As primeiras informações oficiais sobre o assassinato que ocorreu nesta tarde no bairro do Pacaembu, em São Paulo, desautorizam, pelo menos por hora, a...

As primeiras informações oficiais sobre o assassinato que ocorreu nesta tarde no bairro do Pacaembu, em São Paulo, desautorizam, pelo menos por hora, a hipótese de execução.

O homem que foi morto se chama Denílson Nogueira dos Santos. Segundo a Polícia Militar, é um ex-policial que foi expulso em 1999 da corporação.

Ele trabalhava para a produtora Cuatro Cabezas. De acordo com as primeiras informações, teria ido ao banco para sacar uma quantia de R$ 90 mil.  A agência bancária ficaria na Avenida Paulista. Ele foi abordado já próximo à sede da empresa para a qual trabalhava como segurança.

Comentários

  • PEIXE

    03/07/2012 #1 Author

    Santos
    Criminosos armam emboscada para investigadores na Zona Noroeste

    Eduardo Velozo Fuccia
    Cerca dez criminosos tentaram realizar uma emboscada contra dois investigadores do Setor de Arquivos e Registros Criminais (Sarc) de Santos, às 5h45 desta segunda-feira, no Caminho da Capela, Jardim Rádio Clube, na Zona Noroeste.

    A tocaia só não deu certo porque a equipe da Sarc contou com o apoio de policiais militares que chegaram ao local em apoio aos colegas da Polícia Civil. Mesmo assim, os marginais efetuaram sete disparos. Ninguém ficou ferido.

    Os policiais da Sarc foram ao Caminho da Capela para cumprir ordem de captura contra uma pessoa procurada da Justiça. Apesar de chegarem bem cedo, eles se depararam com alguns moradores, que saíam de suas casas a caminho do trabalho.
    Indagados sobre a pessoa procurada da Justiça, alguns moradores não souberam informar o seu paradeiro.

    Momentos depois, quando caminhavam por um beco e se preparavam para sair do Caminho da Capela, os policiais foram alertados por um morador sobre a tocaia que era preparada.

    De acordo com essa pessoa, aproximadamente dez homens armados na saída do beco aguardavam pela passagem dos policiais para roubar as suas armas. Um dos agentes portava um fuzil AR-15, bastante cobiçado no submundo do crime pelo seu elevado valor e pelo seu potencial de fogo.

    Os investigadores, então, permaneceram no beco, se abrigando entre duas casas de alvenaria, e solicitaram apoio às redes de rádio das polícias Civil e Militar. Diante da demora dos agentes em sair do local, os marginais dispararam cinco vezes, mas não os acertaram.

    Por não saber exatamente de onde vinham os tiros e para não colocar em risco a integridade de inocentes, a equipe da Sarc não revidou. Logo em seguida, ela ouviu mais dois disparos e soube depois que estes foram dados em virtude da chegada de quatro viaturas da PM.

    Por causa da chegada do reforço policial ao local, os criminosos foram embora, não sendo identificados, embora já haja suspeitas de quem possa ter ordenado a emboscada contra os investigadores. O delegado Antônio Carlos de Castro Machado Júnior, titular do 5º DP, registrou a ocorrência.

    Ousadia

    A ousadia dos criminosos não se limitou à tocaia. Eles aproveitaram a incursão da equipe da Sarc a um dos becos do Caminho da Capela para arrombar o veículo que ela utilizava e furtar 90 munições de calibre 5.56, usadas em fuzil AR-15, além de outros objetos.

    Segundo o delegado Luiz Henrique Ribeiro Artacho, que responde interinamente pela Delegacia Seccional de Santos, o veículo usado pelos policiais é uma “viatura descaracterizada”, ou seja, sem identificação da Polícia Civil.

    Além do arsenal de munições, os marginais levaram lanterna, par de algemas, documentos e dois cartões, sendo um de crédito e o outro bancário. A lanterna possui trilho para ser acoplada no cano de arma de fogo.

    Responder

  • damastor dagobé

    03/07/2012 #2 Author

    ahhhh bom….aí pode

    Responder

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *