No Blog do Augusto Nunes O ex-presidente Lula vem erguendo desde o começo de abril o mais obsceno dos numerosos monumentos à cafajestagem forjados...

No Blog do Augusto Nunes

O ex-presidente Lula vem erguendo desde o começo de abril o mais obsceno dos numerosos monumentos à cafajestagem forjados desde 2005 para impedir que os quadrilheiros do mensalão sejam castigados pela Justiça. Inquieto com a aproximação do julgamento, perturbado pela suspeita de que os bandidos de estimação correm perigo, o Padroeiro dos Pecadores jogou o que restava de vergonha numa lixeira do Sírio Libanês e resolveu pressionar pessoalmente os ministros do Supremo Tribunal Federal. De novo, como informou VEJA neste sábado, o colecionador de atrevimentos derrapou na autoconfiança delirante e bateu de frente com um interlocutor que não se intimida com bravatas.

A reportagem de Rodrigo Rangel e Otávio Cabral reproduz os momentos mais espantosos do encontro entre Lula e o ministro Gilmar Mendes ocorrido, há um mês, no escritório mantido em Brasília pelo amigo comum Nelson Jobim, ex-ministro do Supremo e ex-ministro da Defesa. A conversa fez escala em assuntos diversos até que o palanque ambulante interrompeu o minueto para dar início ao forró do mensalão. “Fiquei perplexo com o comportamento e as insinuações despropositadas do presidente Lula”, disse Gilmar a VEJA. Não é para menos.

“É inconveniente julgar o processo agora”, começou Lula, lembrando que, como 2012 é um ano eleitoral, o PT seria injustamente afetado pelo barulho em torno do escândalo. Depois de registrar que controla a CPI do Cachoeira, insinuou que o ministro, se fosse compreensivo, seria poupado de possíveis desconfortos. “E a viagem a Berlim?”, perguntou em seguida, encampando os boatos segundo os quais Gilmar Mendes e Demóstenes Torres teriam viajado para a cidade alemã num avião cedido por Carlinhos Cachoeira, e com todas as despesas pagas pelo meliante da moda.

Gilmar confirmou que se encontrou com o senador em Berlim. Mas esclareceu que foi e voltou em avião de carreira, bancou todas as despesas e tem como provar o que diz. “Vou a Berlim como você vai a São Bernardo. Minha filha mora lá”, informou, antes da recomendação final: “Vá fundo na CPI”. Lula preferiu ir fundo no palavrório arrogante. Com o desembaraço dos autoritários inimputáveis, o ex-presidente que não desencarnou do Planalto e dá ordens ao Congresso disse o suficiente para concluir-se que, enquanto escolhe candidatos a prefeito e dá conselhos ao mundo, pretende usar o caso do mensalão para deixar claro quem manda no STF.

Alguns dos piores momentos da conversa envolveram quatro dos seis ministros que Lula nomeou:

CARMEM LÚCIA
“Vou falar com o Pertence para cuidar dela”. (Sepúlveda Pertence, ex-ministro do STF e hoje presidente da Comissão de Ética Pública, é tratado por Carmen Lúcia como “guru”).

DIAS TOFFOLI
“Ele tem que participar do julgamento”. (O ministro foi advogado do PT e chefe da Advocacia Geral da União. Sua mulher defendeu três mensaleiros. Mas ainda não descobriu que tem o dever de declarar-se sob suspeição).

RICARDO LEWANDOWSKI
“Ele só iria apresentar o relatório no semestre que vem, mas está sofrendo muita pressão”. (Só falta o parecer do revisor do processo para que o julgamento comece. Lewandowski ainda não fixou um prazo para terminar o serviço que está pronto desde que ganhou uma toga).

Os outros dois ministros nomeados por Lula são Joaquim Barbosa (considerado “um traidor”) e Ayres Britto, a quem Gilmar relatou na quarta-feira o encontro em Brasília. O atual presidente do STF soube pelo colega que Lula pretende seduzi-lo com a ajuda do jurista Celso Antonio Bandeira de Mello, amigo de ambos e um dos patrocinadores da sua indicação. Imediatamente, Ayres Britto associou o que acabara de escutar ao que ouviu de Lula num recente almoço no Palácio da Alvorada. “O ex-presidente me perguntou se eu tinha notícias do Bandeirinha e disse: ‘Qualquer dia a gente toma um vinho’”, contou o ministro a VEJA.

Na mesma quarta-feira, a chegada ao STF de um documento assinado por dez advogados de mensaleiros comprovou que Lula age em parceria com a tropa comandada pelo inevitável Márcio Thomaz Bastos. “Embora nós saibamos disso, é preciso dar mostras a todos de que o Supremo Tribunal Federal não se curva a pressões e não decide ‘com a faca no pescoço’”, diz um trecho desse inverossímil hino à insolência. A expressão foi pinçada da frase dita em 2007 pelo ministro Ricardo Lewandowski, num restaurante em Brasília, depois da sessão que aprovou a abertura do processo do mensalão. Faltou completar a frase do revisor sem pressa: “Todo mundo votou com a faca no pescoço. A tendência era amaciar pro Dirceu”.

O escândalo descoberto há sete anos se arrasta no STF há cinco, mas os dez doutores criticaram “a correria para o julgamento, atiçada pela grita”. Eles resolveram dar lições ao tribunal por estarem “preocupados com a inaudita onda de pressões deflagradas contra a mais alta corte brasileira”. O Brasil decente faz o que pode para manifestar seu inconformismo com o tratamento gentil dispensado pela Justiça a pecadores que dispõem de padrinhos poderosos e advogados que cobram por minuto. São pressões legítimas. Preocupante é o cerco movido a um Poder independente por um ex-chefe do Executivo. Isso não é uma operação política, muito menos uma ação jurídica. É um genuíno caso de polícia.

Se os bacharéis do mensalão efetivamente se preocupam com pressões ilegais, devem redigir outro documento exigindo que Lula aprenda a comportar-se como ex-presidente e pare de agir como comparsa de um bando fora-da-lei.

Comentários

  • ALVESI

    27/05/2012 #1 Author

    … Gente !!!!!! eu não vejo nada de anormal nisso tudo. QUE O LULA É UM MENTIROSO TODO O BRASIL JÁ SABE. Ele se apropriou dos programas sociais do FHC e diz até hoje que foi ele quem criou.
    Mas o fato dele estar tentando influenciar o julgamento do MENSALÃO é absolutamente compreeensível, afinal de contas, ele era o CHEFE DO MENSALÃO e se sente responsável por tudo que aconteceu. Como todos já sabem nada é feito no pt e no governo (inclusive no atual) sem o aval do lula.
    Vocês já pensaram como será o voto dos afilhados do lula, joaquim barboza ( o quinca) e do tóffoli ????????

    Responder

  • maisvalia

    27/05/2012 #2 Author

    Uma coisa é de espantar, a rede deles de 50 cents já é tão grande quanto a chinesa.

    Responder

  • jeronimo

    27/05/2012 #3 Author

    Pannuzio, a que ponto vc chegou. Ter que pegar reportagens de Veja para poder atacar Lula!? Não tô defendendo o ex-presidente, mas entre Lula e a dupla Veja e Mendes, prefiro o Primeiro. lembra-se do grampo sem áudio. Sem falar que a Veja está sangrando em plena rua por ter se associado ao crime organizado. Que credibilidade há nas matérias de Veja?
    Você poderia ser mais honesto e transparente com seus leitores.
    Deixe que seu ranço fique em seegundo plano. Torne-se um jornalista de verdade. Cadê o desmentido do Jobim que vc não postou aqui? E olhe que este não é petista.

    Responder

    • Fábio Pannunzio

      27/05/2012 #4 Author

      Eu não tenho nenhum ranço. A Veja, da minha parte, goza de todo o prestígio. a matéria foi apurada e várias fontes diferentes a confirmaram. Não há dúvida de que houve o encontro. O que o Jobim disse é que o encontro foi casual, quando não foi. É uma negativa meramente formal. E está publicada no Blog.

    • Danilo Albergaria

      27/05/2012 #5 Author

      Fabio, a negativa do Jobim vai muito além da mera formalidade. Ele diz com todas as palavras que o encontro foi apenas em sua sala, a todo momento com sua presença (de Jobim), e que em nenhum momento Lula tocou no assunto do mensalão.

      A matéria foi apurada? Que tipo de conceito de prova ou confirmação existe em sua cabeça?

    • Fábio Pannunzio

      27/05/2012 #6 Author

      A matéria não é minha. A fonte está citada no post. Não compete a mim acreditar em um nem descre do outro. Cada qual pode tirar suas próprias conclusões.

    • Danilo Albergaria

      27/05/2012 #7 Author

      Você afirmou que “a matéria foi apurada e várias fontes independentes a confirmaram”. Se isso não é endossar a matéria, não sei o que é.

    • Fábio Pannunzio

      27/05/2012 #8 Author

      Não adianta me provocar, Danilo. Eu tenho o coro grosso. Vocês, da BESTA, me ensinaram a ter paciência quase infinita.

    • Danilo Albergaria

      28/05/2012 #9 Author

      “Vocês”, quem, cara pálida?

      Não confunda um comentarista crítico com um troll esquerdóide ou direitóide que você encontra às pencas nos blogs dessa guerrinha político-jornalística.

      Agora todo olhar crítico faz parte do outro lado? Olha a maneira ideologizada com que você está tratando a questão. Estou lhe questionando naquilo que percebo estar equivocado. Meu comentário não é provocação. Você afirmou aquilo, mesmo. Por que não banca, justifica ou reconsidera suas afirmações?

      O único blog que frequento, e quase nunca comento, é o do Nassif. E sempre com olhar crítico. Também frequentava, e muito, o do Pedro Dória. Blogs de bons jornalistas me atraem e o seu era um candidato interessante, com um ponto de vista diferente do meu. Mas esse papo de besta e pig me enoja. Gosto de discussão racional e Fla-Flu não é minha praia.

  • Jotavê

    27/05/2012 #10 Author

    Esse é o exemplo típico de um texto intelectualmente desonesto. Por quê? Basicamente, porque ele PARTE DO PRESSUPOSTO de que uma das fontes da revista (no caso, o ministro Gilmar Mendes) está dizendo a verdade, somente a verdade, nada mais que a verdade, enquanto Nélson Jobim e Lula (através de sua assessoria) estão mentindo. Ora, que evidências tem Augusto Nunes para supor que Gilmar Mendes diz a verdade e que tanto Lula quanto Jobim estão mentindo? Nenhuma. Ele não estava lá, não teve acesso a uma gravação da conversa, não tem nem sequer uma declaração em off para embasar sua versão dos fatos. O que Augusto Nunes está fazendo é, então, MENTIR para o leitor. Seu texto afirma o seguinte: “POSSUO ELEMENTOS suficientes para afirmar a vocês que a versão de Gilmar Mendes é verdadeira, e que a versão de Jobim e de Lula (através de sua assessoria) é mentirosa.” Não sei se Lula e Jobim mentiram. Ele, Augusto Nunes, ao afirmar que POSSUI esses elementos, certamente MENTIU.

    “Mas ele não é livre para dar a sua opinião?” No que me diz respeito, ele é livre INCLUSIVE para mentir. Mas, neste caso, não me parece que ele tenha simplesmente “dado uma opinião”. Opiniões são AVALIAÇÕES que fazemos a respeito de determinados FATOS. Elas envolvem juízos de valor. “Lula estava certo ao fazer tal coisa por isto, por isto, por isto.” “Gilmar Mendes está certo em criar esse incidente, mesmo que tenha forçado um pouco a mão, por isto, por isto e por isto.” Aqui, temos uma OPINIÃO. Ela diz respeito aos fatos, refere-se a eles, faz uma avaliação a respeito deles, posiciona-se diante deles. O que Augusto Nunes está fazendo nesse texto publicado pelo Fábio é uma coisa completamente diversa. Ele está CONSTRUINDO fatos a partir de indícios malandramente selecionados. O que conta em seu favor, ele insere na descrição. O que não conta, ele deixa de lado. Isso, eu repito, é de uma desonestidade intelectual flagrante, pois sonega ao leitor uma parte fundamental dos dados sobre os quais cada um de nós (o jornalista, inclusive) deve construir sua própria OPINIÃO.

    É importante que façamos a crítica desse estilo de jornalismo. Ser contra a censura de qualquer tipo (como eu sou) implica necessariamente exercer uma vigilância e uma crítica constantes sobre aquilo que os jornalistas escrevem e o modo como escrevem. Ser contra a censura significa dizer o seguinte ao Estado: “Deixe que NÓS, leitores, façamos a crítica do conteúdo. Vocês não têm que se intrometer nesse jogo.” Essa crítica pode ser feita de maneira passiva, simplesmente selecionando o que lemos ou deixamos de ler, e pode também ser feita de maneira ativa, como estou fazendo agora, dirigindo-me aos leitores do Augusto Nunes e pedindo-lhes que reflitam a respeito daquilo que eles, muitas vezes, lêem como a mais pura expressão da verdade, e que não passa, no fundo, de manipulação ideológica ao velho estilo da imprensa stalinista de esquerda dos tempos da Guerra Fria. Foi utilizando ESSE estilo de jornalismo que, durante décadas, os crimes do stalinismo ficaram encobertos. Escondia-se o que era ruim para a causa, sublinhava-se o que era bom. É errado escrever assim. É muito triste constatar que, em pleno século XXI, o velho estilo da “Voz da Unidade”, da “Hora do Povo”, da “Voz Operária” triunfou.

    Responder

    • bedot

      27/05/2012 #11 Author

      Jobim confirmou ao jornalista Jorge Bastos Moreno que o encontro havia sido pedido por Lula com antecedência. Jobim e a assessoria de Lula (por que não o próprio?) deram versões diferentes para o que foi discutido no encontro, mas não deram detalhes. Foram escorregadios, fugidios, genéricos, sem entrar em detalhes como fez Gilmar Mendes. Além disso, há uma sequência factual que confere verossimilhança à versão de Gilmar: discussão na BESTA tratando exatamente dessa tal viagem a Berlim coincidem com o momento posterior a esse encontro. Ao não obter êxito em seu pleito junto a Gilmar, Lula alimentou seus pitbulls esgotosféricos com a história de Berlim e os botou para atacar o Ministro na rede. Não é segredo prá ninguém que Lula e os petistas querem usar a CPI p/ constranger adversários políticos, imprensa, PGR e qualquer autoridade não alinhada ao PT, como é o caso de Gilmar Mendes. O que surpreende é a desenvoltura de Lula, tão escancaradamente ousada que só pode nos levar a uma conclusão: é ele quem está sendo chantageado pelos mensaleiros e teme que abram demais a boca caso se confirmem suas prováveis condenações.

    • Jotavê

      27/05/2012 #12 Author

      Essa é uma possibilidade. Uma outra, igualmente plausível, é que Gilmar Mendes e a revista Veja tenham se unido para criar um fato político que lhes permita sair da defensiva. Mendes é de Goiás, esteve sempre muito próximo de Demóstenes Torres, e seu “personal araponga” era um destacado membro da quadrilha de Carlinhos Cachoeira. Pode não querer dizer nada? Pode. Mas também pode querer dizer tudo. Ninguém – nem eu, nem você, nem Augusto Nunes sabem exatamente o que aconteceu nesse episódio. Apesar disso, ele alega saber. Está mentindo. Não sabe. Só “acha”. Ou “torce”. O tom em que ele escreve é intelectualmente desonesto.

    • Danilo Albergaria

      27/05/2012 #13 Author

      Não adianta, Jotavê. Quando a pessoa tá vendo o mundo com lentes ideológicas fundo-de-garrafa, não há racionalidade suficiente pra mostrar que ele pode estar engolindo besteira.

  • regina cintra

    27/05/2012 #14 Author

    Exigir que Lulla se comporte com lisura e ética, dentro dos princípios legais, é uma Missão Completamente Impossível. Ele favoreceu o caldo de cultura da corrupção nesse país a níveis nunca vistos ou imagináveis. Lulla foi o grande demolidor de todos os valores e posturas de comportamento nesses 8 anos de governo aos quais a pupila Dilma aderiu ,embora procure disfarçar sem convencer muito, diga-se de passagem.

    Responder

  • Bruno Amaro

    27/05/2012 #15 Author

    Essa noticia é velha, já foi desmentida, próxima…

    Responder

    • Fábio Pannunzio

      27/05/2012 #16 Author

      É nova e foi também confirmada. Você pode ficar com a versão mais conveniente, mas a notícia existe e está aí.

    • Danilo Albergaria

      27/05/2012 #17 Author

      Fabio, com todo o respeito, sua lógica está furada.

      A notícia está confirmada?

      O que foi confirmado? Que Lula chantageou Gilmar Mendes? Que “evidência” favorável a essa versão temos? O testemunho do próprio Mendes.

      Logo, está confirmado que Lula chantageou Mendes?

    • Fábio Pannunzio

      27/05/2012 #18 Author

      Isso se chama sofisma. É um problema de lógica argumentativa. Uma pegadinha, nada mais.

    • Danilo Albergaria

      27/05/2012 #19 Author

      No comentário anterior, por “confirmada” você está se referindo à existência da notícia em si ou àquilo que ela relata?

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *