MELCHIADES FILHO Márcio Thomaz Bastos era o ministro da Justiça quando a Polícia Federal, a ele subordinada, concluiu em relatório, após meses de diligências...

MELCHIADES FILHO

Márcio Thomaz Bastos era o ministro da Justiça quando a Polícia Federal, a ele subordinada, concluiu em relatório, após meses de diligências e escutas, que Carlinhos Cachoeira comandava uma rede de políticos e arapongas a fim de fraudar contratos públicos e proteger casas clandestinas de jogo.

Hoje, MTB é advogado do bicheiro. Busca livrá-lo do inquérito da PF e conter seu eventual ímpeto de falar.

Márcio Thomaz Bastos era ministro da Justiça, também, quando pintou a versão de que o mensalão não passara de um caso corriqueiro de caixa dois eleitoral. A PF já coletava provas de que os mensaleiros drenaram os cofres públicos para comprar apoio político ao governo Lula. Houve dano ao erário (R$ 92 milhões do Banco do Brasil), e não mera manipulação de “recursos não contabilizados” de campanha.

Hoje, MTB advoga para o ex-diretor de um dos bancos que, segundo a PF, ajudou a esquentar o dinheiro desviado. Empenha-se para, no mínimo, adiar o julgamento no STF.

No tribunal e no Congresso, é generalizada a percepção de que o ex-ministro não cuida apenas do interesse de seus clientes, influindo sobre a estratégia de todos os réus do mensalão e do Cachoeiragate.

Tão enganadora quanto a discussão em torno da periodicidade do mensalão -se não foram mensais, os pagamentos “não existiram”- é a atual ladainha em torno do -óbvio- direito a defesa de Cachoeira, Dirceu, Demóstenes, Delúbio & Cia.

A anomalia reside no papel dúbio de MTB. Lidera a polícia para, mais tarde, socorrer os incriminados. Numa hora, age para recuperar o dinheiro pilhado do governo; noutra, é a pessoa a receber parte dele na forma de honorários (só de Cachoeira, serão R$ 15 milhões).

O ex-ministro se diz movido por “desafios”, deixando a Deus “julgamentos morais”. Sua conduta, porém, desafia o bom senso e abala a crença na polícia “republicana”.

Beba na fonte: Folha de S.Paulo – Opinião – A defesa é o melhor ataque – 28/05/2012.

Comentários

  • RAFAEL D’AMICO

    28/05/2012 #1 Author

    É UMA LAMBANÇA SÓ , ATÉ QUANDO ?
    Agora são os três porquinhos.
    Logo serão 4 , 5 , 6 …
    SÃO TRÊS PODERES.
    Agora acabo de criar uma nova palavra “PRODERES”
    PRODERES : são os três poderes PODRES.

    Responder

  • Antiético.

    28/05/2012 #2 Author

    Bem lembrado. É, no mínimo, antiética a conduta do causídico e que, por todo este passado, tem livre trânsito pelas “alas alaidadas, digo, aliadas”

    Responder

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *