Policiais militares da Rota, espécie de grupo especial da PM de São Paulo, mataram 45% mais neste ano do que entre janeiro e maio...

Policiais militares da Rota, espécie de grupo especial da PM de São Paulo, mataram 45% mais neste ano do que entre janeiro e maio de 2011.

É o que revela análise da Folha feita com os dados de letalidade policial da Corregedoria da Polícia Militar.

Nos cinco primeiros meses de 2011 foram 31 mortes. Em igual período deste ano, 45.

Quando a comparação dos cinco primeiros meses deste ano é feita com o mesmo período de 2010 (quando foram registradas 22 mortes), o aumento é ainda maior: 104,5%.

“O cenário mais grave para a segurança pública não é apenas quando o crime se exacerba, mas quando a própria polícia atua de forma descontrolada e ilegal”, diz a cientista social Silvia Ramos, coordenadora do Centro de Estudos de Segurança e Cidadania da Universidade Candido Mendes, no Rio.

“Há fortes indicações de que existem grupos autônomos na polícia, que respondem por conta própria às dinâmicas que encontram nas ruas”, afirma.

O tenente-coronel Salvador Modesto Madia, chefe da Rota desde novembro, diz “não se importar com números, mas, sim, com a legalidade dessas mortes” (leia abaixo).

Maio deste ano foi o mês em que a Rota mais matou em São Paulo. Foram 17 mortos.

Seis delas ocorreram numa operação que, segundo a polícia, visava prender suspeitos de integrar o PCC (Primeiro Comando da Capital).

Cinco dessas mortes foram no estacionamento de um bar. A sexta foi cometida pelo sargento Carlos Aurélio Nogueira, 42, o soldado Marcos Aparecido da Silva, 37, e o cabo Levi Cosme da Silva Júnior, 34, na rodovia Ayrton Senna, a cerca de quatro quilômetros.

Segundo a Polícia Civil e a Corregedoria da PM, Anderson Minhano, 31, foi preso pelos três PMs, levado para a rodovia e torturado antes de ser morto com tiros. Os três PMs foram presos pelo homicídio.

Após as seis mortes, sete PMs foram assassinados (entre 13 e 30 de junho) em crimes com características de terem sido encomendados. Para setores de inteligência da polícia, as mortes dos PMs são uma retaliação. Desde então, 15 ônibus foram queimados e bases da PM, atacadas.

Beba na fonte: Folha de S.Paulo – Cotidiano – Mortes cometidas por policiais da Rota sobem 45% em SP – 05/07/2012.

Comentários

  • Idiossincrasias Policiais!

    06/07/2012 #1 Author

    A PM é foda mesmo!
    É a melhor polícia do mundo, uma guarnição da PM invadiu território americano e efetuou prisão em flagrante “forçado” de funcionários americanos por hipotetica prática de constrangimento ilegal!
    Legal pacas e ainda consegue criar um precedente internacional!
    A Dirma vai ficar furla!

    Responder

  • Aquele que defende os abusos e o morticínio, esquece-se que tem mãe ou pai, mesmo que não tenha filhos ou outros entes que possam ser fortuitamente vitimados por sutis equívocos!
    Qualquer um dos nossos está sujeito a execução primária, tendo ou não culpa, sendo ou não do bem!
    A violência policial está desenfreada!
    Respeitosamente questiono ao Grande de Criador onde vamos parar neste mundo de marlboro!
    Parabéns Secretino e Senhor Modesto Madia, verdadeiramente os relevantes índices de mortes é modesto, tal como os senhores!

    RESPEITOSAMENTE QUESTIONO AOS REPLICANTES ANTERIORES, O QUE DIZER QUANDO POLICIAIS SÃO SUMARIAMENTE EXECUTADOS, SILENCIADOS, SUICIDADOS, POR EPANAS EXTERNAREM ESMERO AO OFÍCIO E DEVOÇÃO E AMOR AO SÉRIO LABOR VOCACIONADO? (quer sejam civis, militares, federais) (ou gcms)(ou quaisquer agentes públicos)

    De:
    Data: 6 de julho de 2012 12:48
    Assunto: Morte do investigador Ivan
    Para: dipol@flitparalisante.com
    Dr. Guerra, segue reportagem de um jornal local de Taboão da Serra, a coisa começou a feder, um abraço.
    O laudo necroscópico enviado na semana passada para o 34º DP, pela Polícia Científica, provocou uma reviravolta na investigação da morte do investigador-chefe da Polícia Civil de Taboão da Serra, Ivan Jerônimo. Segundo os peritos, o tiro que matou o policial foi disparado de longa distância, o que afasta a hipótese de tiro à queima-roupa e também de suicídio. No dia 8 de março deste ano, o então chefe dos investigadores da Delegacia Seccional de Taboão da Serra teria cometido suicídio dentro de um banheiro da banca Varandas, na Cidade Jardim. Na época, foi divulgado que o policial sofria de depressão e havia se matado com um tiro no peito com sua pistola calibre .40.
    Segundo a versão divulgada na época, e que consta no boletim de ocorrência, Ivan Jerônimo estava tomando um café com outros dois policiais e teri a saído para ir ao banheiro. Ele teria cometido suicídio com um tiro à queima-roupa, na altura do peito. O vídeo de monitoramento do local foi analisado e, segundo a polícia, mostravam a hipótese dele ter mesmo cometido suicídio. O laudo entregue pela perícia na semana passada aos investigadores do 34º DP, onde a morte do policial foi registrada, indica que o tiro foi dado de uma distância maior do que a sugerida na época, o que afastaria a possibilidade de suicídio. Existem outros dois laudos que ainda não ficaram prontos e que podem ajudar a elucidar o crime. Um dia depois de o caso ter sido registrado como suicídio, a perícia apontou que dentro do banheiro foram dados dois disparos. U dos tiros acertou o peito do policial e outro, o rodapé do banheiro. Na época, a polícia não soube precisar se o primeiro tiro teria sido dado no chão ou se Ivan teria dado o tiro no peito e depois a arma caiu, disparando sozinha. A corregedoria da Polícia Civil também investigava o caso. Na ocasião, a reportagem do Portal O Taboanense entrevistou o irmão de Ivan Jerônimo, o também policial Dr. Francisco. Segundo ele, a informação que foram dois disparos localizados pela perícia é verídica. Amigos próximos a Ivan disseram a nossa reportagem que o policial não teria deixado nenhum bilhete e que nunca deu sinais que poderia se suicidar. Ivan Jerônimo foi o principal nome da operação Cleptocracia, que prendeu 26 pessoas acusadas de terem algum tipo de participação no esquema que fraudou milhões de reais dos cofres municipais, com baixas indevidas na Dívida Ativa. A gestão de Ivan Jerônimo na Seccional de Taboão da Serra também foi marcada pela prisão de policiais militares. O corpo de Ivan Jerônimo foi cremado em Itapecerica da Serra com autorização da justiça.
    Portal o Taboanense

    Responder

  • virtual2050

    06/07/2012 #3 Author

    Se o marginal reage, então o óbito é inevitável.Agora, defender execuções sumárias é típico de quem ainda não tem condições de conviver em sociedade.Ladrões sendo mortos em cemitérios, após presos, ou em rodovias, também após detidos, é uma ação de bandidos, não de policiais.Cadeia para os assassinos, sejam eles quem forem.

    Responder

  • Mario

    06/07/2012 #4 Author

    Parabéns à postura do tenente-coronel Salvador Modesto Madia, que não se deixou levar pela análise de sociólogos, especialistas e sabichões em geral. Afinal, quem arrisca a vida na rua em tiroteio é ele. O que importa é verificar a legalidade da conduta dos policiais, e não o número de pessoas que eles mataram. Aliás, o aumento pode significar também que a corporação atuou com mais eficiência no cumprimento de seu dever legal, evitando que bandidos cometessem crimes contra a população. Isto a socióloga sabichona, que passa a vida sentada lendo teorias e romances, não levou em conta.

    Mario.

    Responder

  • mauro m filho

    05/07/2012 #5 Author

    S.r Pannúnzio,qual o interesse da Band e sua de atacar a PM de SP?trabalham muito bem,com coragem, enfrentam marginais de alta periculosidade. quantos desses marginais já deixaram filhos sem pais e pais sem filhos? se há excessos de alguns elementos, existe òrgaõs para puni-los.se o s.r naõ sabe a justiça em seu estado(Sp),bem ou mal funciona melhor do que no restante do país.naõ é só na PM que tem pessoas que extrapolam em suas funções. como o s.r jornalista bem informado e competente que é sabe disso!

    Responder

  • UTOPIA

    05/07/2012 #6 Author

    É muito importante saber em quanto aumentou o número de ladrões mortos pela polícia, agora saber quantas pessoas honestas esses vagabundos mataram não faz nenhuma diferença, quantas famílias foram destruídas também não importa, eu fico imaginando um pai que sustenta uma família ser morto em um assalto e a viúva como vai se virar para sustentar os seus filhos e pagar as despesas da casa, porque graças a essa merda de reportagem a viúva deverá virar uma puta para ganhar dinheiro, esses especialistas que se preocupam com morte de ladrão deveriam perder o seu tempo com coisas mais importantes, tipo com pessoas que passam necessidades e pegam reciclados para se sustentar.

    Responder

  • Lucas

    05/07/2012 #7 Author

    Morreu algum escoteiro?
    Alguma alma bondosa especializada em ajudar velhinhos a atravessar a rua?
    Ou só morreu bandido?

    Responder

  • Airton

    05/07/2012 #8 Author

    E quantas pessoas os bandidos mataram ???
    Ou isso não é extermínio também ?

    Responder

  • damastor dagobé

    05/07/2012 #9 Author

    a unica coisa que alegra a “sinistra” é a morte de policiais…se os bandidos ficassem presos não seria preciso mata-los..mas geralmente são condenados a “penas de privação de liberdade em regime aberto” – por mais grotesca que expressão soe – pq libertar bandidos e mante-los livre é a industria que alimenta a fortuna de advogados e juízes…esses gigolôs do diabo, proxenetas do inferno.

    Responder

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *