No Blog do João Bosco Rabelo O PT reforçou a bancada na CPI do Cachoeira, substituindo o deputado Sibá Machado (AC) pelo presidente da...

No Blog do João Bosco Rabelo

O PT reforçou a bancada na CPI do Cachoeira, substituindo o deputado Sibá Machado (AC) pelo presidente da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), deputado Ricardo Berzoini (SP). Berzoini é ex-presidente do PT, integrante do Diretório Nacional e um dos nomes de projeção da legenda.
Na direção contrária, o PMDB mantém a bancada esvaziada na comissão. O líder do PMDB, senador Renan Calheiros (AL), segue indiferente aos apelos do governo para preencher, com pesos pesados, as quatro vagas de suplentes na comissão. Até agora, o único indicado é o senador Benedito de Lira (PP-AL), aliado de Renan.
Desde o início dos trabalhos, chamou a atenção o fato de que os petistas escalaram seus principais atacantes para o jogo, enquanto os peemedebistas entraram em campo com o time reserva.
Agora o PT receia uma ofensiva do presidente da CPI, senador Vital do Rêgo Filho (PMDB-PB), por causa da disputa em Campina Grande, na Paraíba, reduto eleitoral da família dele. Os petistas romperam a aliança de oito anos com o PMDB no município – o segundo maior e pólo econômico do Estado – e decidiram apoiar Daniella Ribeiro (PP), que é irmã do ministro das Cidades, Aguinaldo Ribeiro (PP). A atuação do ministro foi decisiva para levar o PP – e seu tempo de TV – para a coligação de apoio a Fernando Haddad em São Paulo.
O PT atua na CPI com seus principais atacantes: os deputados Candido Vaccarezza (SP), Paulo Teixeira (SP), e Odair Cunha (MG). Vaccarezza foi líder do governo, Teixeira foi líder da bancada e assumiu a vice-presidência da CPI. Cunha é vice-líder do governo e relator dos trabalhos. Agora entrou Berzoini, reforçando o time.
Pelo Senado, o PT escalou o líder do governo no Congresso, José Pimentel (CE), o ex-líder da bancada Humberto Costa – que também é relator do processo contra Demóstenes Torres (GO) no Conselho de Ética – o atual líder da bancada, Walter Pinheiro (BA), e Delcídio Amaral (MS), que foi presidente da CPI dos Correios.
Em contrapartida, nenhum dos caciques do PMDB compõe a CPI. Pelo Senado, Renan Calheiros escalou Ciro Nogueira (PP-PI, pelo bloco PMDB-PP-PV), e dois suplentes, Paulo Davim (PV-RN) e Sérgio Souza (PMDB-PR). Souza é suplente da ministra-chefe da Casa Civil, Gleisi Hoffmann (PT-PR). O destaque são os “emergentes”, Vital do Rêgo Filho, que preside a comissão, e Ricardo Ferraço (PMDB-ES). Pela Câmara, atuam Luiz Pitiman (PMDB-DF) e Iris de Araújo (PMDB-GO), que é adversária política de um dos alvos da investigação, o governador de Goiás, Marconi Perillo (PSDB).

Beba na fonte: PT reforça tropa de choque na CPI e PMDB esvazia bancada – João Bosco – Estadao.com.br.

Comentários

  • strupicio

    27/06/2012 #1 Author

    sou mais o Cirque du Soleil…é igualmente chato mas não fica ocupando todos os canais de TV todo o tempo..

    Responder

  • MarceloF

    26/06/2012 #2 Author

    É bom mesmo achar alguma coisa pro Berzoini fazer enquanto ele não é chamado para responder pelas falcatruas da Bancoop. Dê uma olhada no editorial do Estadão de hoje. Um vergonha, como diria o Bóris.
    Sds.,
    de MarceloF.

    Responder

  • Joao Florentino DaSilva

    26/06/2012 #3 Author

    Noticias desse tipo ja estao alem do “asco” que causam, enquanto em paises onde existe ainda um minimo de decencia e senso de vergonha, pessoas com um minimo de contato ou convivencia com envolvidos nos problemas em questao ou com contatos havidos de alguma forma com os mesmo, sao afastadas de comissoes e de julgamentos para que haja transparencia e confiabilidade nas decisoes a serem tomadas. No Brasil, na contramao da honestidade coloca-se sempre, a raposa para cuidar das galinhas. Isso continua dando nojo, mas ja nao ha mais o que vomitar.

    Responder

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *