JOSÉ ALBERTO BOMBIG, da Folha de São Paulo O governador de São Paulo, José Serra (PSDB), mantém a dianteira na corrida pela sucessão do...

JOSÉ ALBERTO BOMBIG, da Folha de São Paulo

O governador de São Paulo, José Serra (PSDB), mantém a dianteira na corrida pela sucessão do presidente Lula, em 2010, e, pela primeira vez, vê a pré-candidatura da ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff (PT), permanecer estável entre um e outro levantamento, revela a nova pesquisa Datafolha.

O tucano tem 37% das intenções de voto, um ponto percentual a menos do que no levantamento anterior, em maio. Dilma se mantém nos mesmos 16% e tecnicamente empatada na segunda posição com o deputado Ciro Gomes (PSB-CE) -15%, o mesmo índice de maio.

A pesquisa, realizada entre os dias 11 e 13, mostra ainda que a entrada da senadora e ex-ministra Marina Silva (PT-AC) na corrida praticamente não provocou, pelo menos até agora, alteração nos índices dos líderes.

Cobiçada pelo PV para encabeçar uma chapa ao Planalto, ela só atinge 3% das intenções.
A diferença entre Dilma e Serra, que já esteve em 35 pontos percentuais em março de 2008, quando a ministra largava com 3%, caiu de 22 para 21 pontos. Desde o final do ano passado, a petista, que luta contra um câncer linfático, é presença constante em eventos e solenidades pelo país, quase sempre ao lado de Lula.

“Marina, neste momento de largada, não ameaça os líderes. Mas o resultado de Dilma pode ser um indício da estabilização da sua pré-candidatura, temos de esperar para saber”, afirma diretor-geral do instituto Datafolha, Mauro Paulino.

A margem de erro da pesquisa, feita a 14 meses das eleições, é de dois pontos percentuais para mais ou para menos.

O presidente do PT, Ricardo Berzoini, fez um apelo público para que Marina não deixe o partido. Os petistas temem um estrago na pré-candidatura de Dilma se a senadora aceitar o convite do PV, pois ambas trafegariam na mesma faixa do eleitorado, avaliam governistas e até a oposição a Lula.

Em ambos os cenários em que é testada, Marina, porém, só atinge 3% dos votos. Dilma tem 17%, com Serra na disputa, e 19%, sem a presença do tucano e governador paulista. “A senadora ainda não é reconhecida como candidata. Ciro tem muito mais potencial do que ela no momento”, diz Paulino.

Dividido entre concorrer ao governo de São Paulo a convite de Lula e tentar de novo o Planalto (como em 1998 e 2002), Ciro assume a ponta nos dois cenários em que Serra não é testado, com 23% e 21%.

Sem Ciro, Dilma atinge seu melhor desempenho e ganha oito pontos percentuais em comparação com o principal cenário, chegando a 19%, mas Serra também sobe a 44%.

Quando Serra não é citado como candidato, o governador de Minas e também tucano, Aécio Neves, chega a 20% no cenário sem Ciro, seu melhor resultado e quatro pontos atrás de Dilma e Heloísa Helena (PSOL), ambas com 24%.

Os dois tucanos travam disputa ainda silenciosa no PSDB pela candidatura em 2010.

Mesmo afirmando que só se preocupa em governar São Paulo, Serra tem viajado para o Nordeste, onde é grande a popularidade de Lula.

O presidente é mais lembrado pelos eleitores, segundo o Datafolha, quando não são apresentados os pré-candidatos. O apoio de Lula a um candidato poderia levar 42% dos brasileiros a votar nesse político.

Se você é assinante da Folha, clique aqui para ler a íntegra da reportagem.

Comentários


Sem comentários ainda.

Comente!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *