Roldão Arrdua A reforma agrária no Brasil parou. Mas a agitação no Movimento dos Sem-Terra (MST) é grande. O movimento tem sido um dos principais articuladores no...

Roldão Arrdua

A reforma agrária no Brasil parou. Mas a agitação no Movimento dos Sem-Terra (MST) é grande.
O movimento tem sido um dos principais articuladores no Brasil de manifestações de apoio ao presidente Hugo Chávez, da Venezuela. Também esteve à frente de atos de repúdio ao afastamento de Fernando Lugo da presidência no Paraguai. No site da organização são recorrentes as referências às questões da política latino-americana.
Como explicar tanta preocupação? Segundo João Pedro Stédile, principal líder do MST, o interesse pela Venezuela se deve ao fato de estar no centro da disputa política do continente. A vitória ou derrota de Chávez, nas eleições de 7 de outubro, influenciará a política de todos os países da região, acredita o líder dos sem-terra.
Stédile tem falado muito sobre o tema. Na terça-feira, 24, ao participar em São Paulo de um encontro destinado a discutir iniciativas de apoio a Chávez nas eleições, disse:  ”A derrota dele seria a derrota de todo o processo que está em curso nos últimos doze anos na  América Latina.”

Beba na fonte: MST mobiliza forças em defesa de Chávez e ataca “império” – Roldão Arruda – Estadao.com.br.

Comentários

  • SideShow Bob

    31/07/2012 #1 Author

    O MST apoiar o Chavez não surpreende, nem deve por si ser atacatado.

    O problema é que o MST não existe juridicamente. Não possui CNPJ, sede, estatuto, presidente, ou seja, é um ajuntamento que existe apenas e tão somente para massa de manobra de interesses das esquerdas, sejam as radicais bolcheviques, sejam às róseas ecoterroristas.

    Ora, para uma organização que sequer pode ter conta em banco, como banca apoio a Chavez e à Lugo.

    Caramba!!!!! Para ser candidato à vereador em Brejolândia o sujeito já gasta uns R$20.000,00, imagina o quanto não se gasta para auxiliar em uma eleição presidencial e a tentativa de um golpe.

    Sabe-se que a principal fonte de recursos do MST somos nós contribuintes através dos governos do PT, bem como a extorsão dos fazendeiros, no melhor estilo máfia camorra (ou você nos paga, ou invadiremos e destruiremos sua plantação e suas rezes) e por fim a extorsão dos próprios assentados.

    Entretanto, creio que se os políticos de oposição realmente quisessem descobrir todos os elos desta engrenajem mafiosa poderia punir os responsáveis pelo desvio do erário, bem como reduzir a ação mafiosa no campo.

    Opa, lembrei que na banânia não há oposição.

    Responder

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *