RODRIGO MATTOS O ex-presidente da CBF Ricardo Teixeira e o presidente de honra da Fifa, João Havelange, receberam R$ 45,5 milhões em subornos para...

RODRIGO MATTOS

O ex-presidente da CBF Ricardo Teixeira e o presidente de honra da Fifa, João Havelange, receberam R$ 45,5 milhões em subornos para facilitar a negociação de contratos de Copas do Mundo.

A informação consta em documento da Justiça suíça tornado público ontem e que relata acordo para encerrar um processo criminal contra os cartolas brasileiros. Ambos não comentaram o fato.

É o chamado dossiê ISL, ex-parceira comercial da Fifa e pivô do maior caso de corrupção da história do futebol. O jornal suíço “Handelszeitung” obteve o documento e o divulgou. A Fifa também o publicou em seu site ontem.

Na década de 90, a ISL fechou contratos com a Fifa por direitos de televisão e marketing do Mundial. Para isso, a Internacional Sports Leisure e suas subsidiárias pagaram 158 milhões de francos suíços (R$ 329 milhões) para dirigentes da cúpula da Fifa.

Do total, 21,9 milhões de francos suíços (R$ 45,5 milhões) foram dados a empresas ou diretamente para Teixeira e Havelange. O documento suíço lista 30 pagamentos feitos aos cartolas de 1992 a 2000, quando Teixeira era da cúpula da Fifa e Havelange presidia a entidade.

Um total de 12,74 milhões de francos suíços foi para a Sanud, empresa em Liechtenstein que foi de Teixeira, como mostrou a CPI do Futebol. Outros 7,664 milhões de francos suíços foram pagos à Redford Investments Ltd, de Teixeira e Havelange. Outro 1,55 milhão de francos suíços foi dado diretamente ao ex-presidente da Fifa.

“O acusado Ricardo Teixeira ilegalmente usou valores confiados a ele em seu enriquecimento pessoal por várias vezes”, afirmou o procurador suíço Thomas Hildbrand, no documento. “Ele agiu com intenção de enriquecer ilegalmente.”

As mesmas palavras são usadas para descrever as acusações contra Havelange. Os pagamentos são chamados de “imorais” e “ilegais”.

O procurador relata que a ISL os subornou pela influência que tinham na Fifa. Testemunhos de executivos da empresa relatam que pagamentos a dirigentes da Fifa eram essenciais para efetivar os contratos. Outros dirigentes também foram subornados, mas não são nomeados por não serem objeto da ação.

A investigação da Justiça suíça começou no início da década passada, quando a ISL faliu. Durante o processo de falência, os pagamentos foram detectados e uma ação contra Teixeira e Havelange foi aberta em 2008. Em 2010, a Procuradoria fechou acordo com os acusados e com a Fifa para encerrar o processo e tornar seus dados sigilosos.

Beba na fonte: Folha de S.Paulo – Esporte – Riqueza ilegal – 12/07/2012.

Comentários

  • Luciano Buisine

    12/07/2012 #1 Author

    Todo o Brasil sabe que o Sr. João Havelange, apesar de fazer uma boa administração na FIFA, sempre foi alvo de suspeitas, agora confirmada. O dito cujo, como herança, colocou seu ex-genro aprendiz de bandido, Ricardo Teixeira na CBF onde na entidade máxima do futebol brasileiro, cometeu várias falcatruas. Sabe de quem é a culpa? É do nosso sistema que não exige e nem fiscaliza êsse caras, Porque a CBF não presta conta do que recebe e do que gasta? Afinal é dinheiro do povo. O pior é que o atual também sofre de cleptomania. Na final da Copinha, em São Paulo, na hora da distribuição das medalhas, sem saber que estava sendo filmado, foi surpreendido afanando uma medalha e colocando no bolso. Dá para acreditar?

    Responder

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *