Data Vênia, o povo

Se você está achando que o STF não faz jus ao que o País necessita neste momento, acalme-se. Ele apenas reparou algo que precisava de reparação. Decidiu que Renan Calheiros não é ficha limpa o suficiente para assumir interinamente a Presidência da República, mas não é ficha suja o que baste para ser afastado da presidência do Senado.

Foi uma decisão sábia, à altura do altruísmo e do patriotismo dos nosso ministros. Eles sabem que é melhor ter um ladrão confiável com a pauta do Congresso nas mãos do que permitir que um petista sério tome assento na condução do ajuste fiscal. Ainda que, como disse o próprio réu anistiado ontem, isso viesse a durar apenas nove dias.

Você não entende, mas a Suprema Corte não precisa seguir estritamente o que diz a lei maior para embasar decisões, inclusive as que vão soar como ofensivas ou estapafúrdias aos ouvidos incautos da Nação. Tanto assim que três dos nove ministros que participaram do julgamento de ontem encontraram no mesmo texto que absolveu Renan Calheiros justificativas para votar ao contrário da maioria dos colegas . Mas a decisão era mesmo política, como se viu.

O povo não entende nada mesmo da ética do Poder e não sabe que a Constituição tem um valor meramente referencial quando interesses particulares de quem manda precisam se sobrepor ao desiderato da plebe. Não está, portanto, apto para julgar quem julga por nós. Se você se indignou com o que viu ontem, com certeza é porque não entendeu direito.

Repare como a reação do governo foi diferente da sua. Enquanto você se remoía de ódio, enquanto você era consumido por uma sensação de perda do horizonte, havia festas e mais festas nos gabinetes mais chiques de Brasília. Se eles comandam o País e comemoraram, por que você acha que esse sentimento mesquinho que te corrói é que está certo ?

Pense num Celso de Mello, num Lewandowski. Pense numa Carmem Lúcia, num Luis Fux. Na sabedoria quase adolescente de um Tóffoli. Só de olhar aquele rosto impávido de um Teori, não te dá uma paz interior ? Fique tranquilo e aquiete seu espírito. Nós estamos bem de magistrados e nossa Pátria está salva. Ainda que o roteiro da salvação passe antes pela beatificação de gente como Renan Calheiros vez por outra.

Mais a mais, esse povo gritando impropérios na rua é insaciável. Deveria ter ficado satisfeito com a saída da Dilma, mas parece que isso não bastou. Agora as pessoas andam dizendo que o Supremo é o tribunalzão do jeitinho. Que os ministros têm alma de juizeco. Que não têm altivez porque aceitam a humilhação de ver um mandado recusado sem reagir. Ledo engano.

Você tem que reconhecer ao menos o mérito dessa gente altruísta que abre mão do tal monopólio da última palavra em beneficio do que realmente importa, que é direito dos senadores de escolherem quem bem lhes aprouver para dirigir a Câmara Alta. Isso não é problema seu. A sua parte consiste em dar um voto, apenas um voto, que num enorme oceano de votos vai ajudar a compor o perfil desse universo habitado por figuras como Renan. E eles, por sua vez, vão indicar e aprovar quem os julga — em seu nome.

Data vênia, a sua opinião importa muito pouco. É por isso que ninguém está nem aí para o que você está pensando ou sentindo. Você não manda na República, não entende nada do Poder nem alcança a nobreza escondida por trás de atos e decisões aparentemente incompreensíveis à luz dos seus valores.

Conforme-se. É o que resta a você. Apenas conformar-se.

Comentários