A indicação do advogado-geral da União, José Antonio Toffoli, para a vaga de ministro do Supremo Tribunal Federal tem dividido opiniões no Senado Federal....

A indicação do advogado-geral da União, José Antonio Toffoli, para a vaga de ministro do Supremo Tribunal Federal tem dividido opiniões no Senado Federal.

Ele foi confirmado como o favorito do presidente Lula para ocupar a vaga do ex-ministro Carlos Alberto Menezes Direito, morto no último dia primeiro de setembro.

Segundo o senador Álvaro Dias, o nome de Toffoli deve ser muito questionado pela Casa e os que defendem a nomeação dele precisam dar uma justificativa muito convincente para que o advogado consiga realmente a vaga. “A trajetória política dele não compensa, não há um notório saber jurídico e há também a questão partidária que retira qualquer independência no exercício do cargo”, afirmou ao se referir ao relacionamento de Toffoli com o presidente da República.

Ainda de acordo com Dias, a própria opinião é semelhante à do PSDB, que acredita em uma dificuldade para votação.

Para ser efetivado ministro, Toffoli tem que passar por sabatina na Comissão de Constituição e Justiça do Senado e ter o nome aprovado na reunião e no plenário da Casa.

Já o peemedebista Valdir Raupp (RO) não acredita que a indicação política seja motivo para qualquer tipo de suspeição. “O presidente Lula já escolheu ministros de todas as áreas. Já escolheu mulheres e negros. Acho que chegou a vez dos jovens”, disse ao ponderar que Toffoli está preparado para assumir o cargo.

José Antonio Toffoli tem 41 anos e, se aprovado, será o ministro mais jovem a integrar a corte do Supremo Tribunal Federal. Foi consultor jurídico da Casa Civil entre 2003 e 2005, na gestão José Dirceu, sendo posteriormente exonerado do cargo pela atual ministra Dilma Rousseff.

Comentários


Sem comentários ainda.

Comente!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *