A réplica de Boris Casoy aos ataques de Alberto Dines na revista da ABI

Por Boris Casoy

Alberto (ou Abraão ?) Dines, mais uma vez abre sua cloaca para atacar. De conhecido caráter, destituído de qualquer sentido moral ou ético, esse indivíduo tenta justificar com uma história da carochinha o fato de ter sido interventor da ditadura no Sindicato dos Jornalistas do Rio de Janeiro. Sua “explicação” não passa de um atentado à inteligência alheia. Imagine: em plena época de caça às bruxas, um grupo de jornalistas ligados ao Partido Comunista procura esse” ínclito” profissional pedindo sua intercessão junto ao gabinete do então presidente Castelo Branco, com o objetivo de destituir a direção do sindicato, legitimamente eleita. O governo aceita a sugestão e o nomeia interventor militar. É essa a versão que Dines tenta nos impingir

É evidente que só eram nomeados interventores aqueles que tinham a total confiança do regime. Dines, de maneira covarde, tentando dividir culpas com os comunistas, assume a sua ditadura particular. Tira um desafeto pessoal da presidência da entidade e , como se não bastasse, faz um sem número de cassações. É claro que zelosamente oculta esses fatos de sua biografia (ou folha corrida?). Se escapou da lei graças à Anistia, será inscrito entre os réus quando a ação da ditadura nos sindicatos tiver sua história levantada. Mais tarde demonstrou toda a sua “consideração ” com comunistas ao pedir – e por duas vezes – que eu os demitisse da sucursal da Folha de S.Paulo no Rio de Janeiro.

Não satisfeito, esse  senhor assaca contra mim a “informação ” ( gabola,ele sabe tudo!) de que a diretoria do jornal considerou um erro eu ter sido convidado para editor da Folha de S.Paulo. Se foi erro, o jornal errou duas vezes. Fui convidado – e assumi a função por duas vezes. Certamente, o grande equívoco do sr Frias foi não ter convidado esse “monumento” da imprensa nacional para dirigir a Folha (” Por que não eu?”). Aliás, em minha gestão , além do prestígio ganho, a Folha ultrapassou a circulação de todos os seus concorrentes. Ao contrario, o sr. Dines deu o tiro de partida na morte do Jornal do Brasil, o que levou Nascimento Brito a sacá-lo do comando da redação. A partir daí, um a um, Dines foi defenestrado de todos os órgãos de impresa em que trabalhou.

Ressentido, montou à sombra do Estado uma “Dineslândia” , na qual, brincando de Deus, dedica-se biliosamente a atacar os órgãos de imprensa em que trabalhou e os colegas.

Ninguém melhor do que ele para falar sobre censura. Julga os demais seres humanos tendo como modelo seu próprio caráter. Além da sua “mão de ferro” no JB, foi protagonista , mais recentemente, de um vergonhoso episódio censório. Depois de anunciar fartamente, cancelou a participação, em seu programa numa TV estatal, do autor de um livro sobre o senador Antônio Carlos Magalhães.

Esse pobre diabo primeiro mente ao afirmar que foi demitido pessoalmente por mim. Depois diz que fui covarde ao solicitar que o secretário de redação o fizesse. Eu não poderia fazê-lo. Estava na China. A demissão desse ruinoso indivíduo deu-se com plena concordância do sr. Frias. Dines era uma das poucas “vacas sagradas” do jornal e sua saída só poderia ser decidida com a direção maior.

Não foi apenas o fato de recusar-se a assinar um artigo contra Paulo Maluf que levou a sua demissão. Num ato falho, em meio a uma discussão sobre a sucursal do Rio, Dines acabou revelando que uma série de reportagens endossadas por ele sobre a Coca Cola era falsa. Ele fazia essa confissão anos e anos depois dos fatos. Ocultou durante muito tempo sua grave falha. Nessa série de reportagens forjadas, contava-se que um operário da Coca Cola havia caído num recipiente destinado ao fabrico do refrigerante. A empresa sofreu enormes prejuízos com isso. E Dines manteve seu erro em segredo. E mais: não teve a coragem de afastar o repórter que, segundo ele, forjara até documentos. A bem da verdade, Alberto (ou Abraão?) nada tinha contra a Coca. Era até apreciador. A partir daí, chegava ao ponto final a confiança que se depositava nesse senhor.

Há poucos dias, recebo em minha casa uma dessas almas de peregrinas virtudes. Propõe-se a “selar a paz” entre Boris e Dines. Tenta me convencer, pedindo compreensão, pois Alberto segundo ele, se submete a tratamento psiquiátrico. Respondo sentir muito. E que nenhuma demência, nem a senil, altera o caráter do indivíduo.

Isso me leva a um fato relatado pelo jornalista Júlio Lerner. Júlio pretendia escrever um livro sobre Stefan Zweig. E me perguntou se poderia receber sugestões de Dines, autor de um livro sobre aquele escritor. Recomendei. Dias depois, Júlio veio à minha procura. Tinha sido recebido por Dines, a quem não conhecia. Quando Lerner relatou que trabalhara na Folha, Dines lançou uma gravíssima e odiosa série de difamações sobre diretores do jornal, Em seguida, ao saber da intenção de Júlio Lerner de escrever algo sobre Zweig, não suportou a concorrência e, respondendo com um sonoro “ponha-se para fora”, saiu da sala. Constrangida, a mulher de Dines pediu desculpas e justificou o ato dizendo que o marido estava sendo submetido a tratamento psiquiátrico.

Louco ou mau caráter? Provavelmente os dois!

 

Comentários

8 thoughts on “A réplica de Boris Casoy aos ataques de Alberto Dines na revista da ABI

  1. Pois é seu Boris {já te xinguei muito, jamais deixando de te respeitar e até admirando} ainda bem que a memoria/dedinhos/linguinha continuam tinindo

  2. Fábio,
    que traulitada!!
    Mais um ícone que se esvai pelo ralo.
    De certa forma, isso me entristece. Ao mesmo tempo, serve para me manter atento à falibilidade humana.
    Abs.,
    de Marcelo.

  3. Alberto Dines ja foi devidamente desmascarado pelo grande jornalista Helio Fernandes, da TI

  4. Tirem as magens de mohel da sala, pode correr sangue.

    Aproveito para relatar algo inusitado na seara jornalística.

    Há mui que programas de auditório e outros fazem merchandising durante o mesmo. O animador deixa de fazer o que está fazendo e começa a elogiar certo produto. Virou lugar comum.

    Entranto dias destes assistindo ao Jornal do SBT (edição noturna) entre as notícias o Carlos Nascimento deu a seguinte notícia “A Caixa anunciou que vai baixar ainda mais suas taxas de juros” asseverou que iria de tanto para tanto e que a redução é bem vinda e outros elogios.

    Já ficou com cara de propaganda, afinal ficou bem desconectada das demais notícias, mas o mais curioso é que durante a notícia atrás do apresentador havia a aplicação do banner da Caixa Economica Federal.

    Então estava lá o Carlos Nascimento falando da redução de juros somente na CEF e atrás dele, nada de números ou alusões a juros, havia sim um banner projetado da Caixa.

    Em minha humilde opinião isto não foi notícia, foi propaganda. Merchand na Sônia Abraão tudo bem, mas em telejornal é uma mácula ao compromisso de isenção dos jornalistas envolvidos, mormente, a considerar a suspeitíssima absorção do banco Panamericano pela própria CEF.

    Parabéns pela série de reportagens do Jornal da Band sobre os menores infratores. Está ótima, ouvindo ambos os lados (pessoas sérias x sonhadores hippies), só falta entrevistar os deputados e senadores que são contra a redução da maioridade penal e os contrapor contra quem sofreu na carne e no espírito na mão destes pequenos monstros que dão risada de suas vítimas pois sabem que sairão impunes.

  5. Quer dizer que essa história do homem da Coca Cola foi invenção do Dines? Na época até as crianças comentavam… Não,não deve ser louco,é um tremendo mau caráter.

  6. Parabéns ao Bóris. Finalmente aparece alguéwm com coragem para desmascarar Alberto Dines, essa mentira da imprensa nacional.

  7. O único caráter visível no Sr. Dines é reptiliano. Mas era assim antes. Sem essa de
    de demencia agora.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *