A reforma eleitoral deve aplicar restrições para os sites noticiosos aturem durante a cobertura das eleições. A ideia que está em discussão é equiparar...

A reforma eleitoral deve aplicar restrições para os sites noticiosos aturem durante a cobertura das eleições. A ideia que está em discussão é equiparar a atuação dos sites ao dos jornais impressos –assegurando regras, por exemplo, para o direito de respostas.

A proposta deve manter, no entanto, a liberdade de expressão para blogs, sites de relacionamento e Twitter. O texto original da reforma estabelecia que a internet deveria ser regulamentada como rádios e televisões –impedido a emissão de opiniões.

Os relatores da reforma no Senado, Eduardo Azeredo (PSDB-MG) e Marco Maciel (DEM-PE), discutiram na manhã desta terça-feira com senadores e o coordenador da reforma na Câmara, deputado Flávio Dino (PC do B-MA), ajustes no texto. A expectativa é que a matéria seja votada na quarta-feira pelo plenário do Senado.

“Acabou essa ideia do liberou geral. Estamos discutindo regras para o conteúdo próprio dos sites e vamos colocar claramente no texto os pontos que as empresas de comunicação social que estão na internet podem ou não podem fazer. A nossa proposta é deixar a opinião para os blogs assinados por pessoas físicas, sites de relacionamento, como o Orkut, e o Twitter também”, disse Dino.

A emenda apresentada pelo líder do PT no Senado, Aloizio Mercadante (SP), que sugeria a extinção de artigo da reforma que impede aos sites veicular propaganda política ou difundir opinião favorável ou contrária aos candidatos e partidos encontrou resistências entre os senadores e o coordenador da Câmara. Mercadante afirmou que vai insistir na proposta, apresentando uma emenda de plenário. “O ideal seria liberdade total da internet”, disse.

Para a internet, os parlamentares discutem uma nova regra garantindo espaço para todos os candidatos participarem dos debates –pelo atual texto estaria assegurada a participação de dois terços dos candidatos. Seria permitido que os sites fizessem mais de uma rodada de debates colocando todos os políticos que disputarem o pleito. “Não se pode impedir um candidato de expressar sua opinião”, afirmou Dino.

Na reunião, os senadores sinalizaram que devem entrar em consenso em relação à regulamentação da internet, mas prometem não recuar em relação à determinação para impressão de 2% dos votos, ao impedimento para clubes de futebol e suas entidades realizarem doações e a proibição para voto em trânsito, que autoriza eleitores a votar fora de seu Estado domiciliar.

O texto aprovado na semana passada pelas comissões do Senado tirou esses pontos da reforma. “Acredito que esses pontos específicos passarão por uma nova votação da Câmara”, afirmou Dino.

Como a proposta foi alterada pelo Senado, terá que ser analisada mais uma vez pela Câmara. Para valer para as eleições de 2010 é preciso que o texto seja aprovado pelo Congresso até dia 30 de setembro e sancionado pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva até o dia 2 de outubro.

Comentários


Sem comentários ainda.

Comente!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *