Fábio Fabrini Relatório da Receita Federal enviado à CPI do Cachoeira diz que o governador do Distrito Federal, Agnelo Queiroz (PT), não declarou renda...

Fábio Fabrini

Relatório da Receita Federal enviado à CPI do Cachoeira diz que o governador do Distrito Federal, Agnelo Queiroz (PT), não declarou renda suficiente para justificar a evolução de seus bens e investimentos. Com base nas informações do Imposto de Renda, a análise mostra que em 2009 a variação patrimonial a descoberto foi de R$ 93,57 mil e, no ano seguinte, de R$ 13,6 mil.

Suspeito de envolvimento com o grupo do contraventor Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, e de receber propina de laboratórios em sua passagem pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), o petista declarou, em depoimento à CPI, no mês passado, não haver nenhum reparo a ser feito em seu IR: “Não tenho um centavo de patrimônio a descoberto”.

Os dados da quebra de sigilo revelam que o petista não declarou posses entre 2002 e 2008. Bens e aplicações só aparecem a partir daí. Há discrepâncias entre os dados apresentados à Receita e ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) em períodos de eleição.

Em 2006 – quando disputou, sem sucesso, uma vaga no Senado -, Agnelo tinha, segundo a Justiça Eleitoral, R$ 224,3 mil. À Receita, ele nada declarou naquele ano. Em 2010, o patrimônio salta para R$ 1,15 milhão, conforme o TSE, com a compra, entre outros bens, de uma casa no Setor de Mansões Dom Bosco, área nobre de Brasília, por R$ 400 mil. Esses e outros bens não aparecem na declaração à Receita no mesmo ano, que registra patrimônio bem menor: R$ 248,9 mil.

No seu depoimento à CPI, o governador teve dificuldades para explicar como adquiriu a casa. “Houve cheque, houve depósito. Tudo vai ficar claro com a quebra do sigilo”, prometeu. A transação foi feita em 2007 com o empresário Glauco Santos, cuja empresa, a Saúde Import, obteve autorização de funcionamento pelas mãos de Agnelo, quando diretor da Anvisa. O petista nega favorecimento.

Casal. Em coletiva, o porta-voz do governador, Ugo Braga, alegou que, ao calcular o patrimônio “a descoberto”, o Fisco desconsiderou a renda líquida da mulher do petista (sem tributação e deduções), Ilza Maria Santos, de R$ 140,6 mil em 2009 e R$ 139,2 mil no ano seguinte. “É mais do que suficiente (para cobrir a evolução do patrimônio). O rendimento é do casal.”

Beba na fonte: Receita vê bens de Agnelo crescerem sem justificativa – politica – politica – Estadão.

Comentários

  • maisvalia

    04/07/2012 #1 Author

    Para conhecer a retidão dos petralhas basta comparar as fotos deles antes e depois do puder. Não falha uma, hehehehe

    Responder

  • Flávio Furtado de Farias

    04/07/2012 #2 Author

    Com uma manchete como esta, vale ao menos destacar o último parágrafo para contrabalançar a notícia:

    Casal. Em coletiva, o porta-voz do governador, Ugo Braga, alegou que,
    ao calcular o patrimônio “a descoberto”, o Fisco desconsiderou a renda líquida da mulher do petista (sem tributação e deduções), Ilza Maria Santos, de R$ 140,6 mil em 2009 e R$ 139,2 mil no ano seguinte.

    “É mais do que suficiente (para cobrir a evolução do patrimônio). O rendimento é do casal.”

    Responder

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *