Era uma vez um reino de panacas com um governo muito esperto. Os espertos, desde que o primeiro deles se instalou no lugar, pintavam...
Os espertos tangendo os panacas (Ilustração: O Flautista de Hamelein)

O Flautista de Hamelein conduzindo os ratos para o rio.

Era uma vez um reino de panacas com um governo muito esperto.

Os espertos, desde que o primeiro deles se instalou no lugar, pintavam e bordavam. Porque o povo era panaca.

Assim, os governantes primeiro distribuíram miçangas, depois espelhinhos, radinhos de pilha para os panacas ouvirem a Copa de 70. E aí vieram as bolsas.

Estatizou-se algo que os próprias espertos coloniais não suportavam mais ao tempo da proclamação de Independência, da República, do Estado Novo, da República Nova, depois da Nova República.

Estatizaram o coronelismo.

Foi quando apareceram uns sujeitos mais espertos ainda dizendo que iriam tirar o povo da condição de panacas.

Os espertos reinventaram a história do País. Prometeram redimir os miseráveis, mitigar a violência, educar os panacas, fornecer-lhes iogurte e caviar.

Os espertos ficaram bem populares.  E os panacas pareciam estar bem contentes com os espertos populares.

Um belo dia, passados dez anos e meio do advento dessa nova casta de espertos, ouviu-se um ruído de mar revolto. Uma pequena tormenta, anunciada por relâmpagos  e trovões que soavam como o espocar de bombas e tiros de escopetas que disparam balas de borracha.

Os panacas ficaram inquietos. Não gostaram de ver seus filhos apanhar no meio da rua como se fossem cachorros sem dono.

Resolveram sair de casa. Todos ao mesmo tempo. Veio o tsunami.

As ruas, praças e avenidas ficaram repletas de panacas. Eles gritavam hinos de estádio de futebol. Não sabiam fazer discursos e por isso não discursaram.

Nunca haviam frequentado convescotes sindicais, nunca tinham ido a uma reunião de partido.  Nem a uma assembleia de condomínio.

Eram panacas destreinados, mas determinados a ponto de entender que bombas de efeito (i)moral e balas de borracha machucam, mas não matam. Alguns foram tacar pedra na política.

O eco dos trovões que acompanharam o tsunami correu o mundo.

Os espertos, acuados pela gritaria, começaram a se coçar. Reduziram o preço do transporte, criaram novas leis, mostraram que não estavam aí para brincadeira.

A chefe dos espertos disse que estava ouvindo o rugido dos panacas enfurecidos. Mas eles disseram “chega de pensar que somos panacas”. E ela entendeu “agora nós queremos ser tratados como babacas”.

Serviu-lhes uma consulta popular que ninguém pediu e, na sobremesa, uma constituinte exclusiva.

Os panacas voltaram para casa. E os espertos, achando que agora eles  todos eram babacas, voltaram a usar jatões e jatinhos dos panacas para seus regabofes particulares.

O reino ficou dividido, pensaram.

Quando tudo ficou quieto e calmo, os espertos passaram a achar que metade dos súditos era panaca, metade era babaca.

Só quem não mudou foram os espertos, que continuaram sendo os mesmos de sempre.

Comentários

  • Mancio

    06/07/2013 #1 Author

    Fantastico, parabens!!

    Responder

  • Elza A.

    05/07/2013 #2 Author

    Mas os espertos continuaram a passear de jatinhos, comendo caviar com guardanapos nas cabeças… Então os babacas, se tornaram amigos dos panacas e, pela primeira vez na vida, revoltados de verem seus filhos apanharem dos guarda costas dos espertos, que ganhavam mal e nem eram respeitados, começaram a cantar batendo palmas: O SALÁRIO QUE TE FALTA É A GASOLINA DOS JATINHOS do ESPERTO QUE TE ASSALTA! La rííí, la´rááá… Os guardas ouviram, pararam e pensaram… Lembraram que viram na TV os guardas no Egito ajudarem o povo revoltado e, buscaram saber quanto eles ganhavam no Egito… Em menos de uma semana os guardas dos espertos começaram a fazer corpo mole, na hora de dar pancada nos filhos dos panacas e babacas… Os espertos reclamaram e ameaçaram punir os guardas… Então, os guardas perderam a paciência e, de mãos dadas com os babacas, panacas e filhotes, invadiram os Departamentos e os Apartamentos dos espertos e, começaram a construir forcas nas praças desta ex-pacífica Nação…

    Responder

  • geraldo rocha pereira

    05/07/2013 #4 Author

    É os espertos acham que os panacas, não estão enxergando o que eles fazem, mas se enganam quem pensa assim os panacas estão de olhos bem abertos, se precisar nós voltamos as ruas.

    Responder

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *