Diante das evidências de que o crescimento econômico brasileiro neste ano não deve ficar muito acima de 2%, a presidente Dilma Rousseff procurou ontem...

Diante das evidências de que o crescimento econômico brasileiro neste ano não deve ficar muito acima de 2%, a presidente Dilma Rousseff procurou ontem minimizar a importância do PIB (Produto Interno Bruto), ressaltando que ele não é o indicador mais adequado para comparações internacionais.

“Uma grande nação deve ser medida por aquilo que faz para suas crianças e para seus adolescentes. Não é o Produto Interno Bruto. É a capacidade do país, do governo e da sociedade de proteger o que é o seu presente e o seu futuro, que são suas crianças e seus adolescentes”, afirmou, na 9ª Conferência dos Direitos da Criança e do Adolescente.

No mês passado, o tom era outro. Numa cerimônia com atletas que vão participar dos Jogos Olímpicos de Londres, Dilma chegou a dizer que o PIB deste ano vai merecer uma medalha: “Você vai ver se não vai merecer [medalha]. Nós estamos no esquentamento”, disse.

O discurso de Dilma desdenhando o PIB veio em um momento em que economistas de dentro e de fora do governo têm revisado para baixo suas projeções de alta do indicador em 2012.

Em junho, o Banco Central reduziu de 3,5% para 2,5% sua estimativa. Nos bastidores, o próprio governo já trabalha com um crescimento de apenas 2% neste ano.

Divulgado ontem, o indicador de atividade econômica do Banco Central, considerado uma prévia do PIB, apontou uma queda de 0,02% em maio em relação a abril.

Beba na fonte: Folha de S.Paulo – Poder – Com economia em marcha lenta, Dilma diz que PIB não é tudo – 13/07/2012.

Comentários

  • Vivi

    14/07/2012 #1 Author

    Segundo um economista que deu entrevista no Jornal da Record News (sinto muito, não vou lembrar o nome dele), os critérios para medição do PIB deveriam ser modificados, pois não levam em conta o crescimento do setor de serviços, que tem sido considerável, e tem gerado muitos empregos e movimentado a economia. Bem, de economia não entendo nada. Só expus essa ideia para compartilhá-la com o blogueiro e os demais leitores. Pode ser que alguém que entende concorde com ela.

    Responder

  • JB

    13/07/2012 #2 Author

    O argumento da Dilma é literalmente infantil, primário, amadorístico. Reitera o estilo palanqueiro do antecessor.

    Só falta indicar a Xuxa para ministra em lugar do Mantega e colocar os 40 (ou quase) ministros para cantar o Ilariê sob a batuta da Ideli!

    Seria cômico se não fosse trágico!

    Responder

  • K

    13/07/2012 #3 Author

    Se uma grande nação se mede pelo que faz pelas suas crianças e adolescentes, o nosso país é uma nação nanica! Basta fazer um passeios pelas crackolândias em qualquer grande cidade do país! Basta ver o número de crianças e adolescentes semi-analfabetos, que só frequentam a escola (quando tem colégio e quando nesse colégio tem aula) por causa da merenda escolar!
    Basta ver o número de crianças e adolescentes que vivem e moram nas ruas de qualquer cidade do país!
    “NUNCA ANTES NA HISTÓRIA DESTE PAÍS” se falou tanta besteira em tão pouco tempo.

    Responder

  • Justo

    13/07/2012 #4 Author

    Hipócrita!

    Responder

  • Roland Brooks Cooke

    13/07/2012 #5 Author

    A Dilma é uma comédia. Se o PIB estivesse crescendo 4,5% em 2012, conforme previsto há 50 dias pelo “iluminado” que recebe um salário acima do limite constitucional para dizer bobagens, ela estaria se gabando do feito. Como a realidade não se curva aos sonhos megalonanicos da ogra, ela, de forma “conveniente” tenta convencer a plebe rude que “PIB não é nada, o importante é o bem-estar das crianças e adolescentes”. E os otários caem nessa. Batem palma pra louco. E o discurso oportunista e rasteiro “cola”. Pelo menos na cabeça oca dos petistas engajados. O que ela “se esquece” de dizer, é aquilo que dispensa explicações macro-econômicas: sem crescimento do PIB ACIMA da taxa de crescimento da população economicamente ativa, não haverá EMPREGOS para essas “crianças e adolescentes” quando elas decidirem trabalhar. E se houver encolhimento do PIB, como parece que vai ser o caso já em 2012, além de não haver novos empregos, parte dos existentes vão para o espaço. E isso já está acontecendo: GOL demite 2.500, GM demite 1.500, Zona Franca de Manaus demite 4 mil. Isso é só o começo. Eu quero ver o discurso dos petistas engajados, quando estiverem na fila do seguro-desemprego. Quero ver os “77%” de aprovação. Claro que até lá vão inventar outra desculpa, talvez botar a culpa em alguém, que é o que o PT sabe fazer melhor. E os otários de sempre vão acreditar – ou, pior, vão ansiar pela volta triunfal do “Grande Líder” que salvará a todos. Não há falta de imbecis prontos a aplaudir mesmo sem ter o que comer. Na Argentina, na Venezuela, em Cuba, está cheio deles.

    Responder

    • HAMARYLDHO

      13/07/2012 #6 Author

      Parabéns pelo texto. Perfeito.

    • Airton

      13/07/2012 #7 Author

      E agora o seguro-desemprego , tem alterações para ser recebido.

      A concessão do Seguro-Desemprego a partir de agora obedece a novo disciplinamento previsto no Decreto 7.721, de 16 de abril de 2012, o qual estabelece exigências prévias para o recebimento da assistência financeira de benefício.

      Na égide da nova regulamentação, o recebimento do benefício do Seguro-Desemprego apenas será concedido, pela terceira vez, no prazo de 10 (dez) anos, se o empregado dispensado por justa custa comprovar efetivamente a matrícula e frequência em curso de formação inicial e continuada ou de qualificação profissional, habilitado pelo Ministério da Educação, no Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec), com carga horária mínima de 160 (cento e sessenta) horas, através de concessão de uma Bolsa-Formação, na forma do referido programa, ou de vagas gratuitas na rede de educação profissional e tecnológica (art. 1º, do Decreto 7.721, de 16 de abril de 2012).

      Então, caso usufruído por duas oportunidades o benefício no período de 10 (dez) anos, passa ao trabalhador desempregado a ter que atender a requisitos consubstanciados na comprovação da matrícula de frequência em cursos de profissionalização contemplados dentro das políticas de preferência do Ministério do Trabalho e Emprego e do Ministério da Educação.

    • Fábio Pannunzio

      14/07/2012 #8 Author

      Airton, sabe que eu gostei disso ? Confesso pra você que eu estava desinformado sobre o assunto. Mas vou ver isso porque me parece uma coisa boa obrigar quem recebe o seguro a dar uma contrapartida — ainda mais uma contrapartida que vai ser útil para o desempregado, já que vai qualificá-lo, e também para a sociedade, que vai ter um trabalhador melhor remunerado, com mais renda…
      Mas não posso dizer nada quanto ao prazo de dez anos. Não sei como é a legislação atual.
      Mas eu sou disciplinado e aplicado. Vou ler tudo o que puder e prometo retornar pra você.
      Obrigado, Airton.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *