MPF quer afastamento do comando da PM em SP

O Ministério Público Federal (MPF) quer entrar com uma ação civil pública pedindo o afastamento do comando da Polícia Militar em São Paulo, alegando a perda do controle da situação. A medida será apresentada amanhã, quinta-feira, em audiência pública organizada pelo órgão em parceria com a Defensoria Pública, o Conselho Estadual dos Direitos da Pessoa Humana (Condepe) e o Movimento Nacional de Direitos Humanos.

Segundo o procurador da República Matheus Baraldi Magnani, a Justiça Federal pode atuar quando tratados e convenções internacionais são desrespeitados, como aqueles assinados pelo Brasil se comprometendo em garantir direitos individuais. “A ideia é também apresentar uma representação ao procurador-geral pedindo a intervenção federal no Estado. São medidas que ajudam a retirar a sensação de poder e de corpo que vem garantindo a impunidade e permitindo ações violentas por parte da PM”, afirmou o procurador Magnani.

Outra medida que a ação pretende cobrar é a proibição da prisão em flagrante para casos de “desacato à autoridade”. “Muita arbitrariedade tem sido cometida pelas autoridades por causa de supostos desacatos.”

Segundo a defensora pública Daniela Skromov de Albuquerque, o objetivo da audiência pública é chegar a ações concretas que sirvam para coibir a violência policial. “O caso do publicitário (Ricardo Prudente de Aquino, de 39 anos, morto na semana passada por PMs durante abordagem desastrosa em Pinheiros) não foi acidente. Foi resultado de um problema estrutural na PM”, afirmou a defensora. A família de Aquino e comandantes da PM foram convidados para o evento. Procurado, o comando da corporação afirmou que não havia sido notificado e, por isso, não comentaria o caso.

Ataques

O grupo Mães de Maio, criado por parentes de jovens assassinados após ataques do Primeiro Comando da Capital (PCC) em São Paulo, em maio de 2006, vai protocolar hoje em Brasília carta à presidente Dilma Rousseff cobrando medidas que, há seis anos, não saem do papel. Elas acusam PMs pela morte de parte deles. “Como nada foi feito, a violência volta a se repetir”, diz Débora Maria da Silva, coordenadora do grupo.

Entre as demandas estão o acompanhamento federal jurídico e político do crescimento da violência no Estado; parecer sobre pedido de federalização dos chamados crimes de maio de 2006, quando 493 pessoas morreram em uma semana, após os ataques do PCC; abolição dos registros de casos de “resistência seguida de morte”; e a criação de uma Comissão da Verdade para crimes policiais.

Beba na fonte: MPF quer afastamento do comando da PM em SP – Diário do Grande ABC.

Comentários

9 thoughts on “MPF quer afastamento do comando da PM em SP

  1. Como anedota, é sem graça. Se for sério é ridículo. O Estado com melhores índices de segurança tem é que ser elogiado. Mas todo ano de eleição é assim mesmo.
    TEm muitos promotores vendidos que sempre agiram assim.Quem não lembra do tal do luiz francisco, seboso indo para cima dos ministros do FH. Com os petralhas no “pudê”, sumiu do mapa. Foi estudar em Coimbra.

  2. Poxa Pannunzio, o que esta acontecendo com seu blog. Replicando noticias como esta sem emitir sua opinião, ou trazer informações que possa trazer mais esclarecimentos.

    Para mim esta muito obvio que nesta questão tem a mão do PT pra desestabilizar a eleição em prol do Haddad? É tão obvio que, como em 2006, o PCC age por um estreito relacionamento com o PT, e se for mais fundo vai encontrar ai até as FARC, Forum de São Paulo, estes ditadores produtores de cocaína etc etc etc. São Paulo continua a cidade mais segura destepaiz, embora muito longe do ideal. Eu moro em Salvador e aqui é uma tragédia, como é em todo o Brasil. Por que este MPF não faz uma intervenção aqui na Bahia? Porque em todos os cantos deste pais não se executa uma politica de combate ao crack? D acordo com a opinião do Reinaldo Azevedo, o procurador federal Matheus Baraldi Magnani que anunciou que vai entrar com uma ação pública foi demitido pelo Conselho Nacional do Ministério Público porque concedeu uma entrevista sobre uma investigação que estava em curso e passou a jornalistas informações sigilosas. Este sujeito tem sede de estrelato e em seu blog você esta dando palco e holofotes para este tipo de vaidade doentia.

    • O MPF jamais vai fazer marketing jurídico onde há administrações “progressistas”, portanto Bahia, Ceará, e a Capitania Hereditária dos Arraes, antigamente conhecida como Pernambuco, jamais serão alvo do MPF (que virou valhacouto de vigaristas ideológicos e idiotas sonhadores)

  3. Este procurador não é aquele que foi punido quase com demissão por vazar processo sigiloso?
    De noite, ao abrir a geladeira, deu entrevista! hehehe

  4. Não entendo por que o MP não faz seu trabalho investigando o caso. Não é seu papel?

    Ou São Paulo não possui Ministério Público?

    Ou este procurador, que estava suspenso até estes dias, gosta de aparecer? Ou a defensora pública não era aquela que queria que a prefeitura deixasse a cracolândia se drogar em paz?

  5. Por que esse procurador e essa defensora não propõem uma Ação Civil Pública para obrigar os membros do PCC e criminosos em geral, não só de São Paulo, mas de todo o país, a não resistirem à voz de prisão e a não atirarem nos policiais e nas vítimas?
    Pelo amor de Deus!! A inversão é total!!
    Creio que o MPF deva ter inúmeras coisas mais importantes para se ocupar, mas a vaidade do ser humano nessa hora fala mais alto!! Colar de melancia para ambos!!
    Ah! E a defensora, por que não vai assistir a população carente em Francisco Morato, por exemplo?
    Tenho certeza que a ação da defensoria defendendo OS NECESSITADOS e não os bandidos que amedrontam a população, seria muito mais útil!!

  6. Eu quero saber quantos processos administrativos de cidadãos pobres estão parados no prédio da Defensoria Pública do Estado de São Paulo sem que seja proposta ação judicial alguma. Milhares? Esta Defensora age como sem-vergonha, pois em vez de ajudar a população a buscar seus direitos usa seu tempo para fazer proselitismo contra uma instituição que combate a impunidade .

    Eu quero também saber quantos processos administrativos estão parados no prédio do Ministério Público Federal. Os corruptos devem estar comemorando que o Procurador de Justiça vai na tal audiência em vez de propor ações em favor da população.

    Sem-vergonhas! Intervenção neles também, até porque o caso de negligência deles é mil vezes mais grave.

    Mario.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *