O ministro das Relações Exteriores do Uruguai, Luis Almagro, afirmou que seu país era contrário ao ingresso da Venezuela no Mercosul e que ele...

O ministro das Relações Exteriores do Uruguai, Luis Almagro, afirmou que seu país era contrário ao ingresso da Venezuela no Mercosul e que ele só foi aprovado pela intervenção da presidente brasileira, Dilma Rousseff.

Segundo a imprensa uruguaia, não só Almagro como o chanceler brasileiro, Antonio Patriota, se opuseram na reunião da semana passada em Mendoza (Argentina) à entrada da Venezuela. O argentino Héctor Timerman teria defendido a proposta.

O ingresso da Venezuela no bloco foi possível por causa da suspensão do Paraguai -que decretou o impeachment de Fernando Lugo na semana retrasada.

“Isso [entrada da Venezuela] foi resolvido em uma reunião fechada dos presidentes [Dilma, Cristina Kirchner e José Mujica]. Dilma disse que precisava falar politicamente com os outros dois, e os chanceleres saíram da sala. Dessa reunião saiu a decisão”, disse o ministro.

“A iniciativa foi mais brasileira, a posição do Brasil foi decisiva nessa história”, afirmou Almagro, que disse não saber o que foi negociado.

Patriota disse, via assessoria, que o governo brasileiro foi favorável à entrada da Venezuela durante todo o debate em Mendoza.

Ele ressaltou que o Brasil apenas acatou uma ponderação do Uruguai, expressa na reunião de chanceleres: a de que a decisão do ingresso precisava de um respaldo jurídico sólido, como forma de evitar questionamentos futuros.

Por isso a decisão de Dilma de convocar o advogado-geral da União, Luis Inácio Adams, para a cúpula.

Segundo Patriota, as posições defendidas por chanceleres (na véspera da cúpula) e pelos presidentes(na última sexta) foram consensuais, sem votação. De acordo com ele, nenhum dos países, nem o Uruguai, apresentou questionamentos à entrada do novo sócio permanente.

O assessor especial da Presidência para assuntos internacionais, Marco Aurélio Garcia, disse que não houve pressão do governo. “Isso não corresponde ao estilo da política externa brasileira e menos ainda da presidente Dilma.”

O Planalto avaliza a versão de Patriota e diz que as declarações do chanceler uruguaio miravam o “público interno” -ou seja, o Congresso e os setores empresariais do país que não veem a Venezuela de Chávez com bons olhos.

O chanceler uruguaio havia manifestado publicamente antes do encontro ser contra o ingresso da Venezuela enquanto o Paraguai estiver suspenso do bloco -até a eleição presidencial em 2013.

Beba na fonte: Folha de S.Paulo – Mundo – Venezuela entrou graças a Brasil, diz Uruguai – 03/07/2012.

Comentários

  • Rosaly Correa da Silva

    03/07/2012 #1 Author

    É estranho que esses Países, inclusive o Brasil impuseram sanções ao Paraguai por considerarem golpe e anti democrática a saída do ex-presidente Lugo e agora aprovam a entrada de um ditador.

    Responder

  • MarceloF

    03/07/2012 #2 Author

    Uma vergonha a atitude do governo Dilma no caso do Paraguai.
    Mas o Uruguai precisa definir a que veio. Foi Mujica o maior defensor da entrada da Venezuela no bloco. E agora o seu chanceler vem dizer que era contra, neste momento. Curioso. Acho que é um discurso duplo, um para uso interno (supositório?) e outro para o público do exterior. Uma no cravo e outra na ferradura – evita mágoas posteriores.
    Sds.,
    de MarceloF.

    Responder

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *