ANDREZA MATAIS, ERICH DECAT E RUBENS VALENTE Um racha na base aliada fez com que a CPI do Cachoeira aprovasse ontem a convocação dos governadores Marconi...

ANDREZA MATAIS, ERICH DECAT E RUBENS VALENTE

Um racha na base aliada fez com que a CPI do Cachoeira aprovasse ontem a convocação dos governadores Marconi Perillo (PSDB-GO) e Agnelo Queiroz (PT-DF). Já o pedido para ouvir Sérgio Cabral (PMDB-RJ) foi rejeitado.

O PMDB, aliado do PT, articulou os 16 votos pela convocação de Agnelo, com o apoio de PP, PR PSC, PSB, PDT e da oposição. Doze parlamentares votaram contra. O depoimento de Perillo foi aprovado por unanimidade.

A CPI não marcou data para ouvir os governadores.

Segundo a Polícia Federal, Perillo recebeu R$ 1,4 milhão de Carlinhos Cachoeira pela venda de uma casa e nomeou funcionários a pedido do empresário, preso sob a acusação de comandar um esquema de jogo ilegal.

Agnelo, diz a PF, também teve assessores corrompidos pelo grupo de Cachoeira. Tanto o petista quanto o tucano negam irregularidades.

A ação do PMDB foi interpretada no PT como um troco pelo fato de o partido ter apoiado a ampliação da quebra dos sigilos fiscal e bancário da Delta.

A empreiteira é suspeita de se beneficiar da relação de um de seus diretores com Cachoeira. Vários políticos do PMDB são próximos a Fernando Cavendish, presidente licenciado da Delta.

CABRAL

No caso do governador do Rio, foram 17 votos contrários à sua convocação e 11 favoráveis. Os tucanos deram três dos seus cinco votos contra, atendendo a um apelo do senador Aécio Neves (PSDB-MG). PT e PMDB votaram fechados para blindar o governador. Cabral teve sua relação com Cavendish exposta em fotos tiradas em Paris.

O deputado Cândido Vaccarezza (PT-SP), flagrado há alguns dias mandando torpedo para Cabral no qual disse “você é nosso e nós somos teu”, se ausentou na votação.

No final, o relator, Odair Cunha (PT-MG), justificou as decisões da CPI. “Há indícios mais contundentes no que diz respeito aos dois governadores [Agnelo e Perillo]. É claro que há nível diferente de envolvimento com a organização criminosa. O governador Perillo é muito mais evidente. O Agnelo é menos”.

A CPI também aprovou ontem a quebra dos sigilos fiscal, bancário, telefônico e dos emails de uma empresa que tem entre seus sócios o advogado Antonio Carlos de Almeida Castro, o Kakay, que defende dois investigados pela comissão: Perillo e o senador Demóstenes Torres (ex-DEM-GO).

Trata-se da Data Traffic, que recebeu R$ 30 milhões do governo entre 2010 e 2012 em contratos com o DNIT (Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes).

Em diálogos interceptados pela PF, a empresa foi citada várias vezes por integrantes do esquema de Cachoeira.

A CPI ainda aprovou a quebra dos sigilos bancário, fiscal, telefônico e do e-mail do senador Demóstenes Torres desde 2002.

Beba na fonte: Folha de S.Paulo – Poder – CPI convoca Perillo e Agnelo, mas poupa governador do RJ – 31/05/2012.

Comentários


Sem comentários ainda.

Comente!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *