No final da sessão de julgamento do mensalão nesta quinta-feira, pelo Supremo Tribunal Federal (STF), o procurador-geral da República, Roberto Gurgel, afirmou que não...

No final da sessão de julgamento do mensalão nesta quinta-feira, pelo Supremo Tribunal Federal (STF), o procurador-geral da República, Roberto Gurgel, afirmou que não irá pedir pelo impedimento do ministro Dias Toffoli no processo. Segundo Gurgel, se tivesse pedido isso na sessão de hoje, atrasaria o julgamento.

Perguntado se Toffoli continuará no processo, Gurgel disse:
– A meu ver, sim.

Gurgel decidiu não pedir o afastamento após examinar e ponderar sobre todas as circunstâncias do caso.
– Ponderando aspectos técnicos e também aspectos estratégicos, a conclusão da Procuradoria Geral da República foi a de que não convinha ao Ministério Público tomar uma iniciativa que provocaria o adiamento do julgamento ou, até mesmo, a inviabilização do julgamento, pelo menos num prazo razoavelmente curto. O objetivo do Ministério Público é exatamente o oposto, de que o julgamento aconteça no menor tempo possível – afirmou.

Para Gurgel, ficou evidenciado na sessão inicial que a defesa esforça-se por protelar o julgamento, “não podendo o Ministério Público contribuir de qualquer forma para que esse objetivo seja alcançado”.
O próprio Dias Toffoli sinalizou que não pretende pedir afastamento. Na sessão de hoje, o ministro votou sobre questão de ordem feita pelo advogado Márcio Thomaz Bastos, que defende o réu José Roberto Salgado (ex-diretor do Banco Rural), pedindo cisão do processo. Durante sua explicação, o ministro afirmou que os argumentos usados para analisar a questão de ordem fazem parte de seu voto sobre o processo.

Toffoli era subordinado a um dos réus do processo, José Dirceu, quando estava na Advogacia Geral da União durante o governo Lula. Além disso, a namorada de Toffoli, Roberta Maria Rangel, trabalhou na defesa do professor Luizinho, então líder do governo na Câmara na época do escândalo.

No primeiro dia de julgamento, a decisão sobre questão levantada pela defesa adiou a sustentação oral do procurador-geral da República, que será realizada amanhã

Beba na fonte: Procurador-geral não pedirá impedimento de Toffoli – O Globo.

Comentários


Sem comentários ainda.

Comente!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *