O Mensalão de Ravel

Sandro Vaia, no Blog do Noblat

O dia da estréia do julgamento do Mensalão no STF foi mais emocionante do que a estréia de Rafinha Bastos no Saturday Night Live.

O ministro Lewandowski – que nao se perca pelo nome – gastou uns bons 70 minutos para executar o seu Bolero de Ravel, uma variação longa e mortalmente entediante sobre um mesmo tema: a defesa do desdobramento do julgamento, que havia acabado de ser pedido pela milionária verve do ex-ministro da Justiça Márcio Thomas Bastos, defensor de alguns réus do mensalão, e agora livre dos incômodos liames com o contraventor Cachoeira.

Detalhe: o próprio Lewandovski, o que foi lembrado com inusitada irritação pelo relator Joaquim Barbosa, já havia votado anteriormente contra o desdobramento do processo.

O truque era tão engenhoso quanto barato: o desdobramento, se aprovado, significaria mandar para a primeira instância o julgamento de todos os réus que não dispõem de mandato parlamentar e consequente direito a foro especial: ou seja, dos 38 réus, 35 seriam julgados em primeira instância, inclusive o denominado (pelo Procurador- Geral da República) “chefe da quadrilha”, José Dirceu.

O que isso significaria em termos de prescrição, de adiamento, de procrastinação, de recursos e de enrolações em geral, é incalculável. Para os réus, seria simplesmente algo parecido com o paraíso.

A decisão, que em condições normais de temperatura poderia ser tomada em meia hora, com os ministros respondendo à questão com um simples “sim” ou “não”, foi soterrada por uma avalanche de bacharelismo mais entediante do que uma partida de biriba com a sogra surda.

Mas, enfim, é a vida. O primeiro truque que o imbatível Thomaz Bastos tirou de sua inesgotável cartola foi soterrado por 9 votos a 2, o que comprova que nem no Olimpo do Direito os deuses são infalíveis.

O strike visivelmente combinado com o parceiro Lewandowski falhou, mas a dupla ainda pode tentar ganhar o jogo com algum “spare”.

O ministro Dias Toffoli, cuja isenção é arguida em off pelo Procurador-Geral da República e em “on” por vários advogados judiciosos, acabou votando contra os interesses de quem em tese estaria inclinado a defender, e deu uma demonstração de independência – que por sinal não é a primeira – mas estará, justamente ou não, sob suspeição até o final do julgamento, e agiria com correção e lisura se se abstivesse de participar.

Logo depois, Joaquim Barbosa leu um resumo de seu relatório e o primeiro dia de julgamento perdeu-se num vácuo de inutilidade que promete estender-se numa interminável procissão de filigranas jurídicas.

Isso quer dizer que levará ainda um bom tempo até que possamos medir a profundidade das cicatrizes que o mensalão deixou tatuadas nas instituições políticas brasileiras.

Beba na fonte: Blog de Ricardo Noblat: colunista do jornal O Globo com notícias sobre política direto de Brasília – Ricardo Noblat: O Globo.

Comentários

3 thoughts on “O Mensalão de Ravel

  1. Veja passagem de reportagem do Estadão, Pannunzio:

    “(…)a assessora especial do ex-presidente e diretora do Instituto Lula, Clara Ant. “Ele não vê o mensalão, está assistindo a Olimpíada e a novela da Carminha”, disse, referindo-se à novela Avenida Brasil, da Rede Globo. Carminha é a personagem vivida pela atriz Adriana Esteves, que abandonou sua enteada, a pequena Nina (Débora Falabella) num lixão. Depois de adulta, Nina retorna para se vingar da madrasta.

    De acordo com a assessora, Lula acompanha a novela e tem uma teoria sobre a trama. “Ele tem uma análise pessoal sobre a semelhança da novela com a vida e também, um pouquinho, com a política”, contou. Ela não quis revelar de qual personagem o presidente mais gosta.(…) ”

    Fonte:

    http://www.estadao.com.br/noticias/nacional,em-dia-de-mensalao-lula-ve-olimpiada-e-novela,910650,0.htm

    Mario.

  2. Essa perda de tempo e excesso de bacharelismo que vc. citou são as marcas do nosso sistema processual. Anos a fio são perdidos em todos os casos. É um integrante notável do custo Brasil. Mas ninguém fala nada sobre isso…
    Abs.,
    de Marcelo.

    Vc. mandou bem no debate de ontem. Pena que os candidatos não ajudaram muito…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *