia como “El Mercurio”, no Chile, “La Nación”, na Argentina e “O Estado de S. Paulo”, no Brasil. No Brasil, o elo com a imprensa é o curso de pós-graduação em jornalismo da Universidade de Navarra em São Paulo, coordenado por Carlos Alberto di Franco, numerário, um dos chefões e fundadores da organização no Brasil e comentarista do “Estadão” e da Rádio Eldorado. O segundo homem da Opus Dei na imprensa brasileira é o também numerário Guilherme Doring Cunha Pereira, herdeiro do principal grupo de comunicação do Paraná (“Gazeta do Povo”). Também é citado como membro da organização, Ricardo Gandour, diretor de conteúdo do “Estadão”.

    Responder

  • J.Veríssimo

    18/05/2012 #2 Author

    Pensando bem… A comissão da verdade se transformou em “COMANDO VERMELHO”…

    Responder

  • Alex

    17/05/2012 #3 Author

    Pau nos torturadores!

    Responder

  • LUIZ

    17/05/2012 #4 Author

    A HIPOCRISIA ASSOLA ESTE PAÍS. HOJE ESSES MILITANTES, ARVORAM-SE QUE LUTARAM PELA DEMOCRACIA! MENTIRA!………………. ELES LUTARAM PARA QUE O BRASIL FOSSE UM PAÍS SOCIALISTA NOS MOLDES DA ANTIGA UNIÃO SOVIÉTICA, OU UM PAÍS COMUNISTA NOS MOLDES DE CUBA E ANTIGA CHINA. NUNCA LUTARAM REALMENTE PARA A DEMOCRACIA. ISTO É HIPOCRISIA.

    Responder

    • Alex

      18/05/2012 #5 Author

      É verdade, mas o que tem isso a ver com contar onde foram enterrados os corpos? Hipocrisia é isso.

  • JACUTINGA

    17/05/2012 #6 Author

    Comissão da verdade ? Deveria ser comEssão da verdade, pois “comerão”só de salários mais de dois milhões de reais, fora o “cafezinho”, os auxiliares, as mordomias, passagens e outras coisinhas mais. Interessante que são sete (conta de mentiroso) membros e, estão sendo apelidados de CV !!! É uma boa idéia para investigação”! Investiguem sim o CV (comando vermelho), organização criminosa assim chamada porque foi criada na cadeia, onde conviveram assaltantes, seqüestradores, ladrões e assassinos “profissionais” e os presos revolucionários vermelhos comunistas. Nesta convivência, os criminosos “profissionais” ensinaram aos criminosos políticos sua experiência criminal e em troca, receberam ensinamentos de organização e guerrilha ! Estava fundada a primeira organização criminosa, que até hoje inferniza a vida dos cariocas, o comando vermelho (CV). Interessante a analogia entre as organizações criminosas e os grupos de esquerda radical. Tanto uns quanto os outros, se multiplicam por metástese como o câncer. Do CV (comando vermelho) surgiram o ADA (amigos dos amigos) e o 3C (terceiro comando) assim como na esquerda, do velho PC surgiram o MR8, COLINA, VAR, PC do B, ALN, POLOP, VAR-PALMARES, MOLIPO, VPR, MNR e outros. É assim mesmo, os bandidos , justamente por não terem escrúpulos e por sua obsessão pelo mando e pelo poder, lutam entre si e se dividem por interesses mesquinhos, tanto uns quanto os outros.
    Para finalizar, cumpre observar que não falta dinheiro para esta comissão da inutilidade, para presentear palestinos radicais , para sustentar o MST e ONGs fantasmas e para financiar porto cubano . Para o aumento salarial dos militares e dos aposentados civis (igual ao do mínimo) não sobra NADA ??…
    Isto sim dá vontade de chorar lágrimas de ódio e raiva, não LÁGRIMAS de CROCODILA (flexão idiota de gênero agora é lei )…

    Responder

  • Jotavê

    17/05/2012 #7 Author

    Morreram militares e morreram inocentes, durante a ditadura, vitimados por guerrilheiros. A família desses militares e desses inocentes tem alguma dúvida sobre aquilo que realmente aconteceu? Se existem dúvidas deste tipo, defendo que a Comissão investigue o caso, dirimindo as dúvidas. Existe algum corpo de militar desaparecido? Se existe, que a Comissão trate de examinar que destino foi dado a esse corpo. A guerrilha tinha cemitérios clandestinos? Se tinha, que se trate urgentemente de localizar esses cemitérios.

    A verdade de um dos lados é plenamente conhecida – está, como bem lembrou o jornalista Jânio de Freitas, registrada em detalhes nos inquéritos militares realizados, àquela época, mediante a utilização da tortura como método de investigação. A verdade do outro lado é que teima em não vir completamente à tona. E precisa vir. Precisamos olhar para o passado, para poder tratá-lo como coisa que passou, e não como um fantasma assombrando os debates políticos fora de hora e de lugar.

    Responder

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *