Propinoduto tucano equipara PSDB da CPTM/Metrô a petistas da Valec

cptmmetro

A denúncia da revista Isto É é grave, gravíssima, e deve merecer uma apuração rigorosa. Ladrões de dinheiro público abrigados em qualquer legenda devem receber punição severa e o repúdio da sociedade. Para isso, nada melhor e mais transparente do que permitir que a apuração se faça também no ambiente parlamentar, com a instalação de uma CPI.

Nesse caso, o ponto de partida é a admissão, por parte do corruptor, de que houve pagamento de propina a funcionários públicos com o fim de burlar o sistema de defesa da concorrência e facilitar contratações que burlam a lei 8.666.

A denúncia da Siemens ao CADE dá conta de que quase R$ 7 milhões em propina foram distribuídos a funcionários do Metrô e da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos para assegurar contratos superfaturados com o governo paulista, de Mário Covas a Geraldo Alckmin.

Em tudo esse caso se parece com outro, este com a assinatura do PT e seus aliados, notadamente o PR. Foi o chamado escândalo da Valec que, em 2011, ensejou a prisão do ex-presidente da estatal, José Francisco das Neves (Juquinha) e da mulher dele, Marivone, escalada para atuar como laranja familiar do esquema. A família, de acordo com a Polícia Federal, foi pródiga na multiplicação de seu patrimônio, que saltou de R$ 560 mil para mais de R$ 60 milhões graças ao que foi surrupiado nas obras da Ferrovia Norte-Sul.

Algumas coisas, no entanto, precisam ficar mais claras em relação ao que já se sabe sobre a roubalheira em São Paulo. As reportagens veiculadas até o momento citam nominalmente dois funcionários do terceiro escalão da hirarquia tucana, embora as manchetes sugiram o envolvimento de políticos do PSDB. Esse políticos, até agora, não foram nominados. Quem são, qual a sua função na organização governamental, ainda não se sabe.

Outro aspecto ainda não esclarecido é o tamanho do butim. Os corruptores admitem que pagaram os quase R$ 7 milhões, mas as manchetes elevam o montante desviado para R$ 425 milhões. Há um hiato abissal entre as duas cifras. Mas ambas são igualmente indecorosas, caso se confirmem, porque a lei e a ética não distinguem o punguear de um real ou de um milhão de reais.

Certo, até aqui, há apenas uma coisa. Onde há trilhos e políticos, a moralidade dos negócios púbicos tende sempre a descarrilar. O resultado, independentemente da legenda que está no Poder, é o que se vê por todo canto: transporte ruim, caro, lerdo e entupido de gente.

E espertalhões sorridentes armealhando fortunas com dinheiro desviado do contribuinte brasileiro.

 

 

Comentários

7 thoughts on “Propinoduto tucano equipara PSDB da CPTM/Metrô a petistas da Valec

  1. Que diversionismo é esse, Sr. Pannunzio? A Alstom, que tem executivos já presos na França e processados também no Reino Unido pelas propinas no Metrô de SP, é só o braço menor do rolo. A diferença fica por conta da parte do “leão” paga pela Siemens, como bem esclarecem as reportagens de quem não escondeu o escândalo do povo.

  2. Dê mais um tempinho e vai explodir também roubalheira nos pedágios de São Paulo.

    É só comprar o guaraná e a pipoca e esperar confortavelmente na poltrona.

  3. Rastrear 425 milhões não deve ser muito difícil, correto? A Polícia Federal já está no caso?

  4. Caro PANNUNZIO,

    Chamo sua atenção para o “recente” e estranho INCÊNDIO que aconteceu nos “arquivos” do METRÔ Paulista, estranhamente, levando às cinzas inúmeros documentos importantes…

    Literalmente, queima de arquivo ???

    Pouco, quase nada, se divulgou na imprensa, na mídia jornalística sobre esse tal INCÊNDIO… muito estranho.

    Só falta ocorrer incêndios agora nas administradoras de pedágios…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *