Há pouco mais de um mês a Grande São Paulo vem sendo assolada por uma onda de violência. As ações do crime organizado, assassinatos...

Há pouco mais de um mês a Grande São Paulo vem sendo assolada por uma onda de violência. As ações do crime organizado, assassinatos seletivos de PMs, são uma retaliação ao uso da violência desmedida pela ROTA, que assassinou barbaramente um preso depois de algemá-lo e torturá-lo.

A partir daí, e seguindo o que o PCC havia antecipado, passaram a ser assassinados policiais em horário de folga, em locais onde faziam bicos ou no ambiente de sua vida privada.

A Secretaria de Segurança Pública do Estado jamais reconheceu que as ações eram engendradas pelo crime organizado. Mentiu deliberadamente para a população enquanto botava a tropa em alerta máximo. Jamais enxergou qualquer indício de articulação entre as mortes dessa vindita insana.

Agora, o que se vê também está aparentemente desprovido de sentido. Em uma única noite, dissimulando o barulho dos tiros com o foguetório da final da Copa do Brasil, bandidos executam seletivamente 8 pessoas supostamente com passado criminal em pontos conhecidos de venda de drogas.

O secretário Antônio Ferreira Pinto, o principal incentivador dos abusos policiais, veio a público para declarar, sem qualquer tipo de informação objetiva, que os assassinatos provavelmente são produto de uma guerra entre quadrilhas pelo controle das “biqueiras” instaladas na periferia de Osasco. Mas basta a qualquer observador minimamente inteligente fazer um exercício singelo de raciocínio para encontrar a possibilidade de um outro contexto.

Há alguns indícios a serem considerados. Primeiro: se todos os locais em que houve assassinatos eram pontos de distribuição de drogas, quem tinha essa informação ?

Segundo: se todos os executados tinham relação com o tráfico, quem tinha essa informação ?

Terceiro: por que essas pessoas foram “escolhidas” para a maratona dos homicidas ?

Quarto: se o propósito das ações era reaver o controle do tráfico, por que a dissimulação dos estampidos ?

Pode ser que os execuções sejam produto de uma guerra entre quadrilheiros. Mas pode ser também que não. Nesse caso, por que a polícia só considera uma hipótese ?

Talvez seja apenas mais do mesmo — a tática dos bandidos full-time apropriada por outros bandidos part-time.

Seja o que for, não é bom descartar nenhuma possibilidade.

 

ATUALIZAÇÃO – Cometi um erro primário, que foi trocar os nomes das cidades. Os crimes aconteceram em Osasco, e não em Guarulhos, como eu havia afirmado antes por pura falta de atenção. Obrigado ao Sandro Barboza pela correção.

Comentários

  • 17/07/2012 #1 Author

    O povo, aquele que mora em lugar “perigoso” (não só a periferia, eu por exemplo moro perto do Glicério) quer é ter paz, viver tranquila, não ter nenhum nóia na porta de casa pedindo dinheiro (isso eu vivencio direto), não quer ter nenhum traficante e vagabundo infernizando dando festinhas regadas a baixarias e bailes funks, quer é ficar tranquila esperando seus filhos voltarem tarde da faculdade portanto, o povo é A FAVOR DA POLÍCIA!
    Pediria a todos jornalistas que moram num lugar bem legal (sim pq a maioria mora no Morumbi, Jardins, Vila Madalena, Pompéia, Pinheiros, NÃO SABEM COMO É A NOSSA REALIDADE) parem de colocar a culpa dos criminosos nos policiais!

    Responder

  • SideShow Bob

    16/07/2012 #2 Author

    Seguindo sua linha, se a ROTA não mais matar PCCistas, estes não mais retaliarão.

    Então pronto, basta que toda a PM deixe de cumprir seu dever e todos os criminosos serão bons cidadãos.

    Causa e efeito. Ou seria correlação.

    Bom não importa, o argumento parece furado. A polícia é conseqüência da bandidagem e não o contrário, a não ser se vc for um leninista que prega que todo o mal do homem é fruto da sociedade e esta deve ser reconstruída através de um modelo socialista perfeito.

    Responder

  • Vivi

    14/07/2012 #3 Author

    Atribuir a situação calamitosa da segurança pública em São Paulo a uma mera ação com objetivos eleitorais é de uma cegueira lamentável! Qual a dificuldade em se admitir a INCOMPETÊNCIA tucana nessa questão? Por que não? Seriam eles infalíveis, sobre-humanos? Os culpados são sempre “os outros”(petralhas, o povo, etc.)?

    Responder

  • Idiossincrasias Policiais!

    14/07/2012 #4 Author

    Apenas o desgoverno que subestima a inteligência da sociedade desinformada, afinal, suprimir dados relevantes, maquiar estatísticas, e chacelar juridicamente abusos, travestindo-os de risível legalidade, é “modus operandi” de entes dos poderes públicos e não da imprensa!
    Quem critica, deveria diligenciar, incursionar ou instruir-se melhor, afinal, ninguém é incultamente insano para postar descalabros ou inverdades, muito menos quem goza de ilibada moral e de exímia concetuação funcional!
    Todo mundo deve ter algum conhecido policial ou algum preposto que resida nos rincões periféricos paulistas, questione a estes sobre a vil realidade, árdua, nua e crua!
    Há muito está instada uma brutal guerra do bem contra o mal, onde em uma destas facetas, o crime organizado genocida bons policiais ou policiais atuantes (que ensejam desinteresse pelo público criminoso ou pelos agentes públicos criminalizados); da mesma forma que erroneamente a brutalidade policial predominante está indo à forra e cobrando broncas, por força de uma ilegalidade irrestrita!

    Parabenizo a genial a postagem de JOSÉ:

    “Parafrazeando Martin Luter King, eu tenho um sonho. Sonho em ver um sistema de segurança pública eficiente; sonho que não precise gastar em sistemas de segurança novamente aquilo que já pago em forma de impostos para que o Estado me dê segurança; sonho em ver casas sem muros, grades, cercas elétricas e alarmes; sonho com o tempo em que o criminoso tenha a sensação de que irá ser descoberto e preso pelos crimes que praticou; sonho com o tempo em que o policial esteja próximo ao cidadão; sonho com o tempo em que o policial seja o primeiro defensor da democracia; sonho com o tempo em que os policiais sejam os primeiros a garantir os direitos humanos; sonho com o tempo em que os papéis voltem a estar bem definidos, mocinhos como mocinhos e bandidos como bandidos; enfim sou um sonhador em um Estado que está cada dia mais perto da lei do talião…”

    “E AGORA JOSÉ?” Drummond.

    Relembro ainda Leonardo Da Vince e Vitor Hugo…

    “Aquele que não pune o mal, ordena que ele seja feito.” Leonardo da Vinci.

    “Aquele que poupa o lobo, sacrifica as ovelhas” Vitor Hugo

    Respeitosamente registro um sutil questionamento aos pensadores de plantão?

    Se a coisa não está descontrolada e os abusos e descalabros correspondem a falácias oportunistas, imaginem a seguinte situação:

    A sede consular, seus apêndices e seus bens constituem extensão territorial dos países com representação consular e signatários de tratados internacionais, devendo ser respeitado pelos países membros.

    Em sendo assim, no interior das dependências consulares, devem ser respeitadas as normas legais e exigências do país em questão.

    Ou seja, pode um consulado extrangeiro proibir o ingresso nas dependências consulares de qualquer indivíduo armado, portando celulares ou algums outra exigência que aprouver ao governo extrangeiro impor em seu território soberano e absoluto.

    Imaginem um policial militar, em horário de folga, que força seu ingresso armado no apêndice consular, portando aparelho celular, que também é defeso.

    E mais, imaginem a cortesia extrangeira em explicar diplomaticamente suas justificativas, (mesmo não sendo necessário, por ser proibido e dever ser cumprido)!

    Neste contexto de mútua cooperação, transparência e de respeito ao próximo, independente de ser agente público ou não, o gerente consular e um preposto consular, com a melhor das boas intenções tenta explicar ao miliciano ensandecido as cusas da proibição!

    Este policial militar, aciona o Copom, 190, requer apoio e uma guarnição completa atende ao chamado e solidariza-se com o miliciano que em tese sentia-se aviltado e vítima de hipotético constrangimento ilegal e desacato!

    Nesse diapasão, gerente consular e preposto consular são detidos e levados à sede da polícia judiciária da circunscrição, área do 91 DP, uma vez que os descalabros ocorreram na avenida São Gualter.

    Emanam ordens da Orda da SSP para que se abafe o caso e que se adote as medidas necessárias para abrandar a conjuntura extremada, custe o que custar.

    Sendo assim, pela mais estrita legalidade policial militar, ocorreu um incidente diplomático, cerca de dez dias atrás!

    E tudo transcorreu num silêncio sepulcral, com a maior naturalidade e transparência!

    Agora questiono, se as arbitrariedades milicianas foram decursas em um bairro nobre de São Paulo, envolvendo entes extrangeiros e de grande expressão política, e ninguém ficou sabendo de nada, imaginem o que não deve ocorrer nas periferias de São Paulo e que o grande público desconhece plenamente? Ou não vê por conveniente hipocrisia social elitista?
    Hoje, não mais existe local perigoso, relações perigosas, contextos perigosos! Subsistimos na insegurança pública vegetativos sobre um paiol em risco iminente de explosão!
    Todos somos vítimas em potencial!
    Todos queremos uma sociedade mais justa, igualitária e legalista!
    Todos deveríamos ser cientes e praticantes de nossos deveres e direitos cívicos!
    Todos aspiramos por vidas pacíficas e qualitativas!
    Todos desejamos administradores públicos sérios, dignos, vocacionados e transparentes!
    Todos esperamos por uma polícia mais atuante, mais legalista e que dissemine segurança e não medo pela insegurança pública!
    O medo é insalubre e não agrega qualidade de vida!

    Responder

  • Idiossincrasias Policiais!

    14/07/2012 #5 Author

    A conjuntura de insegurança pública deve ser puro eufemismo!
    Apropósito, os Pms do caso Barracuda foram presos?
    E os outros vinte e tantos que estavam no local de crime e permitiram a violação do local de crime, sendo que ninguém observou uma outra guarnição, a da Airton Senna, “plantar” um corpinho no local de pretensa resistência seguida de morte?
    E os que preservavam o local de crime no entorno da Rota quando o molotov desmaterializou-se, por motivos alheios a mediana compreensão humana?
    E estas tantas mortes seletivas?
    Verdadeiramente, quem não se preocupa com o próximo, além de egoísta, egocêntrico e vegetativo social, muito engana-se ao elocubrar-se com pretensa legalidade e democrática politicalha!
    E os PMs que se passaram por policiais civis delegacia de lesões do DHPP para obterem clandestinamente a única cópia das imagens externas do entorno do atentado à casa de um certo Coronel?
    QUALQUER QUE INTENTE CONTRA AGENTES PÚBLICOS OU SOCIEDADE, NA VERDADE É SUICIDA! JAMAIS SERÃO BONS POLICIAIS, QUE AGEM NA MAIS ESTRITA LEGALIDADE, HOMICIDAS! AFINAL, DIGNOS POLICIAIS SÃO GARIS SOCIAIS!
    O QUE NÃO SE PODE ADMITIR É UMA MATANÇA GENERALIZADA E INSTITUCIONALIZADA, QUER SEJA AS PERPETRADAS PELAS INSTITUIÇÕES CRIMINOSAS, PCC, OU PELAS INSTITUIÇÕES PÚBLICAS CRIMINALIZADAS, GRUPOS DE EXTERMÍNIO E MILÍCIAS!

    Responder

  • TeTe

    13/07/2012 #6 Author

    Fábio, por que toda vez que a polícia atua, você diz “suposto
    tiroteio”, suposto confronto”, sempre querendo nos induzir com as suas suposições, aliás você está seguindo a linha de outros jornalistas que querem desacreditar o governo de São Paulo. O que você sugere, quando numa perseguição ou confronto com os “meninos” do PCC atirarem nos políciais.A polícia deve recebe-los com flores, levantarem as mãos num sinal de rendição ou balançar um lencinho branco. Naquele episódio em que policiais executaram um bandido, me parece que eles foram presos, o que me pareceu corretíssimo, mas não é por isso que os demais policiais deixem de cumprir os seus deveres.Quanto ao afirmar que o secretário é um incentivador dos abusos policiais,acho que você extrapolou. Tenho muito respeito por você, sempre dou uma passadinha aqui, gosto do seus textos, mas não concordo com essa “perseguição” que faz a nossa polícia.

    Responder

    • Fábio Pannunzio

      14/07/2012 #7 Author

      O que eu quero é que a ROTA não mate mais como matou o Anderson, do Bar Barracuda. Uma polícia que entenda que não é um tribunal de exceção, que condena a executa quem está imobilizado. E quero que ela seja rigorosa com os bandidos, mas saiba que tem limite para o rigor. É bem simples.

    • Luís Fernando de Oliveira

      14/07/2012 #8 Author

      Caro Pannunzio, não subestime a inteligência de seus leitores. Mesmo que sua intenção fosse somente essa, estaria errado em generalizar como o fez. Entretanto, as seguidas referências ao governador e ao secretário, neste e em outros artigos que publicou aqui, demonstram claramente que seu propósito é diverso e tendencioso!

  • Um simples José

    13/07/2012 #9 Author

    Parafrazeando Martin Luter King, eu tenho um sonho. Sonho em ver um sistema de segurança pública eficiente; sonho que não precise gastar em sistemas de segurança novamente aquilo que já pago em forma de impostos para que o Estado me dê segurança; sonho em ver casas sem muros, grades, cercas elétricas e alarmes; sonho com o tempo em que o criminoso tenha a sensação de que irá ser descoberto e preso pelos crimes que praticou; sonho com o tempo em que o policial esteja próximo ao cidadão; sonho com o tempo em que o policial seja o primeiro defensor da democracia; sonho com o tempo em que os policiais sejam os primeiros a garantir os direitos humanos; sonho com o tempo em que os papéis voltem a estar bem definidos, mocinhos como mocinhos e bandidos como bandidos; enfim sou um sonhador em um Estado que está cada dia mais perto da lei do talião…

    Responder

  • Shamus Khado

    13/07/2012 #10 Author

    Percebo que o jornalista não tem muito apreço pela polícia, que são os mocinhos da estória, sempre tratando as ações policiais como reprováveis.
    Qual seria, no seu ponto de vista, uma ação APROPRIADA contra BANDIDOS, CRIMONOSOS E ASSASSINOS PROFISSIONAIS????
    O país precisa de um choque de moralidade e austeridade em todos os setores, e isso não se faz com música romântica e flores perfumadas, mas sim com pulso firme e TOLERÂNCIA ABAIXO DE ZERO, doa a quem doer, quem não dever não há de temer.
    Ao invés de punição, recompensa para os bons policiais, que cumprem a sua inglória missão de proporcionar um naco de segurança para a população que presta.
    Chega de nhenhenhém, aplique a letra fria da lei, e no caso de resistência, a frieza do mármore para os imprestáveis que aniquilam a sociedade.

    Responder

  • Idiossincrasias Policiais!

    13/07/2012 #11 Author

    Apropósito, o PCC está tão avançado que faz muito tempo que estão sendo genocidados os bons policiais militares de folga e somente agora eclodiu um odorzinho da merda putrefada e fossilizada!
    Só não vê quem não quer, pois o pior cego é aquele que não quer ver!
    Ou por tacanhez ou por torpez!
    Intere$$e$ E$cu$o$!

    Responder

  • Idiossincrasias Policiais!

    13/07/2012 #12 Author

    Curiosamente, modus operandi há muito sacramentado, “caixa dois” e oportumamente vítimas pulverizadas para desvincular a perpetração de homicídios múltiplos, ou seja, chacina, que além de agravar as estatísticas e de exultar o clamor social e midiático, acaba prejudicando política de boa vizinhança de Gestor Público, ex-Oban.
    Outro dado, se o narcotráfico é comandado pelo PCC, que inclusive impõe regras “com mão de ferro”, exigindo coeficientes de pureza, normas de conduta procedimental, ética… fruindo um impiedoso tribunal, sorvendo um poder paralelo mais célere e de “eventual maior competência”, Por quê o PCC iria matar pulverizado entes partidários, proletariado?
    Em pressupondo-se de mortes decretadas pelo tribunal do partido, (afinal, ninguém mata sem autorização do “disciplina” e sem senteciamento prévio, inexistindo a antiga cobrança de bronca ou liquidação de desafeto ou ajuste de contas), certamente essas vítimas institucionais criminosas teriam sido torturadas, teriam partes corpóreas seccionadas e teriam desaparecido em “micro-ondas ou em cemitérios clandestinos” e o mais importante, seria público e notório “nas quebradas e ou nos rincões periféricos” a motivada execução por decreto pertidácrio criminoso, o que ensejaria em silêncio por por parte dos familiares!
    Existiam estojos deflagrados no local, ou foi feita uma limpeza, prejudicando o labor pericial?
    E testemunhas, foram coaptadas ou repelidas?
    O calibre empregado seria casuísticamente .380, .9mm ou .40?
    Devemos aguardar o exame balístico, quem sabe, o cotejamento e a estamparia do projétil, ejeção e pico não encerram esta ladainha!
    Isso se for permitido o sério e isonômico labor pericial e policial judiciário!

    Responder

  • Luís Fernando de Oliveira

    13/07/2012 #13 Author

    Com todo respeito, mas vejo vária incoerências neste artigo: 1º Afirma que as ações do crime organizado (PCC) são uma retaliação ao uso da violência desmedida pela ROTA, quando na verdade essas ações têm evidente objetivo eleitoral a exemplo do que aconteceu em 2006. 2º Pergunta que detinha algumas informações (pontos de venda de drogas, envolvidos, etc), ora, claro que a polícia! 3º Por que houve dissimulação com os fogos de artifício? logicamente para não serem presos e facilitar a fuga. 4º O nobre jornalista apresenta como fato inquestionável que o Secretário de Segurança Pública de São Paulo Antônio Ferreira Pinto é o principal incentivador dos abusos policiais, mas não mostra nenhum argumento válido neste sentido! Quer conduzir nossas opiniões? Eu discordo!!! Ou na sua opinião o secretário deve ser tolerante com o crime?? 5º Ao final, para bom entendedor, levanta suspeita sobre quem seriam os bandidos “part-time”, numa clara e leviana inferência contra os policiais.

    Responder

    • Sergio

      13/07/2012 #14 Author

      Boa! Acertou na mosca.
      O Pannunzio ,às vezes, quer demonstrar imparcialidade e critica sem muito critério.
      Secretário, continue mandando a raquete! É isso que o povo quer.

  • Roland Brooks Cooke

    13/07/2012 #15 Author

    Fábio, seguindo seu raciocínio, não é difícil imaginar onde a trilha vi dar, não é? E agora? Como fica aquela senhora de provecta idade, com a venda nos olhos e a balança na mão, diante de ações que mais se assemelham a vendettas entre facções mafiosas na Chicago dos anos 20? A população condena ou aplaude a ação miliciana de retaliação na base do “olho por olho, dente por dente”? Se aplaude, aplaude errado. Todos sabemos onde esse tipo de abuso desemboca. Mas não deixa de ser uma situação complexa, porque o que se vê hoje é a lentidaão da Justiça, e suas inúmeras brechas para procrastinação, além de penas que não espelham a gravidade da situação da segurança pública em tempos de crack. Eu não gostaria de estar na pele de um policial, num cenário desses, onde a decisão “correta” de hoje pode levá-lo a estar na mira dos marginais amanhã. É uma guerra, e como toda guerra, é suja. E a tentação de “dar razão” aos executores é grande. Cumpre resistir a ela.

    Responder

  • Fernando Portela

    13/07/2012 #16 Author

    Fábio, se já não viu, assista ao filme “Pequenos Assassinatos”. Nesse caso, me parece, os crimes são aleatórios. Ou seja, o último (ou penúltimo) estágio da barbárie.

    Responder

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *