Gilberto Scofield Jr. O governo dos EUA afirmou nesta segunda-feira que a proposta de venda dos caças F/A-18 Super Hornet, elaborada pela Boeing em...

Gilberto Scofield Jr.

O governo dos EUA afirmou nesta segunda-feira que a proposta de venda dos caças F/A-18 Super Hornet, elaborada pela Boeing em parceria com o Departamento de Estado, prevê a transferência de tecnologia envolvida em tudo o que foi aprovado pelo governo e que já está descrito na proposta entregue à Força Aérea Brasileira (FAB). A informação é de uma alta fonte do Departamento de Estado que acompanha o negócio.

Ele afirmou, no entanto, que não é sensato imaginar que essa transferência seja absoluta. Ou irrestrita, como chegou a dizer o presidente da França, Nicolas Sarkozy, em relação à venda de seus jatos Rafale.

– A transferência será de 100% de tudo o que foi acertado entre os dois países, mas toda a tecnologia é aprovada sob certas circunstâncias. Outros pontos são resolvidos diretamente entre os governos. O presidente Sarkozy fala de transferência irrestrita de tecnologia, mas que transferência é essa? Posso transferir para o Brasil 100% de uma tecnologia em que as Forças Armadas brasileiras não têm o menor interesse – disse o diplomata, num clara insinuação de que o presidente francês exagera em seu discurso.

O governo americano afirmou que a proposta estudada pela FAB também prevê a montagem do avião – que agrega projetos de 26 outras empresas no seu processo de fabricação – em solo brasileiro e até a venda do aparelho a outros países. No entanto, o diplomata ressalta que a fabricação do F/A-18 no Brasil encareceria em até três vezes o valor do caça, em comparação com o preço de compra diretamente dos EUA, por questões que misturam a escala de fabricação do jato à coordenação dos fornecedores e mão de obra. O avião é montado na cidade de Saint Louis, no estado de Missouri.

Caça americano custaria mais se construído no Brasil

Nos EUA, estima-se que cada caça F/A-18 custe cerca de US$ 100 milhões. Em venda direta, portanto, levando-se em conta que a ideia da FAB é adquirir 36 jatos, o custo da compra seria de prováveis US$ 3,6 bilhões. Feito no Brasil, o custo subiria para mais de US$ 10 bilhões, por esta lógica. Os EUA possuem em sua frota 700 jatos da família F-18. Ao menos três países – Austrália, Finlândia e Suíça – operam jatos F-18 em suas frotas de veículos militares.

O representante do governo americano afirma que a proposta de seu país já foi devidamente apreciada pelo Departamento de Defesa e pelo Comitê do Congresso dos EUA que lida com a comercialização de equipamentos militares para o exterior, o que significa que não pode ser barrada em estágios futuros de negociação. Ele afirma que a venda dos jatos a partir do Brasil também é permitida desde que o país obedeça aos critérios de venda de equipamentos militares seguido pelos EUA.

– Sob a lei dos EUA, o repasse de equipamentos militares criados e produzidos pelo país está sujeito a consulta, como em qualquer operação militar deste tipo em todo o mundo. Temos países com o qual não temos relações e em situações de sanção, como o Sudão, para o qual a venda de equipamentos deste tipo não é autorizada, mas o Brasil trabalha com leis semelhantes. No passado, a própria França negou a venda de equipamentos militares para os EUA. É assim que funciona – diz o diplomata.

Comentários


Sem comentários ainda.

Comente!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *