Deu o previsto. Mas por um placar que preocupa pela licenciosidade de 24 senadores que, ou votaram contra a cassação (19), ou se abstiveram...

Deu o previsto. Mas por um placar que preocupa pela licenciosidade de 24 senadores que, ou votaram contra a cassação (19), ou se abstiveram (5).

Quem são esses caras ? Ninguém jamais saberá. Até porque um sujeito que não vê motivos para condenar alguém tão sobejamente enrolado jamais teria a hombridade de declarar e sustentar publicamente seu voto.

Resta o consolo de saber que 56 senadores — 15 além do que o mínimo necessário — decidiram que Demóstenes não era mesmo digno de permanecer na Câmara Alta brasileira.

Esse placar, suficiente mas ainda assim raquiíico, dada a gravidade do que se comprovou, denota com assertividade que chegou mesmo a hora de acabar com o voto secreto. Vai longe o tempo em que essa prerrogativa tinha a justificativa de proteger parlamentares da pressão dos governos. Hoje, serve mesmo é para acobertar o corporativismo indecente que ainda assola o Congresso.

Com a decisão de hoje, somam dois os senadores afastados por quebra do decoro parlamentar. É um número pequeno, mas ainda assim infinitamente superior ao de condenações pelo Supremo Tribunal Federal, que até hoje não pôs na cadeia nenhum político.

O julgamento dos mensaleiros está aí. Com ele, a corte constitucional terá sua grande chance de sair do zero absoluto.

Comentários

  • MarceloF

    12/07/2012 #1 Author

    Fábio,
    vc. está sendo otimista demais da conta. Vc. acredita piamente que os 56 que cassaram o Demóstenes realmente querem limpar a casa? Será que eles votariam assim se o réu fosse um senador do PT? Duvido muito.
    Cassação é um decisão eminentmente política. Quantos canalhas já não escaparam do cadafalso por força de suas ligações e cologações? Renan Calheiros, por exemplo.
    O JV disse que todos são obrigados a aceitar recursos financeiros de onde quer que venham. Modus em rebus, caro JV. Ninguém precisa aceitar grana de traficantes de drogas ou de bicheiros. Mas há quem ofereça seus serviços a eles.
    Sds.,
    de MarceloF.

    Responder

    • Jotavê

      12/07/2012 #2 Author

      O ponto é o seguinte. Se você aceita dinheiro, terá que dar algo em troca. Não tem por onde. Um indivíduo pode contribuir por idealismo. Uma EMPRESA só contribui em duas hipóteses: (i) medo de perder (ii) certeza de ganhar. Em qualquer um dos dois casos, o resultado líquido é o mesmo: superfaturamento, licitações fajutas, informações privilegiadas, e por aí vai.

      Se todo o problema fosse que os políticos “aceitam” dinheiro de criminosos, até que estaríamos bem. O problema é que as regras da política no capitalismo contemporâneo OBRIGAM os políticos a se banditizarem. Já não é opção de poucos. É necessidade para todos – direta ou indiretamente. O bandido não é apenas aquele que DÔA o dinheiro. É aquele que RECEBE. É ele, o deputado, o senador, do governador, o presidente da república, o prefeito, o vereador, que terá que oferecer, em troca das doações de campanha que recebeu, uma fatia do Estado na qual se instalam “homens de confiança” para assaltar os cofres públicos.

    • MarceloF

      12/07/2012 #3 Author

      JV,
      concordo, em parte. Todos os políticos precisam angariar fundos para eleição. Quando uma empresa doa recursos para um (ou vários) candidatos, é óbvio que ela espera ter seus interesses defendidos. De certa forma, isso até é legítimo. ONGs e outras empresas fazem o mesmo, ou manipulam a opinião pública a seu jeito.
      O que me parece perigoso é aceitar dinheiro oriundo de crime. Traficantes, bicheiros, contraventores e larápios em geral querem mais que isso. Querem que o parlamentar barre investigações (ou as informe antes) da polícia federal, querem brechas legais novas para escapar da cadeia, querem imunidades. Isso é incompatível com o direito e com a democracia.
      O ideal seria que as campanhas não custassem nada e que qualquer um pudesse se candidatar, sem a preocupação com recursos financeiros. Só não vejo como operacionalizar essa ideia. Financiamento público? Brincadeira.
      Abs.,
      de MarceloF.

  • Jotavê

    12/07/2012 #4 Author

    Não sei quem são esses 24 senadores, nem o que pensam. Mas estou convencido de que, entre eles, há pessoas que simplesmente não conseguem viver contradições tão evidentes quanto aquela envolvida no voto da maioria dos senadores que cassaram o mandato de Demóstenes Torres. A legislação brasileira (semelhante, nisso, à legislação da maioria dos países democráticos do mundo) OBRIGA os políticos a levantarem verdadeiras fortunas junto à iniciativa privada para sustentar suas campanhas políticas. Hoje, é impossível a qualquer político levar adiante um projeto político nacional sem conseguir convencer empresários e lobistas a cacifarem sua carreira. Ninguém pode se dar ao luxo de escolher a dedo seus benfeitores, nem de lhes pedir atestado de bons antecedentes. “Ninguém” quer dizer ninguém, mesmo. O hipócrita senador Eduardo Suplicy nunca perguntou, que eu saiba, de onde vem o dinheiro que seu partido gasta para promover a imagem de seus candidatos em época de eleição. Se ele sabe de onde vem o dinheiro? Ora, bolas! Se até EU sei, como é que um senador da república não haveria de saber? Os que votaram pela cassação de Demóstenes Torres são – TODOS ELES – pulhas. Sabem perfeitamente que Demóstenes só fez aquilo que todos eles são OBRIGADOS a fazer (repito: OBRIGADOS A FAZER!!!) caso queiram levar adiante um projeto de poder dentro das regras instituídas do jogo democrático contemporâneo.

    Nenhum dos que votaram pela absolvição ganhou qualquer coisa com isso: Demóstenes não teria como retribuir-lhes qualquer favor, nem eles podem contar com a benevolência de qualquer um dos colegas em função de seu gesto solitário. Fica aqui minha homenagem a eles – a esse MÍNIMO de decência, que o restante dos senadores não soube exibir. Votaram com a sua consciência, e nada mais. Não quiseram participar da palhaçada. São capazes, como Demóstenes também foi, de arrecadar fundos para campanha, e depois pagar por essa arrecadação do modo como todos nós sabemos que esses favores costumam ser pagos. Não foram hipócritas. Mostraram ter um MÍNIMO de caráter. Parabéns a eles por isso. Fosse aberta a votação, talvez não tivessem tido a coragem de fazer esse gesto, eu sei. Mas é bom saber que, pelo menos ali, na cabine secreta, quando ninguém os via, eles deram à moralidade uma chance minúscula de se manifestar. Os outros, os que votaram pela cassação, estão colados à completa falta de compostura. A imoralidade tornou-se para eles uma segunda natureza. Nem sequer mentem mais para si mesmos, de tão convencidos que estão das próprias mentiras.

    Que nojo de tudo!

    Responder

  • Luciano Buisine

    12/07/2012 #5 Author

    É inadimissível que em um país que se diz democrático, o povo não tem o direito de saber quem votou ou não pela cassação do senador Demóstrenes Torres. O voto secreto tem que ser extinto nas câmaras federal, estadual e municipal. O povo tem que saber quem vota contra êle. O voto secreto tem que ser usado apenas pelo povo no dia da eleição. Que venha também o voto facultativo.

    Responder

  • Marcelo G

    11/07/2012 #6 Author

    O Demóstenes foi uma enorme decepção e teve o que merecia. Mas uma questão é inevitável: qual a moral de boa parte dos representantes da casa presidida por José Sarney e que abriga em seus quadros Fernando Collor e Renan Calheiros para cassar quem quer que seja? Que Demóstenes vá ter suas conversas telefônicas bandidas em outras paradas. O Brasil seguirá o mesmo país desenganado pelo prognóstico maligno da corrupção endêmica.

    Abs

    Responder

  • Silvio Conde

    11/07/2012 #7 Author

    A situação pior é de quem se absteve, porque podem ser identificados. Oa outros vão jurar para a plateia que votaram pela cassação, com certeza.

    Responder

  • Antonio Augusto

    11/07/2012 #8 Author

    Concordo com acassação. Mas gostaria de saber a opinião do Sen. Humberto Costa o novo defensor da Etica o que ele acha dos Mensaleiros?
    rsrsrs

    Responder

  • RAFAEL D’AMICO

    11/07/2012 #9 Author

    QUEM VOTOU CONTRA OU A FAVOR POUCO ME IMPORTA, O QUE SEI É QUE TODOS, TODOS. SÃO UMA CORJA DE S A F A D O S . E OUTRA, CARA, SE VOCE PERGUNTAR PARA TODOS, TODOS DIRÃO QUE VOTARAM CONTRA O SAFADO . LERO-LERO.

    Responder

  • Airton

    11/07/2012 #10 Author

    Eu vejo como pior a posição dos que se abstiveram. Os que votaram contra tem alguma convicção de que o que ele fez não é punível com a cassação , e os que se abstiveram , o que pensam ?

    Responder

  • Sadam Luizão

    11/07/2012 #11 Author

    Fica fácil ser pilantra neste pais. O voto secreto nestas questões deveria ser banido do congresso. Quem foi eleito pelo povo não tem o direito de se esconder por trás das cortinas congressuais e sujas pela corrupção e sem vergonhice reinante. Ou o supremo demonstra que o seu papel de defensor da justiça é de fato revelante, ou em nome de todos devemos nos locupletar também.

    Responder

  • Carlo Germani

    11/07/2012 #12 Author

    Pannunzio,

    Interessante o número 56 (5+6=11).Onde tem o número 11,em eventos públicos,o questionamento é inevitável.

    Pondere comigo:Demóstenes colheu o que plantou.Mas é um arquivo vivo de todas as bandalheiiras ocultas do Senado.

    Será,sem dúvida,um “Julian Assange”,contra esses 56 Senadores que lhe cassaram.

    Duvido que não tenha como meta a vingança.
    Porque tanto os que lhe cassaram como os que lhe apoiaram,são na maioria “farinha do mesmo saco”.

    Uma versão tupiniquim do WikiLeaks,está a caminho.

    Responder

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *