Cachoeira usa depoimento para declarar amor à mulher

Alana Rizzo

No segundo dia de audiência do Caso Cachoeira, Carlos Augusto Ramos se recusou a responder as perguntas do juiz Alderico dos Santos. O contraventor disse que “gostaria de fazer um bom debate com o Ministério Público Federal”, mas que diante das falhas processuais foi orientado a permanecer em silêncio.

A sessão foi encerrada no final da tarde desta quarta-feira, 25. Santos concedeu prazo de três dias para que a defesa apresente os pedidos de diligência e mais 10 dias para as alegações finais. Ele não se manifestou sobre a manutenção da prisão de Cachoeira, que foi levado para o présídio da Papuda, em Brasília. A defesa vai entrar com um novo pedido de habeas corpus. A expectativa é que o julgamento dure 30 dias.

O MPF pediu condenações superiores a 20 anos de prisão.    Durante o seu depoimento, Cachoeira usou o tempo de defesa para fazer declarações de amor a Andressa Mendonça, que acompanhava o depoimento na primeira fileira. “Ela me deu a vida. Te amo.” Questionado sobre seu estado civil, ele disse que se casaria com Andressa assim que o MPF o liberasse. “Estou sofrendo demais porque virei um leproso jurídico”, disse, em referência às decisões judiciais.

Cachoeira foi o quarto réu da Operação Monte Carlo a depor nesta quarta-feira, 25. Idalberto Matias de Araujo, o Dadá, apontado como araponga de Cachoeira, falou em seguida. Todos negaram as acusações. As audiências de instrução do processo dos oito réus da Monte Carlo foram encerradas na terça-feira, 24, na Justiça Federal de Goiás

Beba na fonte: Em julgamento, Cachoeira usa depoimento para declarar amor à mulher – politica – politica – Estadão.

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *