Não poderia ser pior o clima entre funcionário de terra e tripulantes dos aviões da TAM desde que a companhia anunciou, no último dia...

Não poderia ser pior o clima entre funcionário de terra e tripulantes dos aviões da TAM desde que a companhia anunciou, no último dia 30, que iria dispensar ao menos mil tripulantes para equilibrar suas planilhas de custos. Em contato com o Blog do Pannunzio, pilotos e comissários alertam que isso pode implicar em problemas para a segurança de voo. A lista com os nomes dos funcionários que serão desligados ainda não saíram. Mas, a partir da divulgação das escalas de voo, já é possível saber quem será cortado, pois seus nomes foram excluídos dos voos a partir do próximo dia 26.

O estresse da tripulação é comprovadamente um dos fatores contribuintes mais importantes para a ocorrência de acidentes. No Brasil, esteve presente em pelo menos dois episódios que comoveram a opinião pública. O primeiro foi o que envolveu um cargueiro da Transbrasil em 1989. Cansada e desgastada, a tripulação cometeu um erro operacional — a abertura simultânea dos flaps e spoilers aerodinâmicos — que terminou por provocar a queda de um Boeing 707 cargueiro a três quilômetros da cabeceira da pista de Cumbica, em Guarulhos. Além dos tripulantes, 22 pessoas em terra morreram. Houve mais de cem feridos.

Outro acidente provocado por esgotamento foi o que vitimou a banda Mamonas Assassinas em 1996. Depois de uma jornada de mais de 18 horas, os pilotos do Learjet PT-LSD erraram no procedimento de aproximação. Ao arremeter, não entenderam as ordens do controle de tráfego, inverteram uma curva e bateram num morro da Serra da Cantareira.

“Não se pode pedir para que um piloto cumpra aviso prévio voando”, disse ao blog comandante da TAM. “O que está em questão são as vidas de dezenas de passageiros e de toda a tripulação.

A diretoria da TAM está reunida neste momento com representantes do Sindicato dos Aeronatuas. O blog vai acompanhar e atualizar assim que possível as informações.

 

Comentários

  • MarceloF

    02/08/2013 #1 Author

    Fábio,
    encontrei um link no blog Drunkeynesian para o relatório do Swiss Credit sobre a infraestrutura no Brasil – é um relatório grande, mas tem um capítulo muito legal sobre transportes aéreos (fala das cias aéreas e dos aeroportos). Como vc. gosta do assunto, vale olhar pelo menos essa parte:

    https://doc.research-and-analytics.csfb.com/docView?document_id=x521421&serialid=hiY885dB%2faC2ecvuH1fqd2mf5z7Lvtl26SiX%2bIMrn%2fQ%3d

    Sds.,
    de MarceloF

    Responder

    • MarceloF

      03/08/2013 #2 Author

      Ops! é CREDIT SUISSE.
      Acho que foi alguma coisa que comi…
      Sds.,
      de MarceloF.

  • JK

    02/08/2013 #3 Author

    Não meu amigo Marcelo. Piloto não pode voar de sobre aviso! O nível de atenção durante a pilotagem de uma aeronave a 900km não permite falhas. Se o médico errar mata um paciente, se um jornalista escrever besteira, se desculpa no dia seguinte… e não meu caro, nenhum piloto profissional jogou ou vai jogar um avião de passageiros em um morro, mas aviação exirge cabeça fria para a segurança de quem está voando e também para quem está com a bunda plantada na cadeira em frente um computador, como eu e você!

    Responder

    • MarceloF

      02/08/2013 #4 Author

      JK,
      tenho brevê (um modesto PP) e conheço uma penca de pilotos profissionais. Sei muito bem como a profissão requer a máxima atenção das tripulações. O caso é o seguinte: pilotos não são diferentes de outros profissionais – operadores de usinas nucleares também podem matar milhares de pessoas com um só erro. O aviso prévio em si não deve representar riscos adicionais.
      O que realmente está colocando em risco a vida dos passageiros (entre os quais me incluo) é o excesso de horas voadas, muitas vezes por atrasos provocados pela péssima estrutura dos aeroportos e pelo descaso na elaboração das escalas de serviço das cias aeronáuticas.
      Além disso, se a situação financeira das aéreas é tão ruim (ainda não entendi por quê), vai ser difícil melhorar a vida dos seus trabalhadores. A Anac precisa fiscalizar melhor esses serviços.
      Sds.,
      de MarceloF.

  • aviador_tam

    01/08/2013 #5 Author

    Infelizmete temos colegas voando em condicoes psicologicas muito abaixo do que nossa profissao exige!

    Temos um case de um Comandante que sofreu um infarto esta semana, imagino que o stress adicional causado por toda essa situacao tenha tido sua parte.

    Passageiros TAM, fiquem cientes de que os pilotos e comissarios de seus voos nao estao 100% focados no voo, quem conseguiria? sabendo que no proximo dia voce podera estar desempregado!?

    Responder

  • LF Pereira

    01/08/2013 #6 Author

    A TAM é uma empresa privada; de acordo com os cânones do capitalismo ela deve gerar empregos e ganhar uns trocados. O Comandante Rolim não era bobo. Nada de benemerências. A Varig desmoronou porque era mal administrada. Não foi culpa do Governo. Conversa de sindicalista não me convence. Se amanhã a Bandeirantes ficar mal das pernas, vai demitir ou morrer. Não quero isso; ouço-a todos os dias, há uns 50 anos.Tomara preserve o Pannunzio (na TV) , o Zé Paulo de Andrade, o Salomão Ésper, o Fernando Mitre, o Rafael Correa, o Paulo Galvão, a Thays Freitas…… Enfim: devem ficar os necessários. Sobretudo aqueles simpáticos patetas do “Na Geral”. Essa é a vida!

    Responder

  • MarceloF

    01/08/2013 #7 Author

    É preciso verificar o que aconteceu com as cias aéreas brasileiras. Elas lotaram os voos com passagens baratas, mas agora estão à beira da falência. Foi só o preço do querosene que mudou? Ou a demanda não se sustenta mais? Ou será que as aéreas estão pressionando o governo para receber algum privilégio? Estranho passar do céu para o inferno em menos de dois anos…
    Outra coisa: piloto não pode voar de aviso prévio? E médico pode operar de aviso prévio? E jornalista, pode escrever de aviso prévio? Não gosto dessa história de aviso prévio, mas dizer que alguém vai jogar um Boeing no morro por causa disso é complicado…
    Sds.,
    de Marcelo.

    Responder

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *