Indique a resposta certa: Por que Lula repete com tanta insistência que o PT não precisa da opinião de “formadores de opinião” para saber...

Indique a resposta certa:

Por que Lula repete com tanta insistência que o PT não precisa da opinião de “formadores de opinião” para saber como se comportar com decência?

Opção A: Porque a opinião dos “formadores de opinião” rejeitada por ele costuma ser contrária ao modo de o PT se comportar. Se fosse favorável, ele não reclamaria;

Opção B: Porque detesta “formadores de opinião” em geral e alguns em particular. Beneficia-se da opinião daqueles que o reverenciam, mas nem desses gosta muito;

Opção C: Porque a crítica aos “formadores de opinião” lhe garante largo espaço nos meios de comunicação. Isso massageia seu ego e atrai a solidariedade dos petistas;

Opção D: Nenhuma das opiniões acima;

Opção E: Todas as opiniões acima.

 

Foto: Ricardo Stuckert

 

(Não responda sem antes refletir um pouco. Lula é um cara complexo. Salvo a turma de sua época de sindicalista, poucos o conhecem de fato. Por esperto, espertíssimo, engana correligionários e adversários com facilidade. Com frequência não diz o que pensa, mas o que seus interlocutores querem ouvir. E depois faz o que quer. Em resumo: é um político nato à moda antiga. Mais para samurais do que para ninjas.)

De volta ao questionário. Cravou uma das opções?

A certa a meu ver: a opção E (Todas as opiniões acima).

Lula trata o PT como um filho. Por sinal, vive comparando o PT a um filho desde a época do estouro do escândalo do mensalão. Disse algo assim: “Qual o pai que pode saber o tempo todo o que seus filhos estão fazendo?”

Com isso quis se declarar inocente.

Entre ser entrevistado ao vivo pelo Jornal Nacional no dia seguinte à sua eleição em 2002 e começar a apanhar quando Roberto Jefferson denunciou o suborno de deputados, foi um pulo. Ali acabou a lua de mel de Lula com a imprensa.

Saiu de cena o ex-sindicalista que passou a perna em todo mundo e alcançou a presidência da República. Entrou o ex-sindicalista que se dizia perseguido pelas elites – embora elas jamais tenham lucrado tanto quanto no governo dele, embora ele as tenha paparicado sempre que pode, embora elas, hoje, torçam por sua volta ao poder.

O fato de não ter estudado porque não quis e de ter sucedido alguém que nunca parou de estudar alimentou em Lula um certo desprezo por aqueles que sabem pensar e expressar o que pensam.

Como se acha bem-sucedido – e de fato o é – imagina-se merecedor de todos os elogios possíveis e um injustiçado quando eles escasseiam. Ou quando são superados pelas censuras.

Disse um dia (cito de memória): “Gosto de publicidade. De notícias, não”.

Existe publicidade positiva e negativa. É da primeira que naturalmente ele gosta. Sobre a notícia ele não exerce controle. Exerce sobre a publicidade desde que pague a conta. Ou que tenha quem pague.

Talvez tenha sido o primeiro político dos tempos interessantes que vivemos a intuir que tratar mal a imprensa lhe renderia generoso e gratuito espaço na… imprensa. E assim procede até aqui.

Seus admiradores mais simplórios apreciam a disposição com que ele destrata jornalistas, formadores de opinião e os mais poderosos conglomerados de comunicação. Lula lhes fornece argumentos para justificar todos os passos do PT. E eles se sentem aptos a travar discussões com seus desafetos.

Não é bacana?

Leia o original no Blog do Noblat

Comentários

  • Alex

    15/08/2013 #1 Author

    Talvez porque os tais formadores de opinião também não tenham essa decência toda?

    Responder

  • ari alves

    15/08/2013 #2 Author

    É mentira. Não seja desonesto. O PSDB tá defendendo seus quadrilheiros do trilho, e vocês (até a Mônica Bergamo, pasmem!) estão descaradamente comprando a versão dos corruptos regionais – para ficar com a versão do Merval – como se verdadeira fosse. Blindagem e bandidagem impressa maior que essa impossível.
    Que moral tem o homem do fardão FAKE, que vive posando ao lado de políticos como o Serra, acusado de malversação com o dinheiro do Metrô de São Paulo, para exigir comportamento moral de alguém?
    Não, não compraria. Nem o livro do Merval, nem o carro usado do Noblat: são penas alugadas ao PSDB.

    Responder

    • Fábio Pannunzio

      15/08/2013 #3 Author

      Você continua escrevendo como um troglodita. Pegue esse ódio todo e transforme em algo produtivo. Eu compraria o que bem entendesse de quem bem entendesse. Não são os seus postulados morais que vão determinar o que eu faço ou deixo de fazer. Eu tenho os mesmos próprios valores. Você pode não gostar deles, mas são meus e ponto.
      Eu não compraria carro de mensaleiro, nem de tucano corrupto da CPTM e do Metrô. E não comungo com tese de corrupção regional ou nacional. Ladrão pra mim é ladrão, sem nada de qualificador para abonar a roubalheira ou desabonar. Roubou, é ladrão. Não importa se é do PT, do PSDB ou do PQP. E não me chame de desonesto porque isso eu não sou!

  • ari alves

    15/08/2013 #4 Author

    Merval Pereira, que conseguiu a vaga na ABL por ser parte da cota dos Marinhos naquela casa, para defender o PROPINODUTO TUCANOS saiu-se com a sem-vergonhice de que existe a corrupção regional e a nacional. O ministro Barroso, do STF, como que retrucou o bandidão dos Marinhos: “Corrupção é corrupção.”
    E aí, Fábio Pannunzio, você compraria o livro do Merval Pereira?

    Responder

    • Fábio Pannunzio

      15/08/2013 #5 Author

      Compraria sim. Por que ? Você tem algum problema com livros ? Eu leio tudo o que posso, inclusive sobre teses com as quais não comungo. Se você discorda do Merval, deveria ler o livro dele também. Assim terá muitos argumentos para combatê-lo. Por exemplo: sou ateu, mas leio a bíblia de vez em quando. Tem algum problema nisso ? Assim como Santo Agostinho, São Tomás de Aquino, Padre Vieira etc. etc.
      A propósito do Barroso, discordo da opinião dele. Acho que, como manda a lei penal inclusive, é preciso individualizar condutas, como foi feito no julgamento do maior escândalo político da história brasileira, o Mensalão.
      O fato de o PT ser uma legenda tomada pelos bandidos não isenta as demais do respeito à lei, à ética e à lisura na gestão dos negócio públicos. Assim como a constatação de que todos os partidos têm corruptos encastelados não serve para isentar o PT, o PSDB e quem mais vier da culpa pelos atos que praticam.
      Para mim, corrupto é corrupto e bandido é bandido. Sem cor, partido ou facção. Mas quando um partido político tentar vilipendiar a história para inocentar os seus bandidos, tem que ser nominado e denunciado. Concorda ou discorda ?

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *