ntelectuais ligados ao PT silenciaram ontem sobre a aliança com o deputado Paulo Maluf (PP-SP) na eleição paulistana e as críticas que culminaram com...

ntelectuais ligados ao PT silenciaram ontem sobre a aliança com o deputado Paulo Maluf (PP-SP) na eleição paulistana e as críticas que culminaram com a saída de Luiza Erundina da vice na chapa de Fernando Haddad.

Secretária da gestão Erundina na prefeitura (1989-1992), a filósofa Marilena Chauí se negou a falar: “Não vou dar entrevista, meu bem. Não acho nada [da aliança]. Nadinha. Até logo”.

Também egresso da equipe de Erundina e hoje no governo federal, o economista Paul Singer defendeu a candidatura de Haddad, mas disse que não se manifestaria sobre o apoio de Maluf.

“Não tenho interesse em tornar pública qualquer opinião. Vai ficar entre mim e mim mesmo”, afirmou.

Também não quiseram fazer comentários os intelectuais Antonio Cândido, Gabriel Cohn e Eugênio Bucci.

Já o sociólogo Emir Sader, da Uerj (Universidade do Estado do Rio de Janeiro), disse não ver novidade no apoio, uma vez que o PP é da base aliada federal.

“O fundamental é derrotar a ‘tucanalha’ em São Paulo. Eu posso gostar ou não do Maluf, mas vou fazer campanha para o Haddad do mesmo jeito”, disse.

No Twitter, ele criticou a saída da deputada do PSB da chapa: “A Erundina sabia do apoio do Maluf quando aceitou ser candidata a vice. Então, por que aceitou?”

Beba na fonte: Folha de S.Paulo – Poder – Intelectuais ligados a PT se calam sobre aliança – 20/06/2012.

Comentários

  • Candango

    21/06/2012 #1 Author

    A exceção, como sempre, ficou por conta do Rudá Ricci, que publicou em seu blog um excelente artigo:

    “Erundina, a última petista”

    “Erundina deixou todos petistas constrangidos. Fez o que qualquer petista histórico faria. O PT dos anos 1980, não este pragmático, sem cor, sem cheiro, sem forma. Praticamente matou a candidatura de Haddad. Só uma reviravolta para colocar a militância engajada (da zona leste e sul) na rua.
    Os pragmáticos, do PT e PSB, estão furiosos e jogam a culpa na escolha do nome da ex-prefeita. Não se importam com programa ou ideologia. Se importam com vitória, com cálculo de votos. Assim, pautados pela popularidade, se tornam conservadores, fiéis escudeiros do status quo, justamente porque não querem mudanças fundamentais, mas apenas se tornarem populares. Um atalho para a construção da hegemonia gramsciana. Em Gramsci, havia diálogo e costura de múltiplos interesses. Mas o pragmatismo petista de hoje é rebaixado. Não procura costurar interesses a partir de um programa. Faz o contrário: constrói seu programa a partir do cálculo de força eleitoral. Cede. Se rebaixa. Na verdade, não se preocupa com programa algum. Eleito, administra e sai a cata de programas que tenham algum sentido estatal-desenvolvimentista, o que sobrou do modo petista de governar. Aquele modo petista, mesmo difuso e confuso, tinha uma inspiração de transformação social, plasmada no slogan “inversão de prioridades”. O participacionismo, outra marca do início dos governos petistas, foi abruptamente abandonado. O motivo parece óbvio: não há como abrir a participação dos de baixo se os cálculos eleitorais exigem acordos com as elites coronelistas de sempre.
    Erundina é a última petista. O que deve incomodar profundamente os caciques do PSB e do PT.”

    http://rudaricci.blogspot.com.br/

    Responder

    • Fábio Pannunzio

      21/06/2012 #2 Author

      Obrigado pela sugestão . Acabo de postar no blog.

  • Big Head

    20/06/2012 #3 Author

    E pensar que boa parte desses “intelectuais”, que não passam de meros apparatchiks do PT, outro dia participou de um evento premonitório intitulado “O Silêncio dos Intelectuais” (http://www.cultura.gov.br/site/2005/08/12/o-silencio-dos-intelectuais-2/). Ah, antes que me esqueça, o evento foi pago com nosso dinheiro, ófi córsi, pois até para ficar calada essa gente não larga a boquinha.

    Responder

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *