JOSÉ ERNESTO CREDENDIO ANDREZA MATAIS DE BRASÍLIA Num jogo combinado entre o governo e parte da oposição, a CPI do Cachoeira engavetou ontem pedidos...

JOSÉ ERNESTO CREDENDIO
ANDREZA MATAIS
DE BRASÍLIA
Num jogo combinado entre o governo e parte da oposição, a CPI do Cachoeira engavetou ontem pedidos de investigação de três governadores, cinco deputados e das operações da empreiteira Delta fora do Centro-Oeste.

Criada há um mês para investigar o empresário Carlinhos Cachoeira e seu relacionamento com autoridades como o senador Demóstenes Torres (ex-DEM-GO), a CPI até agora não ouviu nenhum dos políticos envolvidos no caso.

A CPI aprovou ontem 87 requerimentos, dos quais apenas um busca informações sobre a ligação entre Demóstenes e Cachoeira. “Não sei por que saio da reunião de hoje com gosto de orégano na boca”, disse o senador Randolfe Rodrigues (PSOL-AP).

Em entrevista à Folha e ao UOL, o senador Pedro Taques (PDT-MT) afirma que a investigação está mais para “chapa-branca”. No Congresso, ele afirmou que a comissão está “amarelando”.

O acordo que engavetou os pedidos de investigação, antecipado ontem pela Folha, foi costurado com a participação do governo. A ministra das Relações Institucionais, Ideli Salvatti, tem orientado o relator da CPI, deputado Odair Cunha (PT-MG).

A ordem foi poupar a Delta, que tem dezenas de contratos com o governo federal e os Estados, em troca da não convocação do governador Marconi Perillo (PSDB-GO).

O deputado Paulo Teixeira (PT-SP) resumiu a ação: “Generalização cheira a devassa. (…) Precisamos andar em caminhos seguros.”

A comissão decidiu restringir a investigação sobre a Delta à sua atuação no Centro-Oeste, onde o diretor da empresa era ligado a Cachoeira.

O dono da construtora, Fernando Cavendish, não será chamado para depor. Pedidos de quebra dos seus sigilos bancário, fiscal e telefônico foram barrados também.

Cavendish é amigo do governador do Rio, Sérgio Cabral (PMDB-RJ), aliado do governo. A construtora tem contratos com o Estado.

Com isso, os trabalhos da CPI deverão ficar limitados ao material que já foi levantado pela Polícia Federal.

A CPI quebrou os sigilos fiscal e bancário da Delta apenas no Centro-Oeste, de empresas de Cachoeira e de seus operadores. Vários deles já tiveram a movimentação financeira analisada pela PF.

Foram engavetados requerimentos que pediam a convocação de Cabral e dos governadores de Goiás, Marconi Perillo (PSDB), e do Distrito Federal, Agnelo Queiroz (PT). Cachoeira tinha pessoas de sua confiança em postos-chave nos dois governos, segundo o inquérito da PF.

Parlamentares disseram que os pedidos de convocação dos governadores poderão ser analisados em junho. O ex-chefe de gabinete de Agnelo, afastado depois que sua ligação com o grupo de Cachoeira veio à tona, foi chamado para depor pela CPI.

“Reuniu-se um grupo numa sala e decidiram quem vai morrer”, disse a senadora Kátia Abreu (PSD-TO). “Estamos convocando os bagrinhos.”

Colaborou FERNANDO RODRIGUES, de Brasília

Beba na fonte: Folha de S.Paulo – Poder – CPI poupa políticos e empreiteira e decide limitar investigação – 18/05/2012.

Comentários

  • Airton

    18/05/2012 #1 Author

    Qual é a participação da oposição nesse caso ? Ela é minoria , não consegue fazer nada que o governo não deixe e isso é uma bela manobra do governo , porque deixando de investigar os governadores , principalmente o Sérgio Cabral , passará a população que todos politicos são iguais e todos são corruptos e como dizia um antigo slogan popular de um politico paulista : Rouba , mas faz , eles continuarão no poder.

    Responder

    • Big Head

      18/05/2012 #2 Author

      Airton, temos razões para desconfiar que o suposto acordo teve aceitação da oposição, afinal ontem mesmo o Álvaro Dias falou algo mais ou menos assim: se pegarem o Perillo, daremos o troco.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *