Defesa de mensaleiros reúne mais de 150 advogados

Um batalhão de mais de 150 advogados dos 30 maiores escritórios de criminalistas do Brasil entra em cena a partir de segunda-feira para, numa ação coordenada, tentar livrar seus clientes da condenação no julgamento do mensalão, no Supremo Tribunal Federal. Cada um dos advogados principais de cada réu terá uma hora para sua sustentação oral perante os 11 ministros, o que significa que eles passarão oito dias, pelo menos, defendendo seus clientes e mirando no Ministério Público, que consideram o inimigo comum de todos.

A maior parte do grupo troca figurinhas e não investe em conflito entre eles. Muitos reconhecem que estão trabalhando num julgamento histórico. Dizem ser atípico, por reunir o maior número de advogados já visto num caso.
Na linha de frente estão grandes criminalistas e outros advogados mais modestos — tanto que o preço cobrado varia de R$ 6 milhões a R$ 500 mil, além de dois que trabalham de graça. Mas nenhum deles fala em cifras. É o caso de Luiz Francisco Corrêa Barbosa, advogado do ex-deputado Roberto Jefferson, presidente do PTB e autor da denúncia do mensalão; e de Márcio Silva, que participou da defesa de petistas no início do processo.
Réus tem mais de um advogado

Poucos réus têm apenas um advogado fazendo sua defesa. Normalmente, são grupos de cinco a sete que se dedicam exclusivamente a um único cliente. Esses batalhões acompanharam, além dos réus, os mais de 700 testemunhos de todo o processo país afora.
O mineiro Marcelo Leonardo, responsável pela defesa de Marcos Valério, trabalha com outros sete advogados no caso. Lembrando que os bens de seu cliente estão bloqueados desde 2005, mas evitando falar quanto cobra, ele conta que viajou o Brasil inteiro, do Acre ao Paraná, para acompanhar o depoimento de testemunhas e buscar provas para isentar o réu mais encrencado na Ação Penal 470, o conhecido processo do mensalão.
Ele é um dos que confirmam que o corpo de advogados do mensalão trabalha afinado, mirando derrotar o Ministério Público.
— Nos reunimos sempre para discutir as estratégias porque nosso adversário comum chama-se Ministério Público Federal. Somos todos muito amigos e, se tem um conflito entre a gente, isso é munição para a acusação — disse Marcelo Leonardo.
Todos fazem questão de dizer que participar do caso dá muita visibilidade, por ser um processo atípico, com muita repercussão na mídia.
— Esse é o maior caso de que (o escritório) Luiz Fernando Pacheco já participou. É histórico — diz o advogado do ex-presidente do PT José Genoino, o próprio Pacheco, que também trabalha com outros sete advogados auxiliares.
Pacheco igualmente nega-se a detalhar os “cinco dígitos” que cobra de seu cliente:
— Cobrei uma quantia muito módica porque ele não pode pagar. O PT está ajudando. O Genoino é tão pobre que não tem um gato para puxar pelo rabo.
Márcio Silva, que não é criminalista, atuou na defesa dos ex-deputados petistas Professor Luizinho e Paulo Rocha de graça, no início. Mas depois sublocou os escritórios criminalistas de Piero Paulo Botini , que responde por Luizinho; e de João Gomes, que defende Paulo Rocha.
— Faço isso porque são meus amigos. Isso é relativo. Qualquer advogado criminalista tem interesse em estar neste que é chamado de o processo do século, que tem uma enorme repercussão de mídia. É um processo atípico. Não tenho notícia de um processo envolvendo tantos advogados como este — diz Márcio Silva.
Já Luiz Francisco Corrêa Barbosa, advogado de Roberto Jefferson, afirma não estar cobrando nada do seu cliente, de quem é amigo e colega.
— Ele não tem dinheiro. É meu amigo, meu colega de escritório e companheiro de partido. Ele me pediu para patrociná-lo, e eu aceitei. Quando vejo uma ovelha cercada por dez cachorros, sou advogado da ovelha.
Uma das estrelas dessa constelação de advogados, o ex-ministro da Justiça Márcio Thomaz Bastos trabalha apenas com duas secretárias e uma advogada. Prefere, em vez de montar uma grande estrutura, associar-se a escritórios de amigos.
Já Antonio Carlos de Almeida Castro — o Kakay — tem em seu escritório, atuando na defesa do publicitário Duda Mendonça e sua sócia Zilmar Fernandes, um grupo de cinco advogados, além de estagiários.

Beba na fonte: Defesa de mensaleiros reúne mais de 150 advogados – O Globo.

Comentários

2 thoughts on “Defesa de mensaleiros reúne mais de 150 advogados

  1. Será que o MPF não poderia “dar uma olhada” em como é feito o pagto para esses tantos Doutores Advogados??????

  2. Créuremildo , o otimista ( será primo da VIVI ?), começou o domingo em êxtase !! Tantas boas notícias nos últimos tempos ! Descobriu-se, de repente, quase “crasse” média (faltam só trezentinhos para chegar lá nos R$ 1300 e, mais umas bolsinhas miséria aqui e alí e …) ! O Botafogo ganhou de virada , não vai mais ser roubado e pode ser até campeão ! Tio Lula está curado e até falando bem (dublado, mas está). O inss vai devolver o que afanou nos últimos anos lá por 2015 e, quem sabe, isso não ajuda a comprar um iatinho ou um cavalinho e eu ganho uma medalha de bronze nas Olimpíadas do Rio ? Iatismo e hipismo são esportes da ” crasse” média, gente ! E, agora isso ! Leu naquela revista que só publica verdades petistas verídicas e verdadeiras (Carta Capintal a que alimenta os cérebros petistas, né ?) pendurada na banca da esquina, que os “adevogados” do PT iam acabar com o tal MENSALÃO ! Resolveu comemorar no melhor estilo. Recortou de um jornal fotos da Menicucci, Ideli e Guadanin, entrou no cospe grosso da esquina, pediu um copo de tubaina, foi para o banheiro “cheirosinho” e, praticando a covardia (5 contra 1), exclamou, todo pimpão e feliz: “Isto é que é vida, gente !
    Mulheres, sexo e champanhe !!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *