Eliane Cantanhêde João Paulo Cunha nasceu em Caraguatatuba (SP), de uma família como milhões de outras neste país afora, e foi um menino como...

Eliane Cantanhêde

João Paulo Cunha nasceu em Caraguatatuba (SP), de uma família como milhões de outras neste país afora, e foi um menino como milhões de outros neste país afora. Mas embicou na vida pública como muito poucos.

Já em Osasco, para onde foi com a família ainda criança, tornou-se metalúrgico e participou ativamente da Pastoral da Juventude, da mobilização de operários, da fundação do PT. Brandia a ética e a igualdade. Bom menino, bom rapaz.

Tudo mudou quando Lula subiu a rampa do Planalto, o PT deixou de ser oposição e se atirou de corpo e alma aos prazeres e às chances do poder. Sem lastro político nacional, sem verniz intelectual, sem liderança parlamentar, João Paulo deu um salto maior que as pernas: assumiu a presidência da Câmara dos Deputados já no primeiro ano de Lula.

O início do fim. Trocou o passado de lutas e o futuro promissor por um vício: a embriaguez do poder, em que “os fins justificam os meios”. Quis ser tudo, virou nada. Ontem, o Wikipédia já dizia que João Paulo Cunha “foi” um político brasileiro.

Sua condenação pelo Supremo Tribunal Federal, por contundentes 9 a 2, entra para a história como o fim de uma era. Vai-se a impunidade, vem a responsabilidade. A Câmara dos Deputados, o Banco do Brasil, a Petrobras, a Presidência da

República -as instituições, enfim- não têm donos, ou dono. São do Estado e servem à nação.

Isso vale para o Supremo, até mais do que para todas as demais. Lê-se que Lula está triste, acabrunhado, por sentir-se “traído”. Dos 11 ministros (incluindo Peluso), 8 foram colocados ali nos governos petistas e só 2 votaram pela absolvição de João Paulo -por extensão, do PT.

A corte suprema não vota mais com os poderosos, pelos poderosos. Julga com a lei, pela justiça. Inaugura, assim, um novo Brasil.

Bons meninos terão de se comportar sempre como bons cidadãos.

Beba na fonte: Folha de S.Paulo – Opinião – Os bons meninos – 02/09/2012.

Comentários

  • Jacutinga

    03/09/2012 #1 Author

    Huumm !!
    Diz o velho ditado: “Quem nasceu para lagartixa, nunca chega a jacaré”.
    E digo eu, o “velho deitado”: “Lagartixa quando vira Jacaré, tem apetite voraz e insaciável !”
    Estes bichinhos insignificantes, quando chegam ao poder, sofrem metamorfoses interessantes. O poderoso “chefão”, que antes era Lula (Paz e amor), virou um verdadeiro POLVO , com oito braços trabalhando em benefício próprio !
    Chega de incomPTencia e enganação !
    Voeeii…

    Responder

  • Marcelo

    03/09/2012 #2 Author

    “A corte suprema não vota mais com os poderosos, pelos poderosos. Julga com a lei, pela justiça. Inaugura, assim, um novo Brasil.”

    Pura frase de efeito. Talvez seja para afagar o ego dos ministros (o que faz certo sentido).

    Mas ainda falta muito para o judiciário brasileiro ter alguma credibilidade fora do campo dos poderosos, quiçá “inagurar um novo Brasil”.

    Responder

  • Nando

    03/09/2012 #3 Author

    Os bons meninos que vão recepcionar “o bom menino do lullalau”, com certeza, vão cantar em coro: CARNE NOVA, CARNE NOVA, CARNE NOVA…, enquanto esfregam as mãos!!!

    Responder

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *