Um vídeo registrado por um membro de uma ONG na cidade de Hebrón, na Cisjordânia, gera uma forte polêmica na imprensa de Israel...

 

Um vídeo registrado por um membro de uma ONG na cidade de Hebrón, na Cisjordânia, gera uma forte polêmica na imprensa de Israel e entre entidades de defesa dos direitos humanos. Nas imagens, feitas na semana passada, dois soldados israelenses agridem um menino palestino de nove anos, identificado como Abd a-Rahman Burqan. Ele corria pelas ruas da cidade quando foi segurado por um dos agentes que perguntou “O que faz aqui causando problemas?”. Logo depois, um segundo homem uniformizado chutou o jovem.
– Vivo na região. Escutei um menino gritar e vi um soldado dar um chute na barriga dele. Quando a polícia se foi, fui ao encontro dele. Ele estava tão assustado que havia urinado nas calças – contou Raed Abu Rimle, autor das filmagens e membro da ONG B´Tselem, ao diário israelense “Yedioth Ahronoth”. A organização é dedicada a documentar abusos contra a população palestina.
A cidade de Hebrón é ocupada por milhares de colonos judeus e patrulhada pelo Exército israelense constantemente. A B’Tselem e outras organizações de direitos humanos locais denunciam diariamente abusos cometidos por militares israelenses ou colonos judeus em territórios palestinos ocupados. A agressão ao menino chama a atenção por ter sido registrada em vídeo, e não pela gravidade do caso, segundo analistas.

Beba na fonte: ONG registra agressão de polícia israelense contra criança palestina – O Globo.

Comentários

  • Aí tem Jacutinga

    03/07/2012 #1 Author

    Huumm !! Quando vejo muita coincidência, sinto logo a catinga…
    Notaram ? Nem antes, nem durante nem depois, nenhum rosto que possa ser reconhecido ou identificado aparece. O “chute” não aparece, a chegada e saída do 2do “guarda” não tem justificativa, a não ser pela “olhadinha” do que segurava o menino como se convidasse: Vem, agora é sua entrada ! Chegou, chutou e saiu sem uma palavra. O fato da “violência” acontecer, e justamente ali, naquele espacinho convenientemente ocupado por uma câmera que estava ali para filmar o que, e por que e exatamente naquele momento? Muita sorte demais para meu gosto. Notem que antes da agressão, no filme aparece uma pedra, justamente no melhor ponto para a filmagem e exatamente onde o menino foi apanhado. Outra pedra ou pano aparece no limite possível para a filmagem (filmadora, parede e pedra, onde o “guarda pulou” o muro). Certinho na “mira”, nem um metro pra lá, nem um metro para cá ! Certinho e no melhor ponto. Muita coincidência demais para meu gosto. A reação do “guarda” foi mais que muito rápida, parece que ele já estava correndo antes do menino aparecer. Militares de Israel, permitiriam a presença de um cinegrafista que, em vez de filmadora, ou celular ou, o que fosse necessário para uma filmagem, poderia estar portando uma arma mortal, ficasse naquele local ? No meu quintal tenho uma grade igualzinha a que aparece no filme e aquela rua pode ser em qualquer lugar do mundo. Só os postes pintados de azul e branco é que parecem novinhos!
    Evidentemente, sou totalmente contrário a QUALQUER tipo de violência, principalmente contra crianças. Não existiria qualquer motivo que justificasse uma cena como a apresentada a não ser, sua utilização POLÍTICA !!!
    Definitivamente, não me convenceram. Não condeno e nem absolvo um lado nem o outro. Só que já vi coisa muito melhor em filmes de segunda categoria.
    Deveriam ensaiar mais um pouquinho…

    Responder

    • Waldir Moreira Jr (@MoreiraJr7)

      04/07/2012 #2 Author

      Hmmm, creio que o “Aí tem Jacutinga” sabe das coisas e me fez observar melhor as imagens. É possível e bem provável que estejamos sendo partícipes de uma encenação política.

  • SFU

    03/07/2012 #3 Author

    São os métodos nazistas assimilados muito bem.

    Responder

    • Marcelo G

      04/07/2012 #4 Author

      Quem assimilou métodos nazistas??? O que você quer dizer?? Que os judeus assimilaram métodos nazistas a partir da morte de 6 milhões dos seus? Que métodos foram assimilados? Aonde existem campos de concentração em Israel? Aonde crianças e mulheres são mortas aos milhões em câmaras de gás em Israel? Quantas experiências macabras com seres humanos os médicos israelenses já conduziram???
      A atitude do soldado foi, sem dúvida, vergonhosa. Ele deve ser severamente punido por ela, segundo as leis do Estado de Direito de um país democrático como Israel.
      Comentários antissemitas como esse são vergonhosos. Sou judeu, descendente de poloneses mortos nos campos de extermínio nazistas. Da família do meu avô, só sobreviveram ao Gueto de Varsóvia ele e um irmão mais novo. Pais, irmãos, adultos e crianças, todos mortos em Auschwitz. Lamento muito ter que ler um comentário como esse num blog que tanto aprecio.

    • Waldir Moreira Jr (@MoreiraJr7)

      04/07/2012 #5 Author

      Concordo que o comentário foi inoportuno e implica em pensamento antissemita. Porém, “segundo as leis do Estado de Direito de um país democrático como” o Brasil, temos que aceitar todo tipo de pensamento e, creio, o Pannunzio nada tem a ver com isso. Espero, caríssimo Marcelo G, que entenda com, penso eu, entendi.

    • Marcelo G

      05/07/2012 #6 Author

      Caro Walter, deixando claro: não fiz nenhuma crítica ao Pannunzio e acho que ele fez muito bem em aceitar o comentário. Isso é a democracia!! Eu lamentei ler o comentário pela sua simples existência, pelo fato de alguém pensar assim. Lamentei ler esse comentário, num espaço de debate de alto nível como esse. Mas obviamente, o Pannunzio fez muito bem em publicá-lo.
      com relação ao vídeo, volto a dizer: nada justifica a atitude do soldado e ele deve ser punido. Atitude essa que não pode ser generalizada aos israelenses ou mesmo a seu exército. A situação Israel-Palestina é extremamente complexa e triste. Generalizações não ajudam em nada.

      Abs

  • Waldir Moreira Jr (@MoreiraJr7)

    03/07/2012 #7 Author

    Não, não, JoaoFlorentino DaSilva! Discordo. Antes, não haviam internet, televisão, rádio, imprensa escrita… Só havia a desolação e o caos. O mundo vem melhorando, sim, apenas que hoje temos ciência dessas merdas (desculpe, mas, não achei termo mais apropriado). Lembre-se: uma camisa alva e bem passada, pode ser manchada por uma gota de café, ao acabar de ser vestida. Contudo, aos olhos de quem vê, dirão ‘nossa, sua camisa está suja!’, porém, ela não está suja e sim, apresenta uma gota de café. Assim é a ‘merda’ em tudo que existe de ruim: aparece mais! Fica gritante aos nossos olhos, tanto, que deixamos de observar a enorme limpeza à volta da sujeira.

    Responder

  • Waldir Moreira Jr (@MoreiraJr7)

    03/07/2012 #8 Author

    Deus nos livre! Que cena descabida, que tipos são esses? Que mundo é esse? Depois, os israelenses querem justificar seus atos na Cisjordânia. Como desculpar o imponderável, essa ignomínia? Daí, vão alegar que o jovem poderia ser um suicida, um garoto-bomba. Mas, como esperam reações diferentes se tratam ao semelhante como animal, ou menos?

    Responder

  • Mario

    03/07/2012 #9 Author

    O pobre do menino foi tratado como se fosse um cachorro. Nada justifica a atitude covarde desses soldados israelenses.

    Mario.

    Responder

  • Marlon

    03/07/2012 #10 Author

    Olha que interessante, uma denúncia de abuso por parte de membros das forças armadas israelenses, feita por uma ONG de nome israelense B´Tselem, sai num diário israelense “Yedioth Ahronoth”…

    Responder

  • JoaoFlorentino DaSilva

    03/07/2012 #11 Author

    A revolta quando se ve uma imagem dessas nao vem do cerebro que deveria estar processando tudo, mas, vem das entranhas, da barriga, um sentimento de nojo, de asco, e me colocando nos sapatos do menino (que provavelmente corria descalco), posso sentir o pavor dele, indefeso, nas maos do soldado armado de metralhadora.
    Entrei ontem no meu 59o. ano de vida e tendo trabalhado e dado o meu melhor para ter um mundo melhor quando ficasse velho, pensando em deixar algo melhor do que aquilo que tive para filhos e netos, me sinto frustrado por ver que tudo piorou e tende a ficar pior ainda.
    Este e’ o mundo da impunidade em todos os niveis, um mundo onde sobrevive quem for mais rico ou mais forte, um mundo tal que nao se pode nomina-lo mais como “animal” porque os animais se respeitam e quase sempre convivem em harmonia. Os tempos sao de trevas e quao densas sao essas trevas.

    Responder

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *