Desembargadores: rendimentos em alta, produtividade em baixa

Em junho, os desembargadores do país receberam, em média, remunerações superiores ao atual teto constitucional brasileiro, o que, mesmo assim, não tem representado alta produtividade no andamento dos processos. A conclusão é de levantamento realizado pelo GLOBO, que cruzou a folha de pagamento dos tribunais de Justiça estaduais com pesquisa realizada pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ) sobre a taxa de congestionamento das ações que correm na segunda instância do Judiciário.
O GLOBO pesquisou folhas de pagamento dos 16 tribunais de Justiça que cumpriram, total ou parcialmente, a determinação que obrigou a divulgação nominal dos salários de magistrados e servidores. O vencimento médio dos desembargadores, no mês de junho, foi de R$ 31,8 mil, montante acima do teto constitucional, de R$ 26,7 mil.
A última edição da Pesquisa Justiça em Números, do CNJ, apontou no Tribunal de Justiça do Mato Grosso (TJ-MT), no qual o rendimento médio dos desembargadores chegou a R$ 49.501,97, que a taxa de congestionamento foi de 52,6%, acima da média nacional, que é de 48,2%. No período, os maiores valores foram pagos aos desembargadores Paulo da Cunha (R$ 64.708,54) e Dirceu dos Santos (R$ 57.383,31). O órgão de justiça alega que o mês foi atípico, uma vez que os magistrados receberam parte da indenização de férias não gozadas, “após o acúmulo de dois períodos”.
Com uma taxa de congestionamento de 35,1%, o Tribunal de Justiça do Rio (TJ-RJ) pagou em junho aos seus desembargadores um valor médio de R$ 39.878. O maior rendimento foi do desembargador Plinio Pinto Coelho Filho, que recebeu, no período, R$ 119.764,07, o maior valor encontrado pelo GLOBO nas folhas de pagamento. No Rio, 30% dos desembargadores e juízes receberam acima do teto. O menor vencimento foi recebido pela juíza Ana Paula Rodrigues Silvano ( R$ 11.028,40).
No Ceará, que possui a maior taxa de congestionamento do país, 70,5%, os desembargadores tiveram um rendimento médio, em junho, de R$ 33.331,66. Em São Paulo, o maior TJ do país, que teve um percentual de 63,2% de congestionamento, apresentou uma média salarial de R$ 30.404.
No Amazonas, média salarial alcançou R$ 55,9 mil
Em meio à discrepância entre rendimentos e produtividade, o levantamento constatou casos de órgãos que apresentaram rendimentos altos, porém com baixo índice de congestionamento. O caso mais emblemático foi no Tribunal de Justiça do Amazonas (TJ-AM), cujos desembargadores receberam, em média, no mês de junho, R$ 55.985,94.
A taxa de congestionamento foi uma das menores do país, de 25,1%. Por lá, o salário mais alto foi o da desembargadora Maria das Graças Figueiredo, que teve um rendimento, no período, de R$ 79.036.57.
Um outro episódio semelhante foi o do Tribunal de Justiça do Amapá (TJ-AP), no qual os desembargadores tiveram uma média salarial de R$ 37.299,44. O porcentual de congestionamento, segundo a última edição da Justiça em Números do CNJ, foi de 19,9%. No estado, o desembargador Mário Gurtyev de Queiroz recebeu, no período, R$ 71.706,89.
No Maranhão, a taxa de congestionamento foi de 29,5%, enquanto a média salarial chegou a R$ 34.185,86.

Beba na fonte: Desembargadores: rendimentos em alta, produtividade em baixa – O Globo.

Comentários

One thought on “Desembargadores: rendimentos em alta, produtividade em baixa

  1. RUA DESCALÇA.

    Atravesso, a passos ligeiros,
    os paralelepípedos que vestem a estrada.
    Não sei se a trilha é correta, ando,
    a cata de um sol tardio.

    Nua, em sua essência, está a terra.
    Cinza, em sua angustia, o tempo.
    Brota um amanhecer fingido,
    homens feridos, horas doentes.

    Há um reino;
    sem ordem, nem palavras.
    Uma comédia…
    sou o bobo da corte.

    Rio, faço rir.
    Choro, faço chorar.
    Fecho-me em dúvidas,
    sou um feliz consumidor.

    Abomino os sonhos,
    jogo-os fora.
    Mato uma barata,
    quero salvar o mundo!?

    O que me resta
    em herança:
    paralelos furtados…
    Rua Descalça.

    (fonte: Tininho)

    Pesquei este poema. Traduz a realidade diante dos episódios que nos afrontam.

    Sem maiores comentários….

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *