Por Francisco Câmpera Fala-se muito das diferenças dos principais partidos brasileiros, o PT e o PSDB, mas comenta-se pouco sobre as semelhanças. Começa da...

Por Francisco Câmpera

Fala-se muito das diferenças dos principais partidos brasileiros, o PT e o PSDB, mas comenta-se pouco sobre as semelhanças. Começa da origem de cada um. Os seus supremos líderes lutaram contra a ditadura militar. Lula liderando as greves das indústrias no ABC e Mário Covas e Franco Montoro, já falecidos, juntos com Fernando Henrique Cardoso marcaram trincheira no PMDB. Lula criou o PT e o trio lançou o PSDB. O projeto de ambos era chegar ao poder.

Os tucanos foram mais ágeis e espertos, os líderes eram mais experientes e pragmáticos. Covas procurou se diferenciar em 1989, quando era candidato à presidente, com o discurso intitulado “Choque do Capitalismo”. O objetivo era conquistar a classe média e afastar a imagem de esquerdista que ele tinha. Lula fez o mesmo com a “Carta Aberta aos brasileiros”, divulgada antes das vitoriosas eleições de 2002.

Os dois partidos tiveram sucesso ao chegar ao topo do poder. FHC consolidou o Real; organizou o Estado ao criar leis como a de Responsabilidade Fiscal; modernizou órgãos vitais como a Receita Federal, cada vez mais eficiente para arrecadar os altos impostos. Apesar das polêmicas privatizações, mais parecidas com doações, a economia ficou mais forte e dinâmica. E por fim criou os programas sociais que depois mudaram de nome no governo Lula, como o Bolsa Família. Lula não ficou para trás, pelo contrário, o sucesso foi ainda maior. Primeiro teve a coragem de dar continuidade à linha econômica, contra tudo o pregava antes, assim como FHC pediu para esquecer o que escreveu. Na área social reduziu a pobreza a tal ponto de ser reconhecido internacionalmente por entidades importantes como a ONU.

Se nos méritos os partidos se diferenciam mais em relação às prioridades, aproximam-se nos vícios do poder. Cada um tem a presunção da verdade e não gostam de ser criticados, algo tão natural e saudável na democracia. Quando isso acontece, costumam atacar a imprensa e instituições que ousam apontar os defeitos.

O pior e que não difere um milímetro um do outro são os financiamentos de campanha. Nisso eles são igualzinhos, idem, cara-metade, espelho, alma gêmea…Basta ver a declaração de doações das campanhas. Os principais financiadores são idênticos, destacando-se os bancos, construtoras, e grandes empresas que têm negócios com o Estado. Vejam que as mega empreiteiras nunca foram colocadas para fora das obras do governo quando explodiram escandâlos, mas a novata Delta logo foi defenestrada. O lastro político dela é menor do que as demais. A cara de pau da CPI do Cachoeira foi tão grande que dono da Delta sequer foi convocado. A CPI malogrou porque bateu à porta de vários partidos.

A semelhança entre o PT e PSDB é tanta que até as maracutaias se parecem. Os programas para salvar os bancos de ambos governos são nebulosos. Os petistas atacaram o Proer de FHC, que gastou bilhões para salvar os bancos.

Agora sob a gestão petista a salvação dos bancos ficou mais sofisticada; está acontecendo por meio do FGC – O Fundo Garantidor de Crédito, sob o argumento que o dinheiro vem de um fundo administrado pelos bancos privados. Assim o Panamericano e outros bancos pequenos e médios foram socorridos pelo fundo, como o Matone, comprado por outro banco; o Original, pertencente ao JBS, que por sua vez recebeu dinheiro do BNDES, para virar líder global no ramo frigorífico. No mercado financeiro afirma-se abertamente que estes bancos não valem nem a metade do valor que foram vendidos com respaldo do FGC e do governo.

Nunca na história deste país” os banqueiros lucraram tanto, portanto, o FGC não iria contrariar os “cabeças” desta solução mágica. Quando os detalhes desta nebulosa história vierem à tona, talvez o PROER vai virar fichinha.

Os petistas respondem pelo mensalão, assim como os tucanos têm o seu em Minas, inexplicável do mesmo jeito. No governo FHC também houve a comprovação da compra de votos para o Congresso aprovar a reeleição. Na época a Folha contou o que aconteceu, numa premiada reportagem do jornalista Fernando Rodrigues, mas o PSDB até hoje não deu explicações convincentes. FHC assim como Lula não sabia de nada.

As alianças dos nobres tucanos sociais-democratas (como gostam de ser chamados) e os revolucionários petistas (eles adoram este rótulo) também são difíceis de convencer. Basta dizer que o PFL velho de guerra e de escândalos continua firme com o PSDB e até o Maluf conseguiu fazer Lula malufar.

Idiotas somos nós que ainda discutimos quem é melhor: petistas ou tucanos. Não se trata apenas do jogo eleitoral para levantar recursos. A questão é grana, o dinheiro não tem partido! Os nobres se aproveitam deste jogo para enriquecer e assim atrasam o progresso do Brasil e promovem a miséria de milhões de pessoas. Com tanta corrupção o país nunca vai se tornar uma verdadeira potência.

Os tucanos e petistas decentes que ainda restam deveriam sim se unir, porque apesar dos defeitos, os dois partidos talvez sejam os menos piores. Separados eles dependem do partidecos de aluguel, de Malufes da vida, e o mostrengo Frankestein do PMDB, sigla que reúne feudos onde ninguém manda e todos querem ganhar. Mas isso parece impossível porque os dois partidos disputam o mesmo espaço de poder. Como se vê, PT e PSDB têm tudo a ver, mas nada a ver com você eleitor.

Francisco Câmpera, jornalista, trabalha na Tv Band

Comentários

  • Fábio

    03/07/2012 #1 Author

    Mto feliz o artigo, e mto triste os comentários. É ridículo minimizar a corrupção tucana q devastou o patrimônio nacional, e q se estendeu pelo governo petista. Governo este q mostrou resultados sociais e econômicos infinitamente superiores aos das gestões anteriores tucanas. A ilusão em cima dessa dicotomia PSDB e PT impede essa “nata” bem informada da população de ver o q realmente mina QUALQUER governo (e qqr Poder, inclusive) q chegue seja em Brasília, seja em qqr cidadezinha do interior brasileiro: o sistema político corrompido. E essa situação precede a existência de PT ou PSDB!

    Responder

  • Cássio

    03/07/2012 #2 Author

    Francisco Câmpera, o senhor está tentando limpar a barra do PT. Dizer que o mensalão mineiro (digamos, algo “estadual”) é igual ao mensalão petista (“federal”) é fácil, o difícil é apresentar comparações (fica o desafio). E dizer que o PROER (PSDB) é o mesmo que comprar uma rede de TV-SBT (PT), me desculpe, mas é coisa de petralha. Não engana a todos, como vê. Seu artigo tem nada de consistência. Falar mal do Lula, mas primeiro forrando o chão botando defeito no FHC é fácil. Tente fazer isso deixando um ou outro de lado, por cada vez, e eu compartilharei os textos (fica o desafio).

    Responder

  • Luciano

    02/07/2012 #3 Author

    O PT ao contrário do PSDB, não consegue conviver bem com a democracia. O partido mantém até hoje a mesma concepção autoritária daqueles que pegaram em armas para aqui implantar uma ditadura comunistas nos anos 60 e 70. Se pudessem agiriam como Hugo Chavez que mantém sob seu controle todas instituições venezuelanas sob seu controle. Não é por acaso que o tirano Fidel Castro é o eterno guru dessa gente.

    Responder

  • Maria

    02/07/2012 #4 Author

    Querer comparar PT com PSDB é forçar a mão. A única coisa que o PT produz, é escandalo, dia sim e dia também.

    Responder

  • PT, PCC e Eleição

    02/07/2012 #5 Author

    … Hei !!!! Parem com isso. Esse papo de equiparar petê com PSDB é coisa de PETRALHA tentando minimizar o MENSALÃO.
    Aqui em São Paulo administração do pt e do PSDB é como agua e vinho.
    Alguém aí já viu o PSDB estimular invasão de terras pelo MST ? Já viu o PSDB manipular sindicato de professores para atacar governos adversários ? Já viu o PSDB usar os movimentos sociais como massa de manobra para tirar proveito político ? Já viu o PSDB se aliando e apoiando DITADORES ???????????

    Responder

  • marcjaguar

    02/07/2012 #6 Author

    Tambem vejo varias semelhancas entre o PTe o PSDB (o PSDB atual, pelo menos tem muito trambiqueiro e oportunista, tipo Aecio Neves et caterva).
    Eu diria que o PSDB atual eh o PT com diploma de curso superior. 🙂

    Responder

  • pinna

    02/07/2012 #7 Author

    Pois é, né ?
    Daí que, se pudesse votar em São Paulo, votaria em Francine… ” a lídima representante da Nação Corinthiana”.
    Tá, eu sei… não existe ex-anão… mas que eu votava nela, votava.

    Responder

  • Lucas

    02/07/2012 #8 Author

    É, parece que o reinado do PT está mesmo chegando ao fim.
    O desespero já começa a bater, e estão buscando uma saída.
    Até uma união com o PSDB…

    Responder

  • Rodrigo

    02/07/2012 #9 Author

    Eu ia comentar que o texto nivela os dois por baixo, e isso só é bom para quem está por baixo de verdade (na minha opinião o PT). Mas já comentaram isso, e muito melhor do que eu.

    Então eu queria só que me esclarecessem um único trecho: “FHC pediu para esquecer o que escreveu”. Alguém aí pode me dar, ao menos, uma pista de quando e/ou onde isso aconteceu? Eu sempre vejo isso em todo lado, mas nunca consegui chegar à origem disso… se foi um discurso, uma entrevista, uma conversa, um prefácio, um artigo… sei lá… alguém deve ter uma pista.

    Responder

  • MarceloF

    02/07/2012 #12 Author

    Artigo superficial. Resume tudo numa espécie de fla-flu da política nacional. Como se só existissem petistas e tucanos no planeta. Acho mesmo que está na hora de deixar essa turma toda de esquerda de lado, e abrir caminhos para propostas mais centristas, ou de centro-direita, liberais e democráticas.
    Sds.,
    de MarceloF.

    Responder

  • Mario

    02/07/2012 #13 Author

    De fato, os dois partidos têm algumas semelhanças em seus programas sócio-econômicos e na prática de corrupção(embora o Mensalão tenha sido muito mais grave que o que aconteceu em Minas), mas o PSDB nunca traiu o país deliberadamente. Nunca vi tucanos reunindo-se com agentes internacionais para estabelecer a censura. No mês passado, Valter Pomar, dirigente do PT e secretário executivo do Foro de São Paulo, entregou ao Foro um documento em que seu partido compromete-se em lutar no Brasil para que sejam estabelecidas práticas autoritárias, como a censura. Vejamos passagem do documento:

    “El nuevo Marco Regulatorio debe
    crear un entorno económico más equilibrado,
    en el cual la diversidad cultural
    sea entendida como derecho, y el Estado
    intervenga en la preservación del interés
    público.”

    Quer dizer, um partido brasileiro, que dever proteger a Constituição, compromete-se em destrui-la. Quem sabe disso não se surpreende quando governantes de esquerda, contrariando os respectivos interesses nacionais e do Mercosul, tentam sabotar as instituições do Paraguai.

    Fonte:

    http://forodesaopaulo.org/?p=1390

    Mario.

    Responder

  • Marcelo G

    02/07/2012 #14 Author

    Desculpa, mas colocar todo mundo no mesmo saco é a estratégia mais velha da política. Comparar Mario Covas e Franco Montoro ao sindicalista pelego, que tomava whisky com o patrão para negociar o fim da greve é brincadeira!!
    O texto todo é um engodo, uma farsa que nivela pessoas e partidos bastante diferentes.

    Responder

  • Sadan Luizão

    02/07/2012 #15 Author

    Embora não citado existem diferenças acadêmicas e bem posicionadas, enquanto o PROER tinha como pano de fundo a defesa dos correntistas, e por extensão o sistema financeiro e a credibilidade bancária brasileira, o FGC por seu lado tem apenas o vies de proteção das instituições bancárias as custas dos bancos estatais, que são obrigados a incorporar em seu patrimônio papéis podres e instituições que desprezaram os riscos. É duro os ratos toamrem conta das ratoeiras!

    Responder

  • Sol

    02/07/2012 #16 Author

    Além de tudo que já foi dito, há uma diferença monumental! O PSDB teve e tem várias lideranças de destaque no âmbito nacional. O PT só tem o Lula, sem ele o partido desaparece. O PSDB existe por ele próprio, já se foram Montoro e Covas e o PSDB continua e continuará a existir.

    Responder

  • sergio

    02/07/2012 #17 Author

    Ótimo texto, com um reparo, pelo menos. O PROER ,feito pelos tucanos e com o PT contra, não salvou nenhum banco.Salvou sim os correntistas. Os bancos “salvos” quebraram e seus diretores respondem a processos até hoje.Economico,Bamerindus , Nacional, este do genro do FHC, fecharam suas portas e os processos estão por aí.
    Já o “método” petralha, ao contrário, salvou o Votorantim,o Panamericano e seus acionistas e diretores, além do correntista.
    A diferença é brutal. E não foi com o FGC , foi em ambos os casos com dinheiro do BB ou CEF, que foram obrigados a comprar posição acionária no primeiro momento.Depois entrou o FGC.

    Responder

  • Shlomo

    02/07/2012 #18 Author

    Comentário NO MÍNIMO contraditório. Como ele mesmo falou, o PSDB não teve projeto de poder, e sim de governo, de nação. Fez o Plano Real, a Lei de Responsabilidade Fiscal, dinamizou a economia, controlou a inflação e modernizou as instituições, como as Agências Reguladores, RF e etc. E ainda iniciou os programas sociais.

    Aí veio o Lula, enganou a todos com aquele discurso de ética, e roubou os programas sociais. Não se dignou nem a deixar o nome antigo. Teve a sorte de ter uma China bombando, e aumentou os gastos. Mas a saúde continuou uma porcaria, a educação a mesma miséria, as instituições aos frangalhos. E ainda tentou comprar o Congresso (conseguiu por algum tempo). QUAIS REFORMAS O PAI DO MENSALÃO FEZ? Nenhuma. Não tinha projeto de governo, mas sim de poder!

    Longe de querer defender o PSDB, que devia se defender sozinho, mas compará-lo ao PT é demais. O PT é um partido mafioso por natureza. Poucos lá continuam com a imagem imaculada. A começar por Lula e sua bilionária família.

    Responder

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *