VERA MAGALHÃES O ministro Ricardo Lewandowski negou que tenha apressado a devolução do processo do mensalão por conta das pressões internas para que fossem...

VERA MAGALHÃES

O ministro Ricardo Lewandowski negou que tenha apressado a devolução do processo do mensalão por conta das pressões internas para que fossem cumpridos os prazos que permitissem o início do julgamento em 1º de agosto. Ele afirmou que seria “legítimo” entregar os autos até sexta-feira, data definida em sessão administrativa do Supremo Tribunal Federal.

“Teria em tese essa permissão, pela própria decisão do plenário, mas conheço os prazos processuais como ninguém, e, para viabilizar o cronograma que o plenário definiu achei que hoje seria o dia para liberar o processo para a pauta”, disse à Folha.

Ele disse ter “estranhado” a decisão do presidente da corte, Carlos Ayres Britto, de não lançar uma edição extraordinária da versão eletrônica do “Diário da Justiça” – procedimento que chamou de “corriqueiro”- que permitisse que os prazos corressem e o início do julgamento fosse no dia antes estabelecido.

De acordo com ele, as edições extras podem circular até as 23h, o que permitiria a publicação. “Pela minha vontade e pelas providências que tomei em tempo hábil, poderia haver a publicação.”

Segundo ele, tão logo devolveu os autos recebeu ofício de Britto para que fizesse “urgentemente” o andamento “correto” da ação, no sistema informatizado da corte.

Ele disse que teve um problema para lançar o andamento da ação, mas que isso foi concluído no fim da tarde.

Lewandowski e Britto travam uma queda de braço nos últimos dias, por meio de ofícios e de entrevistas. O presidente do STF cobrou publicamente do ministro revisor pressa na devolução dos autos para que pudessem ser cumpridos os ritos processuais a tempo de iniciar o julgamento na data fixada.

O ministro revisor disse que é um “relógio” em termos de cumprimento de prazos, e que seu gabinete é o mais atento aos ritos processuais.

Beba na fonte: Folha de S.Paulo – Poder – Ministro nega ter adiantado voto por pressão – 27/06/2012.

Comentários


Sem comentários ainda.

Comente!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *