MARIANA CARNEIRO O ministro Guido Mantega (Fazenda) afirmou ontem que a crise atual é tão grave quanto a de 2008 e que está provocando...

MARIANA CARNEIRO

O ministro Guido Mantega (Fazenda) afirmou ontem que a crise atual é tão grave quanto a de 2008 e que está provocando os mesmos efeitos deletérios sobre a economia.

Na avaliação de Mantega, a crise começou lentamente, mas está se agravando.

“Essa crise parece menos intensa do que a de 2008, mas não é”, disse. “Agora é uma crise que começa lentamente e vai se agravando e criando os mesmos efeitos deletérios daquele momento. Hoje já temos efeitos semelhantes aos de 2008.”

Os principais efeitos da crise, diz o ministro, recaem sobre a indústria. Mas, enfatizou Mantega, não só aqui e atinge também a China.

Beba na fonte: Folha de S.Paulo – Poder – Mantega diz que crise atual é tão grave quanto a de 2008 – 05/07/2012.

Comentários

  • mauro m filho

    06/07/2012 #1 Author

    meteram os pés pelas maõs, deram empregos públicos a milhares de cumpanheiros ,desviaram e desviam dinheiro à vontade com obras sem fim,naõ precisávamos de fazer porra nenhuma de copa 2014,incentivaram a populaçaõ burra a se endividar e agora o incompetente ministro vem jogar a culpa na crise. deveria ele sim, pegar seu boné e pedir perdaõ por tamanha burrice.tivessem feito a coisa certa, estaríamos com o futuro bem mais tranquilo. não passam de canalhas!

    Responder

  • Carlo Germani

    05/07/2012 #2 Author

    O correto,para uma análise honesta,é substituir a palavra
    CRISE por PROGRAMAÇÃO.

    Explico resumidamente:

    1-Todas as crises dos últimos 200 anos foram programadas pela oligarquia financeira mundial (dinastias de megabanqueiros sionistas-financeiros)ou “senhores donos do mundo.

    2-Após a programada segunda guerra mundial,a teoria econômica-financeira do insano John Mainard Keynes,e o Estado gigantesco e gestor de tudo,pela via do megaendividamento público,gerou o colapso do sistema,que
    destruiu a Europa (zona do Euro) e os EUA com a emissão de dinheiro falso e sem lastro.
    3-As vertentes do marxismo,o socialismo e a social-democracia adotaram de forma padrão as teorias insanas de Keynes.

    4-Em 2008,houve um ensaio para o que ocorrerá de fato até o final de 2012 (o colapso total do sistema financeiro),
    para com o caos generalizado mundial,implantarem a insana e satânica Nova (Des)Ordem Mundial.

    Responder

  • justo

    05/07/2012 #3 Author

    Para quem exportamos o ferro?
    Quanto representa a exportação de ferro na balança comercial?

    Responder

  • Celso

    05/07/2012 #4 Author

    Esse boquirroto há menos de um mês atrás falava que a crise só existia nos jornais. É um Suplicy sem cueca vermelha.

    Responder

  • amores

    05/07/2012 #5 Author

    E o Brasil não quebrou. Estranho não é ?

    Responder

    • Airton

      05/07/2012 #6 Author

      Só que tem muita gente que sim . É só ver a inadimplência.

  • João Augusto

    05/07/2012 #7 Author

    A maior crise vivida pelo país é moral. O que sobra em dinheiro falta em competência e capacidade de gestão.
    Esse ministro é o mesmo que calou-se quando Lula falou em marolinha!

    Responder

    • Leniéverson Azeredo

      05/07/2012 #8 Author

      Oras, equipe econômica, na minha opinião – leiga – mas que acho sensata, existem formas de se enfrentar com maestria esta crise, pelo menos atenuá-la.Em primeiro aspecto, o enxugamento da máquina.A busca de apoio político, o aumento absurdo de assessores, a criação de ministérios e secretarias, geram um gasto absurdo.Fora a questão dos altos salários dados a, por exemplo, engraxate e barbeiros oficiais.Em segundo lugar, deveriam parar de dar dinheiro a ONG`s de “minorias”, que não prestam contas e vivem de patrulhamento ideológico – a UNE inclusa.Em terceiro lugar, deve-se cortar a taxa básica de juros (selic).Eu não consigo entender, como o Brasil tem uma carga tributária tão alta.E por último, e óbvio, tirar comunistas do poder, só fazem lambança e não sabem dimensionar a grave crise no Globo e no Brasil.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *